Dívida de precatórios chega a R$ 29 milhões e peso maior recai sobre pequenos municípios

1 de agosto de 2014 por vneto

O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) divulgou hoje a relação geral dos precatórios de entes públicos, inscritos no orçamento de 2015, em ordem cronológica de apresentação para fins de pagamento.

Chama atenção, na lista do TRT, o valor de precatórios que pequenos municípios terão de pagar no próximo ano. Parazinho, localizado na região do Mato Grande, tem pouco mais de 5 mil habitantes e ocupa o penúltimo lugar no ranking estadual do Desenvolvimento Humano. São 69 processos em fase de execução que totalizam R$ 988 mil.

É como se cada morador da cidade tivesse que desembolsar R$ 192 para o pagamento de dívidas trabalhistas. No ano passado, o ,município recebeu R$ 5,2 milhões de transferências do Fundo de Participaçao. A dívida inscrita no orçamento de 2015,representa dois meses de FPM, a principal fonte de recursos do município. Jandaíra, que faz divisa com Parazinho, tem 7 habitantes e dívida a quitar na Justiça do Trabalho de R$ 630,5 mil. A relação dívida/habitante é de R$ 88,98.

Natal, a cidade mais rica do Estado, tem 853.928 habitantes e uma dívida de R$ 2.910.872,78, o que equivale a um “per capita” de R$ 3,40.

De acordo com a diretora do Serviço de Precatórios, com Conceição Neri, a divulgação atende ao disposto na resolução Nº 115/2010 do Conselho Nacional de Justiça, além do provimento do TRT SCR Nº 002/2011, que dispõe sobre a obrigatoriedade de o tribunal divulgar, até 31 de julho de cada ano, a relação dos entes públicos que têm dívidas trabalhistas oriundas de decisões judiciais transitadas em julgado, cujo instrumento de pagamento se processa mediante o precatório.

A dívida geral a ser paga até dezembro de 2015 totaliza R$ 29,27 milhões de 71 entes públicos, envolvendo 59 municípios, sete órgãos estaduais (administração direta e indireta), quatro da União (administração direta e indireta) e uma empresa pública.

Walmart contrata pessoas com deficiência para trabalhar em lojas do RN

1 de agosto de 2014 por vneto

As lojas do Walmart no Rio Grande do Norte estão com seleção aberta para pessoas com deficiência. Ao todo, são oferecidas 30 vagas. Os interessados devem enviar currículos para o endereço diversidade@walmart.com até o dia 15 de agosto.

Os cargos disponíveis são para setores variados das lojas (operacional e administrativo). Os candidatos precisam ser maiores de 18 anos com o ensino fundamental completo. Não é exigida experiência no setor varejista.

Os selecionados participarão de integração, treinamento teórico e vivência nas unidades do Walmart. Terão ainda direito à assistência médica e odontológica (extensiva aos dependentes legais), seguro de vida, vale-transporte, refeitório, cartão de descontos nas lojas da rede e bônus mediante as metas cumpridas.

No Rio Grande do Norte, o Walmart opera através de sete unidades; Bompreço, Hiper Bompreço, Sam’s Club e Maxxi Atacado.

 

Indicadores reacendem otimismo do mercado imobiliário

31 de julho de 2014 por vneto

Depois de um período de turbulência, o mercado imobiliário começa a tomar a rota da recuperação, com perspectivas de melhoras no segundo semestre do ano. A previsão é do vice-presidente do Sindicato da Construção Civil do Rio Grande do Norte, Francisco Ramos, em conversa com jornalistas nesta quinta-feira.

A razão do otimismo está respaldada por alguns indicadores da Construção Civil apresentados por ele, como o IVV – Índice de Velocidade de Vendas na região metropolitana de Natal, que passou de 4,98 em janeiro para 7,42 em março.  Além disso, março também apresentou o maior volume de vendas de imóveis: 400 unidades, ante 268 em janeiro e 302 em fevereiro. Os resultados do segundo trimestre ainda não foram consolidados, mas Ramos disse ter fortes razões para acreditar num bom resultado no segundo semestre. Isso porque a primeira quinzena pós-Copa projetou resultados muito acima do esperado.  ”O otimismo não é só meu, mas de todo o mercado”, disse ele.

O construtor lembrou que ao contrário da década passada, quando houve um “boom” imobiliário provocado pelos estrangeiros que queriam fixar segunda residência no Rio Grande do Norte para desfrutar as belezas naturais de nosso litoral, o mercado hoje está sendo movimentado pelos nativos que buscam o primeiro imóvel para morar.

