Gigante dos eletros se rende à tradição do Nordeste

22 de abril de 2014 por vneto

Um estudo da Philips Walita com nordestinas das classes AB e C, mapeou aspectos comportamentais e peculiaridades das consumidoras da região. Os resultados inspiraram o desenvolvimento de soluções que simplificam as tarefas na cozinha, trazendo o conceito de inovação para o cotidiano das pessoas.

Os primeiros produtos que nasceram da iniciativa foram um liquidificador com filtro extra grande que permite fazer leite de coco em casa, e a “colher de pau elétrica”, com batedor extra, que permite fazer receitas tradicionais com a mesma precisão e controle de uma colher de pau tradicional, mas com menos esforço.

A pesquisa mostra que as mulheres nordestinas, apesar de toda a parafernália eletrônica lança nos últimos tempos, cozinham como suas avós ensinaram.”Elas mantêm o cuidado com a família e o poder da comida caseira como foco principal e perpetuam três valores tradicionais no preparo das receitas culinárias: a utilização de produtos naturais, a produção feita à mão para dar o ponto certo e a personalização com toque especial que imprime personalidade em todos os pratos”, diz o estudo.

O Nordeste apresentou crescimento da economia nos últimos anos e está no mapa de expansão da Philips. “Percebemos que há um potencial de compra interessante e que, para atrair a atenção destes consumidores, precisamos entregar inovação em produtos que realmente façam a diferença no dia-a-dia deles”, afirma Alina Asiminei, diretora de marketing de Consumo e Lifestyle da Philips para a América Latina.

 

==
Com informações da Assessoria de Imprensa da Philips Brasil

 

Rede nordestina de farmácias planeja abrir loja nos Estados Unidos

22 de abril de 2014 por vneto

Com investimentos estimados em R$ 100 milhões, a rede de farmácias Pague Menos planeja abrir 90 lojas este ano e prepara o terreno para abrir o capital a partir de 2015, mas isso vai depender do cenário interno. O grupo tem 648 lojas, das quais 21 no Rio Grande do Norte (15 em Natal).

Em 2012, a rede cearense contratou três bancos para prestar assessoria, mas o mercado se retraiu e a diretoria achou melhor aguardar mais um pouco. Itaú, Credit Suisse e Banco do Brasil foram acionados novamente.

A Pague Menos pensa grande. O plano do grupo, segundo o presidente Deusmar Queirós, é abrir até um terço (33,3%) do capital da rede varejista na Bovespa. E já existem muitos investidores interessados. O dinheiro levantado, cerca de R$ 1 bilhão, vai ser usado na expansão e internacionalização dos negócios. “Temos planos de abrir lojas nos Estados Unidos, talvez em 2016 e 2017″, afirma Queirós.

No ano passado, o faturamento bruto da Pague Menos foi de R$ 3,7 bilhões, crescimento de 14,7% em relação a 2012.

Almoço pago com tíquete refeição subiu quase 10% em 2013

21 de abril de 2014 por vneto

O preço médio da refeição fora de casa em Natal chegou ao final de 2013 custando R$ 30,60, segundo estudo elaborado pelo Datafolha para Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador (Assert). O valor é o quarto maior entre as capitais nordestinas e está acima da média nordestina (R$ 29,78) e da nacional, R$ 30,14.

O preço médio inclui, além do prato principal, refrigerante, suco ou água, a sobremesa e o cafezinho.

A pesquisa foi realizada em 49 municípios, sendo 21 capitais. E os dados coletados entre 1° de novembro e 05 de dezembro de 2013 em lanchonetes, restaurantes, padarias e bares que servem refeições de segunda à sexta-feira e que aceitam vale ou tíquete refeição. Como se trata de um indicador para saber o comportamento de preços e os hábitos alimentares dos trabalhadores, a pesquisa não leva em conta estabelecimentos que oferecem comida oriental, com fast-food, com sistema rodízio, nem os situados em praças de alimentação dos shopping centers.

