Arquivos da categoria ‘Energia’

BNDES aprova financiamento para projetos eólicos no Ceará

1 de julho de 2016

A Diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 353,5 milhões para a construção de quatro centrais eólicas no município de Trairi (CE) e de seus respectivos sistemas de transmissão.

As usinas, que constituem o Complexo Eólico Santa Mônica, terão capacidade instalada total de 97,2 MW e foram vencedoras do 22º Leilão de Energia Proveniente de Novos Empreendimentos de Geração, realizado em agosto de 2015.

As quatro centrais eólicas — Cacimbas, Estrela, Santa Mônica e Ouro Verde — entrarão em operação no segundo semestre de 2016.

Os investimentos incluem a aquisição de 36 aerogeradores, além de máquinas e equipamentos nacionais, também destinados às quatro linhas de transmissão.

O Banco já aprovou para o Nordeste, até o momento, R$ 20,8 bilhões em financiamento para projetos eólicos, equivalentes a 7.406 MW de capacidade instalada na região.

O apoio do BNDES à energia eólica tem contribuído para a diversificação da matriz enérgica brasileira, com fonte alternativa de recursos renováveis e ambientalmente mais limpa.
O uso dos combustíveis fósseis para geração de energia, no mundo, é responsável pela emissão de, aproximadamente, 70% dos gases de efeito estufa (principalmente CO2).

As usinas eólicas não produzem qualquer tipo de emissão de gases uma vez que utilizam uma fonte limpa e inesgotável, o vento. Atualmente, a capacidade instalada mundial de energia eólica evita a emissão da ordem de grandeza de 100 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera.

O apoio do Banco, em linha com a política de desenvolvimento local do BNDES, também inclui investimentos sociais que vão além daqueles exigidos para o licenciamento ambiental do projeto e equivalem a 0,5% do valor total do investimento do Grupo Engie, ex-GDF Suez, nestes quatro projetos eólicos.

Ações como a contratação de empresas locais para prestação de serviços gerais — fornecimento e transporte de ferramentas e materiais, limpeza, obras civis leves, evacuação de resíduos comuns — aumentam a renda dos negócios locais e podem demandar contratação de mão de obra adicional.

….
Fonte: Imprensa BNDES

Abreu e Lima bate recorde de processamento em maio

29 de junho de 2016

A Refinaria Abreu e Lima (RNEST) alcançou novo recorde de processamento mensal. A carga média processada em maio foi de 94,8 mil barris de petróleo por dia (bpd), superando em 3,8 mil bpd o recorde anterior, de 91 mil bpd, obtido em março de 2016.

Isso corresponde a um volume total de 2,94 milhões de barris de petróleo processados em maio, 117 mil barris acima do volume total de março (2,82 milhões de barris).

Estes resultados viabilizaram uma produção de Diesel S-10 de 330,2 mil m3, representando 28,2% da produção total deste derivado pela Petrobras em maio de 2016.

As marcas atingidas reafirmam a busca contínua da Petrobras pelo aumento da eficiência operacional de suas refinarias, com excelência na gestão integrada do sistema de abastecimento, contribuindo para a redução das importações de derivados e maior rentabilidade da empresa.

O resultado foi alcançado respeitando os princípios de Segurança, Meio Ambiente e Saúde que norteiam as ações da companhia.

….
Fonte: Gerência de Comunicação Interna e Imprensa Petrobras

Termoaçu está à venda

12 de junho de 2016

O blog toma emprestado este texto do professor Alcimar de Almeida e Silva, postado num grupo de WhatsApp para informar sobre mais uma medida da Petrobras que afeta o RN.

***
Em nota publicada no Jornal Valor Econômico, edição de quinta-feira, 9 de junho, a Petrobras informou ter iniciado processo competitivo para a venda dos seus terminais de Gás Natural Liquefeito (GNL) no Rio de Janeiro e no Ceará, com termelétricas associadas a esses terminais.

Pois bem, uma das termelétricas associadas ao terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) no Ceará outra não é senão a Termoaçu, implantada no Município de Alto do Rodrigues, oficialmente denominada “Jesus Soares Pereira”.

Investimento expressivo realizado na segunda metade dos anos 90, com grande emprego de mão-de-obra, a Termoaçu foi cantada em verso e prosa.
Mobilizou não apenas as esferas de governo federal e estadual, como a iniciativa privada, vendida como grande fato econômico.

Capetaneada por ela, o Governo do Estado instituiu até o Programa Gás-Sal, para o que criou até uma Secretaria Extraordinária, na expectativa de que fosse aquele investimento capaz de reativar a economia da região salineira.

Mas eis que a festa durou pouco e não foi além de implantação e funcionamento daquela termoelétrica que agora está sendo oferecida à venda. Com capacidade de de geração de 3.136 MW, juntamente com a Termoceará e a Termofortaleza, a Petrobras espera obter de sua venda valor variável entre 3,8 e 6,3 bilhões de dólares.

Enquanto isso mais um sonho do Rio Grande do Norte se desfaz, porquanto o adquirente do ativo jamais irá se voltar para o que um dia imaginou o governo e o povo do Rio Grande do Norte.