Ele adiantou que a Constel está investindo cerca de R$ 500 mil numa campanha publicitária cujo objetivo é conscientizar o consumidor que deixou para comprar imóveis depois da Copa do Mundo na esperança de que os preços estavam inflacionados e que tenderiam a cair depois da ressaca dos jogos.  Com o título “Desafio Constel”, Ramos é o próprio garoto-propagada da campanha. “O que praticamos é o preço honesto para quem vai comprar um imóvel.”

A Constel lançou recentemente a segunda fase de vendas do Residencial Green Life Mor Gouveia, composto por 780 apartamentos divididos em nove torres de 20 andares, dos quais 480 serão de três quartos em seis torres e 300 apartamentos serão de dois quartos nas três Torres restantes.

A construtora planeja lançar nas próximas semanas o Complexo Manhattan, localizado na esquina da Rua Ceará Mirim com a Avenida Campos Sales, no terreno onde hoje se encontram as piscinas e quadras do clube social do América, no Tirol, em um terreno com área de 6.200 metros quadrados.

São dois empreendimentos independentes. Um residencial, com 54 apartamentos apartamentos de 215m² e 220m². O outro é um Centro Empresarial, com 285 salas comerciais de 34m² a 300m², distribuídas em 27 pavimentos, com nove elevadores de ultima geração, 371 vagas de estacionamento para os condôminos e 120 para visitantes e clientes.

Aluguel residencial reajustado pelo IGP-M subirá 5,32%

31 de julho de 2014 por vneto

Os contratos de aluguel residencial em curso com aniversário em agosto e reajuste atrelado à variação do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), da Fundação Getúlio Vargas, serão atualizados em 5,32%. Essa é a variação acumulada pelo IGP-M no período de 12 meses que vai de agosto de 2013 a julho deste ano.

O indicador é um dos principais indicadores para reajustes contratuais – inclusive de aluguel – por ser o primeiro divulgado, ainda dentro do mês de referência.

Para facilitar o cálculo do novo aluguel, o Secovi-SP (Sindicato da Habitação) divulga mensalmente o fator de atualização, que agora é de 1,0532. Assim, para atualizar um aluguel de R$ 1.500,00 que vigorou até julho de 2014, realiza-se a multiplicação de R$1.500,00 por 1,0532, resultando em R$ 1.579,80, que é o aluguel de agosto, a ser pago no final do mês de agosto ou início de setembro.

Microcrédito produtivo aumenta renda familiar em 14,3%

31 de julho de 2014 por vneto

Pesquisa realizada pelo Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene) constatou aumento de 14,3% na renda média familiar de clientes do Programa de Microcrédito Orientado do Banco do Nordeste (Crediamigo), considerado o maior programa de microcrédito urbano da América do Sul.

Segundo o estudo, concluído no último semestre, a ampliação da renda deve-se diretamente ao aumento do lucro do negócio, que em todos os intervalos de número de contratações teve importância superior a 62%.

A pesquisa levou em conta duas dimensões: o empreendimento e a qualidade de vida do empreendedor. A população estudada foi composta por clientes com renda familiar mensal situada entre R$ 678 e R$ 5 mil reais, dando origem a dois grupos: Controle (antes do programa) com 1.549.777 clientes e Tratamento (depois do programa) com 1.106.840 clientes.

Para o grupo de tratamento, foram selecionados clientes que já tivessem realizado no mínimo quatro empréstimos e no máximo 35 no período entre 2005 e 2012. O espaço geográfico definido corresponde aos nove estados da Região Nordeste e ao norte de Minas e Espírito Santo.

De acordo com o Etene, “a estrutura física do empreendimento também é positivamente impactada pelo maior tempo de exposição ao programa demonstrando tendência de redução das atividades realizadas na própria casa do empreendedor e em domicílio e acentuada a tendência de crescimento da atividade realizada em ponto comercial, o que representa maior solidez do microempreendimento”.

Dessa forma, as análises permitem concluir que os recursos do Crediamigo são muito importantes para dar sustentação à atividade econômica, com tendência de melhorias, na medida em que os clientes ficam por mais tempo expostos ao programa.

==
Fonte: Banco do Nordeste

FPM de julho tem queda de 14%; ICMS recupera perdas de junho

28 de julho de 2014 por vneto

O Tesouro Nacional divulgou hoje o fator de correção (0,9557) da terceira parcela de julho do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que será depositada nesta quarta-feira, dia 30.