Os preços médios em Natal foram os seguintes: Prato Comercial R$ 24,15, o maior entre todas as capitais do Nordeste, Self Service R$ 23,56, Executivo R% 34,90, À La Carte 39,77.

De acordo com o Datafolha/Assert, em relação ao ano anterior houve aumento de 9,49%. No período, a inflação foi de 5,91%.

==

PREÇOS MÉDIOS

Sudeste R$ 30,14
Sul R$ 28,20
Nordeste 29,78
Centro-Oeste 31,44
Norte R$ 30,97

==

NORDESTE*
Salvador R$ 32,95
João Pessoa R$ 32,92
Maceió R$ 30,86
Natal R$ 30,60
Aracaju R$ 29,95
Recife R$ 27,83
Fortaleza R$ 27,34
São Luís R$ 27,23

==
(*) A pesquisa não incluiu Teresina, capital do Piauí

Custo de desoneração da folha salarial dobra em 2014

21 de abril de 2014 por vneto

Responsável por fazer o governo deixar de arrecadar R$ 13,2 bilhões no ano passado, a desoneração da folha de pagamento está trazendo maiores custos para o Tesouro Nacional em 2014. Nos dois primeiros meses do ano, a renúncia fiscal correspondeu a mais que o dobro do registrado no mesmo período de 2013.

Segundo dados mais recentes da Receita Federal, o governo deixou de arrecadar R$ 3,59 bilhões em janeiro e fevereiro por causa da desoneração da folha, contra R$ 1,6 bilhão nos mesmos meses do ano passado. A principal responsável pela diferença foi a inclusão de 16 setores da economia que não contavam com o benefício fiscal no início de 2013.

Em julho do ano passado, dez setores da indústria, do comércio e de serviços, além da construção civil, entraram na desoneração. Em janeiro deste ano, cinco segmentos ligados ao transporte e as empresas jornalísticas também passaram a fazer parte do novo sistema de contribuição para a Previdência Social.

O novo regime começou a ser adotado em 2011 para estimular o emprego e evitar demissões nas indústrias de couro e calçados, nas confecções e nas empresas de call center e de tecnologia da informação. Atualmente, 56 segmentos da indústria, do comércio, dos serviços e dos transportes são beneficiados pela desoneração da folha.

Em vez de pagarem 20% da folha de pagamento como contribuição patronal à Previdência Social, os setores beneficiados pela desoneração passaram a pagar 1% ou 2% do faturamento, dependendo da atividade. A mudança beneficia principalmente as empresas intensivas em mão de obra (que dão mais emprego). Como as alíquotas são mais baixas do que os níveis que manteriam a arrecadação da Previdência, a desoneração implica custos para o governo.

De acordo com cálculos do Ministério da Fazenda, a alíquota neutra – que não traria impacto na arrecadação federal – seria 2,2% em média. Para algumas atividades, no entanto, a alíquota neutra chegaria a 4,6% do faturamento. A desoneração da folha não aumenta o déficit da Previdência porque o Tesouro Nacional compensa o INSS com a diferença de arrecadação e assume as despesas do novo regime. Além disso, no caso da indústria, os produtos importados dos segmentos beneficiados tiveram PIS/Cofins reajustado em um ponto percentual.

==
Fonte: Agência Brasil

Produtos mais vendidos na Ceasa aumentam 17% em um mês

20 de abril de 2014 por vneto

Os produtos de maior demanda na Ceasa – Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Norte  – tiveram aumento médio de 17,6% entre 13 de março e 16 de abril, puxado pela batata lisa, coentro, tomate e caju.

A batata lisa especial teve reajuste de 83%, passando o saco de 50 quilos de R$ 118 para R$ 216. O molho de coentro subiu de R$ 0,50 para R$ 0,80; o quilo médio do tomate Santa Adélia subiu 19% e a caixa de caju 12,5%.

