Arquivos da categoria ‘Empreendedorismo’

Startup nordestina é uma das 12 melhores da América Latina

22 de junho de 2016

A empresa nordestina Escribo Inovação para o Aprendizado está entre as 12 startups mais inovadoras da América Latina e Caribe.

A seleção é feita pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

A Escribo é apoiada pelo fundo de investimento Criatec, que tem o Banco do Nordeste como cotista.

As startups selecionadas concorrem ao prêmio Economia Naranja, que reconhece as melhores iniciativas de economia criativa.

Os indicados apresentarão os projetos a uma banca de investidores e especialistas em outubro, na última etapa do concurso em Washington, nos Estados Unidos, que definirá três vencedores, durante o evento Idear Soluciones 2016.

Os dez finalistas também participarão de palestras, workshops e oficinas durante o evento.

A Escribo Inovação para o Aprendizado está concorrendo com o Frei.re Lab, plataforma que permite a professores e estudantes criarem seus próprios jogos, animações, textos e narrativas interativas.

Diretor da Escribo e doutorando em Educação pela Universidade John Hopkins nos Estados Unidos, Américo Amorim explica que objetivo da ferramenta é estimular o aprendizado de crianças por meio de mecânicas lúdicas e interativas.

“Com o Frei.re Lab, professores e alunos passam de simples consumidores a autores de jogos, infográficos, simuladores e histórias interativas”, ressalta.

De acordo com o empreendedor, a ideia é levar o melhor da revolução digital para sala de aula, aproximando alunos de realidades que eles já convivem, para engajá-los e, ao mesmo tempo, fornecer aos pais e professores estatísticas sobre o aprendizado das crianças.

A Escribo está sediada no Recife (PE). Seus livros, jogos e aplicativos são utilizados por milhões de alunos brasileiros e grandes grupos educacionais.

A empresa conta com corpo técnico de classe mundial que inclui mestres e doutores das áreas de educação, software, design e inovação.

Hubine
Dentro da estratégia de estímulo à inovação em sua área de atuação, o Banco do Nordeste lançará, em julho, por ocasião das comemorações de seu 64º aniversário, o Hub de Inovação do Nordeste (Hubine).

A iniciativa é um ambiente de apoio a negócios inovadores, que criem produtos, serviços e soluções capazes de contribuir com a dinamização da economia regional.

Localizado na sede do Banco do Nordeste, em Fortaleza (CE), o Hubine abrigará empreendimentos em sua fase inicial e disponibilizará espaço de coworking, suporte técnico gerencial e financeiro, com o objetivo de impulsionar a maturação e promover a perenidade de startups e contribuir para a geração de emprego e renda, com melhoria nas condições de vida das pessoas em todo o Nordeste.

….
Fonte: Banco do Nordeste

Pesquisa revela o perfil do candidato à vaga de estágio

2 de junho de 2016

Um levantamento exclusivo feito pela Companhia de Estágios, consultoria especializada em programas de estágio e trainee, traçou o perfil do estagiário no ano de 2016.

A pesquisa realizada entre os dias 08 e 15 de abril, contou com mais de 1.700 participantes em todas as regiões do país e abordou questões que abrangem o perfil, a expectativa e as inseguranças enfrentadas pelos candidatos que procuram colocação e também daqueles que já conseguiram o tão sonhado estágio.

A pesquisa também contemplou o fator empregabilidade, revelando quais os meios mais utilizados por esses jovens na busca por uma vaga.

Apesar de boa parte dos estagiários receberem bolsa auxílio de até um salário mínimo (33,3%), a maioria dos entrevistados, empregados ou não, afirmam que a realização profissional é a principal prioridade. A maioria deles aceitaria, inclusive, ganhar menos desde que a empresa garantisse um aprendizado intenso.

O sucesso na carreira passa por outros fatores antes de considerar, necessariamente, a remuneração: esses jovens desejam contribuir para tomada de decisão dentro da empresa e, atuando em sua área de formação, esperam participar de projetos que impactem a sociedade. Tanto que a grande maioria deles (76,6%) não mudaria de profissão mesmo se tivesse dinheiro de sobra.