Com isso, os pequenos municípios do Rio Grande do Norte receberão, brutos, sem os descontos da Saúde e da Educação, R$ 432 mil cada um deles. O valor é 14% menor que o depósito de junho deste ano, mas 12,9% acima se comparado com julho do ano passado.

Em valores brutos, incluindo os repasses destinados ao Fundeb, o montante que será creditado nas contas das prefeituras brasileiras nesta quarta-feira é de R$ 1,33 bilhão, segundo estimativa da Confederação Nacional de Municípios (CNM)

Nos sete primeiros meses de 2014, o FPM somou R$ 46,46 bilhões, enquanto no mesmo período do ano anterior foram repassados R$ 44,41 bilhões. “Em termos reais, o crescimento é de apenas 3,9%”, diz levantamento realizado por técnicos da CNM.

A previsão para agosto é de crescimento de 21%, em relação ao mês anterior.

Quota-parte do ICMS

previsao icms_info    Quanto ao Imposto sobre Circulação  de Mercadorias e Serviços (ICMS), a  última   cota de julho foi depositada nesta segunda-feira (28), fechando o mês com repasse de R$ 86,8 milhões, acima dos R$ 74,3 milhões previstos. Pela estimativa da Secretaria Estadual de Planejamento, os repasses da quota-parte dos municípios deveriam somar R$ 589,2 milhões nos primeiros sete meses do ano. Foram efetivamente repassados R$ 583,2 milhões. A previsão anual é de R$ 1 bilhão.

A Femurn, lembra, no entanto, que em julho houve apenas uma compensação da queda verificada no mês anterior. Em junho estavam previstos R$ 105 milhões e foram repassados R$ 83 milhões. Em julho R$ 74,3 milhões previstos e R$ 86,8 milhões realizados.

Pela ordem, os municípios que receberão mais recursos do ICMS  em 2014 são Natal, Guamaré, Mossoró, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Macaíba, Macau e Areia Branca.

 

 

 

Semana de economia terá palestras sobre conjuntura e distribuição de renda

27 de julho de 2014 por vneto

Com palestras sobre o panorama macroeconômico, mercado de trabalho, distribuição de renda e o legado da Copa do Mundo em Natal, começa nesta segunda-feira (28) a 3ª Semana de Economia da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (Uern). A semana terá ainda minicursos e apresentação de trabalhos acadêmicos.

A palestra sobre a macroecnomia será proferida pelo professor Adolfo Sachsida, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), uma fundação pública federal vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Considerado um crítico da atual política econômica do governo Dilma, Sachsida prevê quatro grandes ajustes em 2015, a começar pelas contas públicas, passando pelas política de combate à inflação, taxa de câmbio e preço dos imóveis.

“A situação das contas públicas é calamitosa: só em maio o setor público consolidado (governos federal, estadual e municipal, e empresas estatais) apresentou um déficit primário de R$ 11 bilhões”, lembra ele em artigo publicado no início de julho.

Em fevereiro, quando a inflação atingiu 0,69%. Sachsida atacou: “Até agora a imprensa já culpou o tomate e a batata… por um breve período o feijão carioquinha também foi suspeito… Chega! A culpa da alta da inflação é do Banco Central com sua desastrada política monetária.” A palestra dele será na segunda-feira à noite.

Já o professo Erik Alencar Figueiredo, a Universidade Federal da Paraíba, falará sobre a distribuição de renda e fazer uma avaliação das políticas redistributivas do governo, apontadas como importantes instrumento para combate à miséria.

As palestras, os minicursos e os trabalhos serão apresentados no Campus Central da UERN.

Mais informações (84) 3315-2200

 

Pequenas e médias empresas resistem à crise

27 de julho de 2014 por vneto

O baixo crescimento da arrecadação federal no primeiro semestre, de apenas 0,28% acima da inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), não se deve ao desempenho de todos os setores da economia.

De acordo com a Receita Federal, a queda na arrecadação está sendo puxada pelas grandes empresas, principalmente do setor financeiro. Ainda com lucros maiores em relação ao ano passado, as pequenas e médias empresas continuam a pagar mais impostos em 2014.

Segundo o Fisco, o pagamento do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das empresas que declaram pelo lucro presumido – modalidade que abrange as menores companhias – cresceu 6,38% acima da inflação no primeiro semestre, de R$ 22,32 bilhões nos seis primeiros meses de 2013 para R$ 23,74 bilhões em 2014.