O preço do abacaxi, dos vários tipos de banana, da cebola pera, da farinha e do feijão verde ficou estável. O quilo do feijão verde debulhado estava sendo vendido na semana passada a R$ 6,00.

As planilhas da Ceasa mostram que a batata lisa vem enfrentando uma gangorra de preços desde o final do ano passado. Em dezembro, o saco de 50 quilos era vendido a R$ 86, em janeiro subiu para R$ 216, em fevereiro caiu para R$ 76, subiu para R$ 118 em março, e agora foi a R$ 216. Mais baratos estavam a goiaba (-4,99%), melancia (-6,67%) e cenoura (-2,94%).

Nos supermercados, o quilo do produto estava sendo vendido na casa de R$ 5,00. Já o tomate era vendido a R$ 2,30.

Abertas inscrições para concurso nível médio do Banco do Nordeste

17 de abril de 2014 por vneto

Estão abertas até o dia 8 de maio, as inscrições para o concurso público do Banco do Nordeste, para o cargo de nível médio, Analista Bancário 1. Para se inscrever, o candidato deve acessar o site da Fundação Getúlio Vargas (www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/bancodonordeste) , organizadora da seleção, onde preencherão Requerimento de Inscrição e emitirão boleto bancário. A taxa de inscrição é de R$ 60,00.

Lançado no início de abril, o edital prevê oportunidades em toda a área de atuação do Banco – região Nordeste e norte de Minas Gerais e Espírito Santo. O provimento imediato será de 12 vagas, ficando os demais aprovados como cadastro de reserva para atendimento de demandas de suprimento do cargo que venham a surgir durante o prazo de validade do concurso.

A tendência é que o número de convocados supere o inicialmente previsto, uma vez que o Banco iniciou um projeto de abertura de agências, que contempla 112 novas unidades em toda sua área de atuação, das quais já inaugurou 70. Além disso, neste ano, o BNB lançou um Programa de Incentivo ao Desligamento, que beneficiou empregados que gozavam de aposentadoria concedida pela Previdência Oficial. Esses dois fatores, podem aumentar a possibilidade de convocação de aprovados.

O concurso constará de Prova Escrita que está marcada para o dia 08 de junho de 2014 e abrangerá 80 questões objetivas de Conhecimentos Básicos (Língua Portuguesa, Matemática, Conhecimentos Gerais) e de Conhecimentos Específicos. Ao todo, estão previstas 34 cidades para aplicação da Prova Escrita Objetiva.

A remuneração inicial é de R$ 2.043,36. Os benefícios adicionais são: auxílio-refeição (R$ 509,89), Auxílio Cesta de Alimentação (R$ 397,33) e Auxílio-Creche (R$ 330,71). A jornada de trabalho é de 30 horas semanais. O novo empregado será regido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), e terá também a oportunidade de ingressar nos planos de saúde e previdência privada do BNB.

Municípios recebem segunda parcela do FPM de abril

17 de abril de 2014 por vneto

O Tesouro Nacional deposita nesta quinta-feira (17), nas contas das 167 prefeituras do Rio Grande do Norte, a segunda parcela de abril do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Os pequenos municípios vão receber, brutos, R$ 54,3 mil, aumento real de 15% em relação à segunda cota de abril do ano passado, conforme cálculos da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Apesar do aumento, o valor é 19% menor do que o estimado em 10 de abril, após o primeiro decêndio do mês. A previsão para o 3º decêndio é de R$ 2,1 bilhões, em valores brutos – incluindo a retenção do Fundeb, de acordo com Receita Federal do Brasil (RFB).

A CNM lembra aos gestores municipais que em abril e maio o FPM historicamente apresenta crescimento. “Mas, a partir de junho até outubro os repasses são menores. Assim, deve haver o controle das despesas para enfrentar estes meses.”