Nesta etapa da vida, os candidatos estão focados em adquirir experiências que vão além do trabalho convencional, boa parte deles foca em atividades extracurriculares, trabalhos voluntários ou de cunho social. O empreendedorismo é outra características desses jovens: 8% deles afirma ter iniciado algum projeto próprio no último ano.
A internet é a principal ferramenta de busca de vagas

O recurso mais utilizado pelos jovens na busca por uma oportunidade é o cadastramento em sites especializados: mais de 47% se cadastrou em até 5 sites diferentes. O fator de sucesso na conquista da vaga passa, inclusive, pelo meio utilizado para chegar até ela. Dentre aqueles que já conseguiram colocação, 26,2% afirmam que conseguiram a oportunidade através de sites de recrutamento. Esse valor ultrapassa inclusive, o fator indicação, que ainda é muito presente no mercado de trabalho: 24% dos candidatos afirmam terem conquistado a vaga através da influência de terceiros.

As redes sociais representam uma boa ferramenta na procura do estágio: neste âmbito, o Facebook ultrapassa todas os outros sites do nicho, inclusive, a rede social especializada em contatos profissionais LinkedIn. A explicação deste fenômeno se dá pela presença cada vez mais expressiva das empresas no Facebook, o que estimula o compartilhamento das vagas anunciadas nos sites das próprias organizações também na rede social. O Twitter ainda apresenta números tímidos, menores do que os anúncios de jornal, que somam menos de 5% nesse quesito.
Tecnologia no processo seletivo

Cada vez mais presente nos processos seletivos, o uso da tecnologia tem crescido consideravelmente: quase 22% dos entrevistados afirmam ter participado de testes online antes das etapas presenciais. A maioria deles, inclusive, acha interessante e participaria de processos seletivos online via vídeo conferência. Por outro lado, 27% deles ainda preferem as entrevistas e uma minoria, 3,6%, alega não se sentir à vontade com recursos tecnológicos desse porte.
Expectativas e frustrações

O maior desejo desses candidatos é conseguir experiência profissional através de um programa de estágio, seguido da efetivação. Cumprir a carga horária necessária para se formar é um fator pouco relevante para esses jovens, pouco mais de 1% deles afirma ter essa prioridade ao buscar uma oportunidade de estágio.

Por outro lado, o principal receio desses estudantes é não receber o treinamento adequado e não conseguir aprender de fato: quase 32% dos entrevistados afirmam que não conseguir a experiência profissional desejada seria a principal causa de frustração com a experiência.

Realizar tarefas que não condizem com sua área de formação ou que não fazem parte do seu programa de estágio estão entre os pontos que também causam insatisfação e insegurança. Outro ponto que faria o jovem desistir de uma vaga é a distância do local de trabalho: os entrevistados afirmam, inclusive, que morar longe da empresa é pior do que receber uma remuneração ruim.
A empresa ideal

O que os estagiários mais desejam encontrar em uma empresa é um ambiente desafiador, que propicie aprendizado e responsabilidades profissionais. Dentre os valores que os entrevistados buscam no ambiente corporativo, o respeito com as pessoas é mais relevante (28,2%) que a qualidade dos serviços prestados (24,1%). A responsabilidade socioambiental e honestidade também apresentaram números expressivos, demonstrando que a ética impacta a visão que os candidatos têm sob as organizações. A flexibilidade de horários (21,8%) e inovação (16,2%) são outros pontos desejáveis que fariam, inclusive, o candidato aceitar um salário mais baixo.

….
Fonte: Companhia de Estágios | PPM Human Resources

Demissão está fora do radar de pequenos e microempresários do RN

23 de maio de 2016

Apesar de o Rio Grande do Norte ter registrado perda recorde no número de postos de trabalho formais no primeiro trimestre do ano – cerca de 10 mil vagas -, o segmento que tradicionalmente mais gera emprego não pensa em demitir pessoal até junho.

De acordo com o Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN), 89% dos proprietários de micro e pequenas empresas do estado devem manter o quadro de funcionários até o fim do segundo trimestre, enquanto 6% pensam em demissões e 5% em novas contratações.

O ICPN é medido mensalmente pelo Sebrae e Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e visa calcular o impacto da conjuntura econômica nos pequenos negócios e suas expectativas.