…..
Alcimar de Almeida Silva, Advogado, Economista, Consultor Fiscal e Tributario

Banco do Nordeste lança linha de crédito para minigeração de energia renovável

28 de maio de 2016

O Banco do Nordeste lança, nesta segunda-feira (30), uma linha de financiamento à micro e à minigeração distribuída de energia elétrica, o FNE Sol.

A solenidade, que reunirá especialistas do setor e empresários, será realizado na sede do Banco em Fortaleza, a partir das 15h, e terá transmissão por meio de videoconferência para os demais estados da área de atuação do Banco.

O FNE Sol será apresentado pelo presidente do Banco do Nordeste, Marcos Holanda.

A nova linha utiliza recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste e tem prazo de pagamento até 12 anos, com até um ano de carência.

O investimento pode ser financiado até 100% e há bônus de adimplência de 15%.

O crédito é destinado a empresas de todos os portes e setores, produtores e empresas rurais, cooperativas, associações e pessoas físicas. Podem ser financiados sistemas completos envolvendo geradores de energia, inversores, materiais auxiliares e instalação.

O valor economizado na conta de energia pode ser utilizado para pagar as parcelas do financiamento.

A microgeração distribuída de energia elétrica compreende as centrais geradoras que utilizem cogeração qualificada ou fontes renováveis (hidráulica, solar, eólica, biomassa etc.), conectadas na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras, e cuja potência instalada seja menor ou igual a 75 kW.

Já a minigeração distribuída engloba os mesmos tipos de centrais geradoras com potência instalada superior a 75 kW e menor ou igual a 5 MW (com exceção da fonte hidráulica, cuja potencia deve ser menor ou igual a 3 MW).

….
Fonte: Assessoria de Imprensa do BNB

Mais de 100 parques eólicos estão em funcionamento no RN

23 de maio de 2016

O Rio Grande do Norte alcançou uma marca importante na geração de energia eólica

Com mais quatro empreendimentos na localidade Baixa do Feijão, o RN chegou a 102 parques comerciais em operação no sábado, dia 21.

Os parques, de propriedade da EDP Renováveis, estão localizado no município de Jandaíra, e possui 60 aerogeradores de 2 MegaWatts cada. O complexo adicionou 120 MW em potência instalada no Estado.

Com isso, o RN consolida a liderança frente ao segundo colocado, a Bahia, que possui 67 parques e 1,64 GW.

Agora, o Rio Grande do Norte se torna o primeiro estado a alcançar 100 parques eólicos em operação comercial, com 2,8 GW em potência instalada, número este que representa mais de 30% de toda a potência eólica instalada do Brasil.

O Rio Grande do Norte é líder nacional em potência instalada e geração de energia eólica, tendo sido o primeiro estado brasileiro a alcançar a marca de 1 GW de potência instalada em maio de 2014. Em 2015, o RN quebrou um novo recorde alcançando os 2 GW nos mês abril.

Atualmente, o RN possui a maior matriz eólica estadual do Brasil, com 84% de participação da fonte, e conta com mais de 1400 turbinas eólicas em operação comercial em todo o território.

….
Fonte: Cerne

Aneel põe fim à cobrança de tarifa extra na conta de energia

29 de março de 2016

Em abril, pela primeira vez desde que o novo sistema tarifário entrou em vigor, em janeiro do ano passado, não haverá cobrança adicional na conta de luz.

O anúncio foi feito nesta terça-feira pela agência que regula o setor elétrico nacional, a Aneel.

Três fatores principais contribuíram para a bandeira verde:

1) evolução positiva do período úmido de 2016, que recompõe os reservatórios das hidrelétricas;

2) aumento da oferta de energia com redução de demanda;

3) adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro.

Em reunião ontem, a diretoria da Aneel determinou o acionamento da bandeira verde para todo o Brasil.

O funcionamento das bandeiras tarifárias é simples: as cores verde, amarela ou vermelha indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade.

Com as bandeiras, a conta de luz fica mais transparente e o consumidor tem a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais consciente.

Levantamento do Operador Nacional do Sistema (ONS) mostra que os reservatórios em situação mais crítica – os do Nordeste – tomaram água suficiente para garantir a geração de energia até a chegada da próxima temporada de chuvas.

É o caso de Sobradinho, no leito do Rio São Francisco. Em dezembro do ano passado, o reservatório estava com menos de 2%.

Licença ambiental abre csminho para eólicas na Chapada do Apodi

25 de fevereiro de 2016

Olha blog reproduz, abaixo, postagem num grupo de WatsApp, feita pelo professor Alcimar de Almeida e Silva, dirigente de uma consultoria que presta serviços a municípios do Rio Grande do Norte.

Diz ele:

Publicada hoje na Tribuna do Norte concessão de licença prévia pelo IBAMA à empresa Esperanza Transmissora de Energia S/A para implantação e operação de linha de transmissão de 500 Kv, entre Quixadá e Açu III e subestações associadas, localizadas nos municípios de Quixadá, Ibicuitinga, Morada Nova, São João do Jaguaribe, Tabuleiro do Norte e Alto Santo, no Estado do Ceará; Apodi, Felipe Guerra, Caraúbas, Upanema e Assu, no Rio Grande do Norte.