O pagamento com base na estimativa mensal de lucro, que abrange as maiores empresas, caiu 14,29%, também descontado o IPCA, de R$ 55,49 bilhões para R$ 47,56 bilhões na mesma comparação.

A queda do pagamento de tributos pelas grandes empresas foi puxada pelas entidades financeiras, cuja estimativa mensal de IRPJ e CSLL caiu 32,77% neste ano descontada a inflação, de R$ 22,14 bilhões para R$ 14,88 bilhões.
Contribuiu para a diferença o pagamento de R$ 3 bilhões de Imposto de Renda decorrente da oferta inicial de ações na bolsa de valores da BB Seguridade, unidade de seguros do Banco do Brasil. O desembolso, que inflou a arrecadação federal em maio do ano passado, não se repetiu em 2014.

Como as grandes empresas são as principais pagadoras de tributos no país, esses fatores frearam o crescimento da arrecadação em 2014. De acordo com o Fisco, o Imposto de Renda Pessoa Jurídica e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido são os tributos cuja receita mais caiu em 2014: R$ 4,49 bilhões em valores corrigidos pela inflação acumulada.

Em relação às pequenas e médias empresas, parte do desempenho favorável está relacionado à manutenção do consumo, apesar da desaceleração da economia. De dezembro de 2013 a maio de 2014, as vendas cresceram 1,71% em relação ao mesmo período anterior (dezembro de 2012 a maio de 2013), de acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O fenômeno beneficia principalmente o comércio, ramo que abriga a maior parte das empresas de pequeno e médio porte.

Tradicionalmente, o crescimento das vendas seria refletido em maior arrecadação de outros tributos, como o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). No entanto, em 2014, os dois tributos acumulam queda real de 2,54% – R$ 3,2 bilhões em valores corrigidos pelo IPCA.

A queda na arrecadação desses dois tributos, no entanto, não se deve ao comportamento do comércio, mas às mudanças no PIS/Cofins das mercadorias importadas, que tiveram o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) retirado da base de cálculo por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado.

==

Autor: Wellton Máximo
Agência Brasil

Consultoria de gestão global destaca Magazine Luiza como caso de sucesso

25 de julho de 2014 por vneto

O Magazine Luíza está entre as 50 empresas que mais impulsionam o mercado dos países emergentes, de acordo com um estudo elaborado pelo The Boston Consulting Group, consultoria de gestão global e líder mundial em estratégia de negócios, com 81 escritórios espalhados em 45 países, inclusive no Brasil. A Companhia é a única varejista da América Latina presente na lista e uma das quatro entre as 50 empresas analisadas que operam lojas físicas (ainda há mais duas outras participantes que atuam apenas no modelo de e-commerce).

Os números do Magazine Luiza apontados no estudo chamam atenção, pois a Companhia obteve uma receita de US$ 4,1 bilhões em 2013, mais que triplicando seu número de lojas nos últimos 10 anos. Também abriu 44 lojas em um único dia na cidade de São Paulo, obtém mais de 85% de suas vendas no formato de lojas convencionais e implantou com sucesso o projeto Magazinevocê. É a única varejista verdadeiramente multicanal que opera no Brasil, utilizando a mesma marca, malha logística e sistemas nos diversos canais de venda.

“O estudo procura dar a receita para investidores estrangeiros competirem com as empresas locais consideradas formidáveis competidores, pois fazem acontecer, tomam decisões rápidas sem se reportar a uma matriz fora do país e conhecem profundamente seus clientes, fornecendo a eles o melhor atendimento. Por todos estes aspectos, é um reconhecimento importante para o Magazine Luiza”, afirma Daniela Bretthauer, diretora de Relações com Investidores da Companhia.

O estudo reuniu 50 empresas do setor privado que concentram investimentos em seus respectivos mercados. As outras varejistas citadas no estudo são a BIM, da Turquia, com 4 mil lojas e receita de US$ 5,5 bilhões em 2013; a SM, das Filipinas, com 230 lojas e US$ 4,3 bilhões em vendas em 2013; a LC Waikiki, do setor têxtil, também da Turquia, com 400 lojas e US$ 2,5 bilhões em vendas no ano passado; e duas que atuam apenas no e-commerce, a Flipkart, da Índia, que vendeu US$ 200 milhões em 2013; e a Ozon.ru, da Rússia, uma das maiores do país, com vendas de US$ 750 milhões no ano passado e 17 milhões de usuários.