Os indicadores de confiança são como termômetros antecedentes que funcionam como uma sinalização do humor do empresário. São importantes porque mostram para onde a economia está caminhando e, por isso, servem de alerta.

Para compor o índice, foram entrevistados 200 empresários potiguares entre os dias 4 e 29 do mês passado. No total, a pesquisa ouviu 6 mil empresários do país, entre donos de pequenas empresas, microempresas e Microempreendedores Individuais (MEI). A margem de erro de sete pontos percentuais para os dados estaduais.

Em relação a perspectivas de faturamento, o estudo mostra que a maior parte está otimista no que se refere às receitas até junho. 44% dos potiguares preveem aumento do faturamento até o fim do segundo trimestre e outros 43% devem manter o fluxo de caixa. Apenas 13% acreditam que terão perdas de receitas nesse período.

Em termos de otimismo, os empresários potiguares estão com a confiança em alta, pelo menos nesse segmento das micro e pequenas empresas, que representa 99% dos empreendimentos do Rio Grande do Norte.

O ICPN do estado em maio ficou em 96 pontos, dois a mais que o mês anterior e um ponto acima da média da região Nordeste e a nacional, ambas fixadas em 95 pontos. O ICPN varia em uma escala que vai de 0 a 200. Acima de 100, o indicador revela tendência de expansão das atividades, enquanto abaixo desse valor direciona para possível retração.

Apesar de um avanço, um ICPN abaixo de 100 indica tendência à contração da atividade nos próximos meses, embora caminhe novamente caminhando na direção da estabilidade (ICPN=100).

Em âmbito nacional, a confiança aumentou em 14 estados, caiu em nove e ficou estável em quatro. Goiás, Minas Gerais, Maranhão, Sergipe e Pernambuco foram os estados com maior aumento do índice de confiança.

…..
Fonte: Agência Sebrae de Notícias (ASN-RN)

Microcrédito libera R$ 1,2 bi no primeiro trimestre

20 de abril de 2016

Mais de 520 mil contas correntes foram abertas, sem cobrança de tarifa, para clientes do programa de microcrédito urbano do Banco do Nordeste, o Crediamigo, desde 2015.

O número ilustra a contribuição do programa para a inclusão bancária de milhares de microempreendedores em todo o Nordeste e norte dos estados do Espírito Santo e Minas Gerais.

Somente no primeiro bimestre de 2016, o Crediamigo abriu 63 mil contas correntes.

O superintendente de Microfinança e Agricultura Familiar do Banco do Nordeste, Stélio Gama Júnior, ressalta que o Crediamigo funciona muitas vezes como a primeira porta para a formalização do empreendedor e que isso pressupõe a inclusão bancária.

“O que contribui para atingir esse objetivo é a metodologia diferenciada utilizada pelo programa, que favorece uma maior proximidade entre os agentes de microcrédito e os clientes.”

Até março de 2016, o Crediamigo contratou 646 mil empréstimos, totalizando R$ 1,2 bilhão em volume de crédito investido na economia.

O valor médio das operações de crédito é de R$ 1.860. Outra característica que se mantém no programa é a participação feminina majoritária, já que 67% dos clientes são mulheres.

Resultados
O Crediamigo, maior programa de microcrédito produtivo orientado da América do Sul, atingiu, em 2015, a marca de 2 milhões de clientes ativos e registrou R$ 8,1 bilhões em aplicações.

O montante foi 14,2% maior do que o volume do ano anterior. A quantidade de desembolsos, por sua vez, cresceu 7,6%, totalizando 4,2 milhões de operações no ano.

O Crediamigo está presente em 1.989 municípios da área de atuação do Banco do Nordeste, que inclui os nove estados nordestinos, o Norte de Minas Gerais e o Norte do Espírito Santo.

Os financiamentos vão de R$ 100 a R$ 15 mil, de acordo com a avaliação de crédito do cliente. A taxa de juros varia de 1,2% a 2% ao mês, com prazo de pagamento de 1 a 24 meses.

…..
Fonte: Imprensa Banco do Nordeste

BB inova e libera crédito para empreendedores sem conta bancária

22 de março de 2016

O Banco do Brasil lança um serviço inovador para liberação de recursos de Microcrédito Produtivo Orientado (MPO): o Conta Fácil MPO.