O acumulado dos 1º e 2º decêndios de abril soma R$ 3,69 bilhões. No mesmo período de 2013, o acumulado ficou em R$ 3,33 bilhões. Em termos reais, descontando a inflação, abril acumula aumento de 10,9% em relação ao ano passado.

##
FUNDO DE PARTICIPAÇÃO
[Coeficiente municipal e valores repassados para o RN - em R$ 1.000]

0.6……………….54,3
0.8……………….72,4
1.0……………….90,5
1.2……………..108,6
1.4……………..126,7
1.6……………..144,8
==
Natal………. 2,119,3
Parnamirim.. 579,4
Mossoró….. ..579,4

 

 

Climatempo alerta para chuva forte em Natal

16 de abril de 2014 por vneto

A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) espalha nuvens carregadas sobre a costa norte do Nordeste. No decorrer desta quarta-feira (16), há previsão de chuva forte entre o litoral do Rio Grande do Norte e do Ceará, segundo informa a Climatempo.

A tendência é que nos próximos quatro dias este sistema ainda espalhe nuvens pesadas de chuva sobre toda a costa norte da região, principalmente entre o litoral do Maranhão e do Rio Grande do Norte.

Pelas medições do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), em 15 dias de abril, Natal acumulou aproximadamente 80 mm de chuva, 30% da média normal para o mês, que fica em torno dos 265 mm.

Com base nas imagens de satélite, os meteorologistas da Climatempo destacam o deslocamento das nuvens carregadas. Na imagem do radar meteorológico de Natal, operado pela Aeronáutica, a chuva moderada a forte já era visível às 21h10 da terça-feira (15).

Agências bancárias fecham na sexta e na segunda-feira

16 de abril de 2014 por vneto

Os bancos não vão abrir nos próximos dias 18 e 21, devido aos feriados nacionais de Sexta-feira da Paixão e Tiradentes, informou nesta quarta-feira (16) a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). A Febraban orienta a população a utilizar os canais alternativos de atendimento para fazer as operações bancárias, como caixas eletrônicos, Internet Banking, Mobile Banking, banco por telefone e correspondentes (casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos comerciais credenciados).

As contas com vencimento marcado para os feriados, como as de consumo (água, luz, telefone e TV por assinatura, por exemplo) e os carnês, poderão ser pagas no próximo dia útil subsequente (22), sem incidência de multa. Os tributos, normalmente, já estão com data ajustada pelo calendário de feriados (federais, estaduais e municipais).

Os clientes também podem agendar nos bancos o pagamento das contas de consumo ou pagá-las (as que têm código de barras) nos próprios caixas automáticos, ou em correspondentes. Já os boletos bancários de clientes cadastrados como sacados eletrônicos poderão ser agendados ou pagos por meio do Débito Direto Autorizado (DDA).

= =

Fonte: Agência Brasil

Setor de serviços cresce 8,6% no Rio Grande do Norte

16 de abril de 2014 por vneto

O setor de serviços registrou, em fevereiro, crescimento nominal de 10,3% na comparação com igual mês do ano anterior, a maior variação desde abril de 2013 (11,6%) e superior às taxas de janeiro (9,2% revisado) e dezembro (8,3%). O Rio Grande do Norte teve a quarta maior taxa de crescimento do Nordeste.

Os serviços prestados às famílias cresceram 13,2%, os de informação e comunicação 7,5%; os profissionais, administrativos e complementares 9,3%; transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, 14,7%, e outros serviços, 6,5%. No ano, a receita dos serviços acumula alta de 9,8%. Em 12 meses, o crescimento foi de 8,7%.

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), primeiro indicador conjuntural mensal que investiga o setor de serviços no país, abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).

O crescimento de 14,7% nos transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (peso de 30,7% na estrutura do setor) contribuiu de forma mais acentuada para o crescimento do setor de serviços em fevereiro, principalmente o transporte terrestre (17,6%). No que se refere à composição relativa da taxa, em comparação com janeiro, a contribuição dos transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio passou de 32,6% para 42,7% em fevereiro e o transporte terrestre teve evolução na composição da taxa de 7,6% para 19,4%.