 

Produção de motos cai no primeiro semestre

25 de julho de 2014 por vneto

A produção de motocicletas no primeiro semestre do ano registrou retração de 8,4% em comparação ao mesmo período de 2013, revelou a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e similares (Abraciclo). De Janeiro a Junho deste ano foram fabricadas 769.613 motos contra 839.945 unidades fabricadas nos seis primeiros meses do ano anterior.

Parte da queda é justificada pela redução também nas vendas, que registraram encolhimento de 12,2% no período. Copa do Mundo e grande número de feriados são apontados como os principais responsáveis pela diminuição do número de negócios nas concessionárias.

Diante disso, a Abraciclo fez uma revisão na projeção da queda da produção para 2014, estabelecendo novo patamar de 3% de retração. A expectativa era de comercializar 1,59 milhões neste ano, mas os números não devem passar de 1.54 milhões.

==
Fonte: PRNewswire

Ministério do Turismo abre inscrições para cursos de qualificação no exterior

23 de julho de 2014 por vneto

Estudantes brasileiros que desejam se qualificar profissionalmente fora do país terão apoio do Ministério do Turismo. Com o objetivo de contribuir com a boa formação de profissionais bilíngues, o MTur oferece 110 bolsas de estudo para alunos matriculados em cursos de bacharelado, licenciatura ou tecnólogo em Turismo e/ou Hospitalidade.

Os cursos de qualificação profissional serão oferecidos por instituições de ensino da Espanha e Inglaterra. O bolsista receberá ajuda de custo de 300 euros, auxílio-deslocamento, alojamento e seguro-saúde. Para concorrer a uma das 60 bolsas de estudo para a Espanha ou 50 para o Reino Unido, o estudante deve se inscrever em apenas um dos processos seletivos.

As inscrições podem ser feitas até 31 de julho, pelo site da Capes. Além de estar matriculado em um curso na área, o interessado também precisa ter obtido nota no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) igual ou superior a 600 pontos, em exames realizados entre 2009 e 2013, e comprovar a proficiência em inglês ou espanhol.

==
Fonte: Assessoria Mtur

Castanha de caju orgânica traz retorno 30% maior a produtores do RN

21 de julho de 2014 por vneto

A produção orgânica de castanha de caju está permitindo um aumento de 30% no valor final da amêndoa processada para os 46 agricultores familiares da comunidade de Córrego, região rural de Apodi (RN), a 335 km de Natal. De acordo com o presidente da Cooperativa Potiguar de Apicultura e Desenvolvimento Rural Sustentável (Coopapi), Francisco Marto e Souza, a amêndoa orgânica é mais valorizada no mercado.

Outro fator, segundo Souza, é a assistência técnica prestada pela Fundação BB aos cooperados, o que possibilita a melhora na qualidade da amêndoa e o crescimento da produtividade. Como resultado, o valor repassado ao produtor por quilo da castanha aumentou de R$1,80 para R$2,34.

Atualmente, é comercializada uma tonelada de castanha orgânica por mês e a expectativa é aumentar as vendas para até três toneladas mensais. De acordo com a diretora da cooperativa, Fátima de Lima Torres a castanha de caju orgânica é um importante complemento de renda aos cooperados, que também atuam na produção de mel.

“O casamento das duas culturas – castanha e mel – funciona muito bem, pois são alternadas e isso garante renda durante o ano todo. Além disso, o ganho de 30% quando se trabalha com o orgânico está animando as outras famílias”, explica Fátima.

Após a colheita, a castanha de caju começa a ser processada na fábrica instalada na comunidade de Córregos – onde ocorre a limpeza, retirada da casca (corte) e da fina película, depois passa pela estufa para assar e esterilizar e é classificada por cor e tamanho. O beneficiamento final é feito na cooperativa central (Cooafarn), também em Apodi – quando é torrada, ganha cobertura de caramelo ou chocolate e é embalada.

A cadeia produtiva tem o apoio da Fundação BB na construção dos empreendimentos solidários, na assistência técnica para plantação e colheita da fruta e na prestação de consultoria para o desenvolvimento gerencial das cooperativas.

Atualmente, a castanha orgânica tem compradores nas regiões de Mossoró e Natal (RN),  Salvador (BA) e também em cidades de outras regiões do Brasil, como São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS).

==

Fonte:

Fundação Banco do Brasil