A solução busca atender empreendedores não “bancarizados”, oferecendo uma forma simplificada e ágil para obtenção de crédito.

Por meio de conta cartão pré-paga, operada diretamente pelo celular, o empreendedor pode acessar o crédito, sem necessidade de abrir uma conta corrente.

O Conta Fácil MPO ainda oferece algumas funcionalidades inéditas, tais como: recebimento dos recursos de operações de MPO em uma conta virtual; liberação imediata do crédito, confirmada por meio de token, pelo celular do empreendedor, via SMS; e possibilidade de recargas eventuais, por meio do Banco Postal.

As transações de saque sem cartão são realizadas somente nos Terminais de Autoatendimento do Banco do Brasil. Assim, após o recebimento do cartão, o empreendedor passa a ter acesso a mais de 1,7 milhão de pontos de venda da rede Cielo, a maior operadora de cartões do país.

As contratações do Conta Fácil MPO são realizadas pela Movera (parceira do BB para atuação com microcrédito), por meio de seus agentes, que prestam orientação financeira e acompanhamento personalizado aos empreendedores, com foco no uso consciente do crédito.

As operações de MPO são feitas a partir de R$ 1.000,00, com prazo de quatro a 18 meses e taxas a partir de 2,80% ao mês, precisando comprovar no mínimo seis meses de experiência em seu ramo de atividade. Os clientes ainda têm a possibilidade de tomar crédito por meio da constituição de grupos solidários, de 3 a 7 pessoas.

“O Banco do Brasil, ao oferecer a inovadora solução do Conta Fácil MPO, busca simplificar e ampliar o acesso ao crédito, que conta com orientação financeira no local do empreendimento por agentes capacitados, favorecendo a educação financeira do empreendedor e a obtenção do crédito conforme as necessidades e condições de seu empreendimento”, afirma Osmar Dias, vice-presidente de Agronegócios e Micro e Pequenas Empresas do Banco do Brasil.

A expectativa é liberar 30 mil operações de MPO, via Movera, ao longo do ano, totalizando R$ 63 milhões, sendo 30% desse montante por meio do BB Conta Fácil MPO.


Assessoria Banco do Brasil

Cartão FNE permite parcelar compra de máquinas e equipamentos até 72 meses

9 de março de 2016

Parcelar a aquisição de máquinas, veículos e equipamentos em até 72 meses, com direito a bônus de adimplência de 15% sobre os juros do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).

Essa é apenas uma das vantagens do novo Cartão FNE, que será lançado nesta quinta-feira (10), na sede da Federação das Indústrias do Estado do Ceará, em Fortaleza.

Com o novo produto será possível realizar contratações no âmbito das linhas de longo prazo e capital de giro do FNE.

O Cartão FNE também permite financiar a compra de matéria-prima, insumos e mercadorias necessárias à constituição de estoque.

Voltado neste primeiro momento para empresas de micro e pequeno porte, o Cartão FNE permite, com base em uma linha de crédito rotativa e de limite pré-aprovado, o financiamento para aquisição isolada de bens de produção, insumos e mercadoria para estoque (no caso de empresas comerciais).

O pagamento poderá ser parcelado em até 72 meses, a critério do cliente no momento da compra.

São alguns dos bens financiáveis: veículos, móveis, utensílios, máquinas, equipamentos, além de matéria prima e insumos para a indústria, insumos utilizados por empresas turísticas e de prestação de serviços e mercadorias destinadas à constituição de estoques de empresas comerciantes.


Fonte: BNB

Artigo: Dicas infalíveis para quebrar sua empresa

11 de fevereiro de 2016

Vanildo Veras*

….

Todo negócio necessita de um grau de otimismo, o que é desejável e natural. Porém, quando há um elevado espírito de otimismo isso pode se tornar prejudicial caso os envolvidos não cuidem devidamente de alguns aspectos determinantes e elementares para que o empreendimento possa se perpetuar. Observe se identifica alguma dessas dicas em sua jornada empreendedora que possam afetar de forma negativa e, até mesmo, levar ao fim o seu negócio:

1 – Faça planos e deixe o universo conspirar a favor. Você é um cara de sorte e tudo vai acontecer naturalmente;

2 – Ao contratrar pessoas para a sua equipe, foque no menor salário, pois assim alcançará excelentes resultados. Nunca se esqueça que do couro tira-se a correia;

3 – Não desperdice seu tempo e dinheiro com treinamentos, basta você definir como serão as regras, que todas as pessoas saberão fazer tudo direitinho, não é mesmo?