O segmento de serviços de informação e comunicação registrou redução de 32,6% para 25,2% na composição relativa da taxa e os serviços profissionais, administrativos e complementares mantiveram praticamente a mesma contribuição de janeiro (19,4% contra 19,6% em fevereiro).

Regionalmente, todos os estados apresentaram variação nominal positiva em fevereiro, cabendo ao Distrito Federal a maior taxa (26,8%), seguido de Mato Grosso (24,0%) e Goiás (22,8%). Com taxa de crescimento de 8,6%, o Rio Grande do Norte foi o quarto no Nordeste. Na região, o ranking é liderado pelo Ceará (11,8%), Paraíba (9,8%) e Piauí (9,5%). As menores taxas ocorreram em Alagoas (2,6%), Sergipe (3,4%) e Tocantins (4,3%).

==
Fonte: IBGE

Varejo potiguar teve alta de 10,2% em fevereiro

15 de abril de 2014 por vneto

O início da recuperação do setor turístico potiguar, o aquecimento esperado para um ano de Copa do Mundo e, ainda, o maior volume de investimentos públicos, jogando dinheiro novo na economia, fizeram com que o varejo potiguar tivesse em 2014 um primeiro bimestre bem melhor que em 2013.

O IBGE divulgou nesta terça-feira (15) os dados do volume de vendas relativos a fevereiro. No mês, o Comércio Varejista Ampliado do RN emplacou alta de 10,2%, o melhor segundo mês do ano desde 2011. No somatório dos dois primeiros meses (em janeiro a alta registrada foi de 6,6%) o primeiro bimestre de 2014 acumula alta de 16,8% nas vendas, um resultado acima dos 13,8% registrados no mesmo período de 2013.

“Registrar uma alta acima de 10% é extremamente positivo. Nossa média de crescimento ficou bem maior que a média nacional (que foi de 6,5% no mês de fevereiro). Ainda é muito cedo para dizer que temos uma tendência consistente, mas estes números do primeiro bimestre são, sim, bem animadores”, afirma o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN, Marcelo Queiroz.

= =

RIO GRANDE DO NORTE
Volume de vendas no comércio varejista ampliado

.
Dez/2013…………. 5,9%
Jan/2014…………. 6,6%
Fev/2014………… 10,2%

Acumulado no ano
8,3%

Últimos 12 meses
9,0%

 

Informações: Fecomércio/RN

Governo sugere mínimo de R$ 779 no próximo ano

15 de abril de 2014 por vneto

O governo está otimista com a economia em 2015. Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), encaminhada nesta terça-feira ao Congresso, prevê crescimento de 3% do Produto Interno Bruto (PIB), inflação de 5% e salário mínimo de R$ 779,79.

A estimativa para o superávit primário é de R$ 143,3 bilhões. Com o abatimento dos R$ 28,7 bilhões destinados ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a meta do superávit primário fica em R$ 114,7 bilhões (ou 2% do PIB).

Como acontece todos os anos, o mínimo deve ser objeto de negociação com deputados, senadores e centrais sindicais, devendo fechar nos R$ 780, um aumento de R$ 56 em relação ao mínimo atual.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a meta da inflação em 5% tem como base projeções indicando que haverá uma desaceleração nos preços dos alimentos já a partir de 2014. “Tivemos aumento do preço de hortifrutigranjeiros, que se deve à seca. Também há fatores sazonais nesse processo. A boa noticia é que o aumento sazonal dos alimentos deste ano é menor do que o do ano passado”, explicou.

Alvo de crítica dentro do próprio governo, a questão dos juros mereceu um comentário vago do ministro:  ”Não costumo fazer longos comentários sobre juros. O que o Banco Central está fazendo é adequado para manter inflação sob controle”, disse.