4 – Invista apenas em marketing, pois ele sozinho garantirá os resultados que seu negócio precisa;

5 – Lembre-se que cliente é tudo igual, não perca o seu tempo tentando descobrir as necessidades deles, basta rotular bem os seus produtos ou serviços que todos vão querer consumi-los;

6 – Você não pode perder o seu precioso tempo em reuniões com o seu contador para discutir sobre formas legais para reduzir a carga tributária da sua empresa, você já sabe qual é a melhor alternativa e ponto final;

7 – Não mantenha controle financeiro. O que importa é dar uma olhadinha na conta bancária. Fazer fluxo de caixa, planejar e acompanhar as operações financeiras não vale a pena, pois afinal, o importante mesmo é ter dinheiro na conta;

8 – Não esqueça que resultado é uma conta simples (tudo que entra menos tudo que sai). Medir resultados dá muito trabalho e é desnecessário. Jamais esqueça que a sorte sempre estará ao seu lado;

9 – Não esquente a cabeça com dinheiro. Agora você é um empresário e sua vida tem tudo para melhorar.De forma prática, tudo pode ser resolvido com um cartão de crédito corporativo. Ele resolverá todas as suas necessidades e sua empresa pagará com tranquilidade as faturas mensais;

10 – Faça do caixa da sua empresa uma extensão da sua carteira. Quando precisar de dinheiro basta pegar. Nada de estabelecer limites e muito menos um valor fixo de retirada mensal, afinal você é empresário e jamais pode ter limites;

11 – Todo empresário merece usufruir da vida e com você não pode ser diferente. Diante desta situação, nada de trabalhar mais do que 8 horas por dia, sábados nem pensar, domingos e feriados então, jamais! Não esqueça que está no comando e você é o cara;

12 – Abra várias contas bancárias para sua empresa e não se esqueça de agradar bem os seus gerentes, pois dependerá muito deles para conseguir bons limites nos cheques especiais de cada conta para utilizar sempre que precisar;

13 – Contrate uma contabilidade para cuidar apenas dos impostos e da folha de pagamento dos seus empregados e, no máximo, um livro caixa. Não se atreva a pensar em escrituração contábil, pois lhe disseram que sua empresa não está obrigada.

Você é um empresário que sabe das coisas, não precisará da contabilidade para apurar os resultados, apresentar indicadores e relatórios de evolução das despesas, receitas, contas a pagar e a receber e dos impostos em aberto. Estas informações não ajudam em nada, pois você já sabe que é um cara de sorte e o universo conspira a seu favor, não é mesmo?

Importante lembrar que basta praticar todas as dicas acima que a quebra será certa. Mas, se você fraquejar e só conseguir praticar algumas dicas, fique tranquilo, pois pode demorar um pouco, mas da mesma forma seu negócio não alcançará o próximo ano. Pense nisso!

….
(*) Vanildo Veras, diretor de Inteligência Fiscal da Datanil empresa especializada em consultoria contábil, tributária e trabalhista.

 

Franchising faz balanço do maior congresso do varejo mundial e apresenta tendências

4 de fevereiro de 2016

A Associação Brasileira de Franchising (ABF) realiza depois do Carnaval (dia 15) o Pós-NRF ABF.

Reunindo especialistas em franchising e varejo, o evento tem o objetivo de fazer uma síntese dos principais pontos debatidos durante a 105ª edição do maior evento do varejo mundial.

O encontro anual promovido pela entidade oficial do setor nos Estados Unidos, a National Retail Federation (NRF), em Nova Iorque, reuniu em janeiro deste ano mais de 33 mil visitantes de 80 países, além de 560 expositores na Feira de Tecnologia e Serviços.

Ao todo, foram 300 palestrantes, em 150 painéis, durante quatro dias.

Dentre os temas que emergiram no encontro da NRF destacam-se estratégias de gestão de marca, a ascensão da economia colaborativa, o poder do consumo feminino, o desenvolvimento do e-commerce e cases de estratégias de omnichannel (multicanal de distribuição).

A integração cada vez maior entre os meios digitais e físicos, a internacionalização de empresas e a busca por capilaridade foram assuntos que mantiveram a relevância de anos anteriores.

Já o Brasil marcou presença com um painel que discutiu os impactos e oportunidades dos Jogos Olímpicos e da Copa do Mundo no varejo nacional.

O programa do Pós-NRF inclui apresentação de dados, informações, insights e o que de mais importante o Grupo ABF vivenciou não apenas no evento da NRF em si, mas também em visitas técnicas e no Harvard Club.

Participam do evento Cristina Franco, presidente da ABF; Altino Cristofoletti Junior, vice-presidente, Juarez Leão, diretor de treinamento cursos e eventos, André Friedheim, diretor internacional, Adir Ribeiro, presidente da consultoria Praxis Business, Eduardo Terra, presidente da SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) e Alberto Serrentino, CEO da Varese Retail.

Diz Cristina:

“Uma das constatações que trouxemos do NRF Big Show é a de que o Brasil permanece sendo um mercado atraente para os investidores internacionais. Além do fato de sermos um país continental, pacífico, com cerca de 220 milhões de habitantes, passamos por um período de queda do preço dos ativos e de desvalorização cambial. Portanto, é fundamental que as empresas franqueadoras saibam quais as melhores estratégias, as tendências no varejo e busquem estar à frente no mercado. Este evento é uma excelente oportunidade para se posicionar nesse sentido.”

O vice-presidente da ABF, Altino Cristofoletti Junior, reforça:

“Mais uma vez, tivemos a oportunidade de conhecer o que há de mais inovador no varejo mundial, em diferentes estágios de implantação e maturação. Certamente, muitas das estratégias apresentadas têm aplicação à realidade brasileira, ainda mais em um momento de adversidade”.

O Pós-NRF ABF será transmitido na íntegra ao vivo pela internet no site www.abf.com.br a partir das 9 horas.

 

Marca potiguar transforma kombi em loja itinerante

1 de fevereiro de 2016

Uma marca descolada tinha de inovar também na maneira de vender. Com essa a nova aposta, a grife potiguar “Sem Etiqueta” começa a circular pelas ruas de Natal a primeira loja itinerante de camisetas da capital. É a “Kombi Store” da Sem Etiqueta, que a cada semana vai estacionar em um ponto diferente da cidade.

A ideia da loja itinerante é do criador da marca, o empreendedor e turismólogo Raoni Fernandes. Ele explica que as pessoas sempre reclamavam da falta de uma sede da Sem Etiqueta, cujas vendas se iniciaram através do WhatsApp.

“A galera cobrava, mas a marca não combina com uma loja fixa. Então, acabamos criando uma física, porém itinerante”.

O destino da Kombi da Sem Etiqueta vai ser anunciado sempre pelas redes sociais, através dos perfis oficiais no Instagram (@semetiquetabr) e no Facebook (facebook.com/semetiquetacamisaria). A loja itinerante é uma opção para quem mora na capital, mas não quer pagar frente nem esperar pelos Correios.

A Kombi foi ilustrada pela turma do @ilustraemcasa, que também são inovadores potiguares. Entre o desenvolvimento do projeto e a execução, foram vinte dias de trabalho. As ilustrações são inspiradas no conceito da marca e foram feitas à mão, com caneta posca.

“Pra gente, foi um desafio, porque estamos acostumados a ilustrar paredes. Foi a primeira vez que fizemos numa kombi”, diz Theo, um dos ilustradores.

Raoni conta que o conceito da marca, desde a inauguração, se baseia em três eixos conceituais: a defesa de pautas progressistas, como o combate ao machismo, à homofonia e ao racismo, entre outras; referências a personalidades consagradas da música, literatura e política; e o resgate de elementos do cotidiano natalense.

Uma das estampas que fez mais sucesso, caindo no gosto da galera, foi a do “Galado”. Mas tem também a do “Alecrim, Cidade, Ribeira, Aceita Vale” e, ainda, outra que mistura três paixões da juventude natalense: “Reggae, Surf e Camarão na Brasa”.

Já “De que lado mora o seu preconceito?” tem uma mensagem provocativa, colocando o dedo na ferida da discriminação de parcelas da sociedade contra a Zona Norte.

Franchising brasileiro tem crescimento de 8,3% em 2015

1 de fevereiro de 2016

Mesmo em um período de retração econômica, o segmento de alimentação no mercado de franquias registrou crescimento de 8,3% no faturamento em 2015, segundo a pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) em coletiva de imprensa realizada no último dia 29 de janeiro.

Conforme o estudo, o setor continua sendo um dos mais consolidados no franchising, ocupando o quarto lugar do ranking em receita. Além das tradicionais promoções, a inovação do cardápio foi um dos fatores que garantiram este excelente desempenho.

Um exemplo desse movimento é o h3, rede especializada em hambúrgueres, que oferece comida de Chef nas praças de alimentação.

De acordo com o balanço da marca, o h3 registrou aumento de 20% em número de unidades, alcançando 17 operações, e um faturamento de R$ 27 milhões de reais.

Outra aposta é a Patroni – rede de franquia de pizzas, carnes e massas – que fechou 2015 com faturamento de R$ 335 milhões e 192 unidades.

Para este ano, a marca planeja um crescimento de 20% em número de unidades, o equivalente ao fechamento de 40 novos contratos. O foco principal é expandir por meio das operações Expresso, um modelo mais enxuto com investimento inicial a partir de R$ 150 mil.

Segundo o balanço, o setor de franquias atingiu o faturamento de R$ 139,59 bilhões, representando um crescimento de 8,3%.

Fonte: Economídia

BNB e Sebrae assinam acordo para incentivar uso de energias renováveis

18 de dezembro de 2015

O Banco do Nordeste e Sebrae/RN assinam nesta sexta-feira, ao meio-dia, acordo de cooperação técnica com o objetivo de ampliar o acesso ao crédito, realizar capacitação técnica e consultoria gerencial para micro e pequenas empresas interessadas em investir em fontes de energias renováveis e eficiência energética.

Com o acordo, as instituições passam a realizar ações conjuntas visando o intercâmbio de informações, o fortalecimento da capacidade empresarial e da competitividade dessas empresas.

O apoio creditício estará condicionado à disponibilidade de recursos e à observância das normas internas do Banco, além da exigência de viabilidade técnica e econômica do empreendimento a ser financiado.

Entre as linhas de crédito para capital de giro e investimento que devem ser disponibilizadas pelo Banco do Nordeste estão o FNE Verde e Pronaf ECO.

Outras linhas de financiamento podem ser implementadas durante a vigência do acordo, de 24 meses, podendo ser prorrogado para até 60 meses.

Segundo o superintendente estadual do Banco do Nordeste, José Mendes Batista, existem muitas vantagens para o empresariado adotar fontes de energias renováveis, começando pelo controle de gastos, não ficando a empresa susceptível às variações de mercado.

“Esse é um tipo de investimento que tem retorno de capital entre sete e oito anos, mas a capacidade instalada tem vida útil média entre 25 e 30 anos.”

A assinatura ocorrerá durante reunião do Conselho Deliberativo do Sebrae potiguar.


Fonte: Banco do Nordeste

Negócios: Natal ganha supermercado exclusivo de material de limpeza

1 de dezembro de 2015

Prometendo qualidade, preço e comodidade, o empresário Marcelo Augusto inaugura nesta terça-feira o Ecomaster Supermercado da Limpeza.

Fica na Rua Ataulfo Alves, a mesma do Posto Planalto, em Candelária .

A Ecomaster oferece um extenso Portifólio de produtos e tem como principal parceiro a indústria potiguar Becker, que fabrica e comercializa para todo o mundo produtos especiais de limpeza.

A experiência é inspirada num modelo alemão de negócios.

Por enquanto, vendas só na loja física da Candelária. Mas em breve será inaugurada a loja on line, através da qual os clientes poderão realizar todos os pedidos via internet.

Com informações da Assessoria de Imprensa