Esta linha de transmissão possibilitará a implantação de parques eólicos na região do Apodi. Pois, segundo a chinesinha Liu, da Força Eólica do Brasil, a falta de um ‘linhão’ era o que estaria dificultando a exploração do potencial eólico dali.

Energia elétrica: Aneel mantém bandeira vermelha para janeiro

23 de dezembro de 2015

Com reservatórios no Nordeste praticamente secos, a bandeira vermelha vai permanecer “hasteada” na conta dos consumidores em janeiro.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A bandeira vermelha significa acréscimo de R$ 4,50 a cada 100 quilowatts-hora de energia consumidos no Rio Grande do Norte e em outros 24 Estados.

Os valores do sistema de bandeiras tarifárias já passaram por duas correções desde que foi implementado, em janeiro/2015.

Fórum na Espanha discute potencial energético do Nordeste brasileiro

9 de dezembro de 2015

Organizado pelo El País, será realizado amanhã, na Casa de América, em Madri, o fórum “Nordeste do Brasil: infraestrutura e energia renovável.

Participam dos debates os governadores do Ceará, Camilo Santana, e do Piauí, Wellington Dias.

A lista de convidados inclui ainda:

Otaviano Canuto, diretor executivo do FMI, Fernando Gualdoni, redator-chefe de negócios do jornal El País; Ted Lago, presidente do Porto de Itaqui; Aurelio Ménendez, gerente de Transporte e Infraestrutura do Banco Mundial para América Latina e Caribe; e Antonio Simões, embaixador do Brasil na Espanha.

Mais informações AQUI

Sem previsão de chuva, bandeira vermelha vai predominar no Nordeste

3 de dezembro de 2015

Se depender das chuvas, a bandeira tarifária de energia elétrica vai permanecer por mais algum tempo na conta de luz dos consumidores do Nordeste. Sob efeito de El Niño, a região deve enfrentar mais um ano de seca em 2016.

A previsão é do meteorologista da Climatempo, Alexandre Nascimento, que analisa o sistema elétrico.

“Vamos continuar com chuva demais no Sul e em Itaipu pelo menos até janeiro. A chuva no sub-sistema Sudeste/Centro- Oeste deve ser bem maior do que nos anos anteriores. Ou seja, a situação para essas Regiões será bem melhor. Por outro lado, o Nordeste está na contramão disso. Depois de vários anos com pouca chuva, a estação úmida deste ano deve ser sob o efeito de um dos maiores (e talvez o maior) El Niño de todos os tempos. Ou seja, não há previsão de recuperação para o subsistema.”

De acordo com a análise da Climatempo, El Niño 2015 ainda está chegando ao seu ponto máximo.

Por isso, as águas do oceano Pacífico Equatorial estão e vão continuar mais quentes do que o normal por vários meses.

“El Niño vai influenciar a temperatura e a chuva no Brasil no verão 2015/2016 e também em parte do outono de 2016”, alerta o meteorologista.

 

 

 

 

Consumo de energia terá bandeira vermelha em dezembro

28 de novembro de 2015

A bandeira tarifária válida para dezembro continuará na cor vermelha.

Anúncio foi feito nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A bandeira vermelha implica acréscimo de R$ 4,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) de energia consumidos em todos os Estados do País, exceto Amapá e Roraima.

A bandeira vermelha representa a existência de condições mais adversas para a geração elétrica no País. Há ainda a bandeira amarela, quando a cobrança adicional é de R$ 2,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos, e a verde, sem custo adicional para o consumidor. Desde janeiro, contudo, foi mantida a cor vermelha.

O sistema de bandeiras tarifárias, implementado com o intuito de alertar o consumidor a respeito do custo corrente de geração, além de dividir com ele esse custo, já passou por duas correções de valores desde janeiro, quando foi implementado.

O valor adicional cobrado na bandeira vermelha foi estabelecido inicialmente em R$ 3 para cada 100 kWh.
A partir de março, três meses depois do início da cobrança, o preço foi elevado para R$ 5,50 para cada 100 quilowatts-hora consumidos com bandeira vermelha.

Em setembro, o valor implícito na bandeira vermelha caiu para R$ 4,50 por cada 100 kWh consumidos.

…..

Com informações do Estadão Conteúdo

 

Plano para reduzir custos da Technip inclui demissão de pessoal

7 de julho de 2015

A Technip, companhia francesa que atua no Brasil desde 1974 nos setores Subsea, Onshore e Offshore, enviou aos funcionários e-mail interno anunciando redução de custos e deixando em aberto a possibilidade de encerramento de atividades Onshore e Offshore em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil.

O comunicado endereçado aos funcionários é assinado pelo Executivo da empresa, Thierry Pilenko.

Nele, afirma que a queda do preço do petróleo provou desaceleração do mercado mundial nos últimos 12 meses, e que desde 2014 medidas de redução de custo vêm sendo implementadas.

“Tomamos, também, a decisão de acelerar nossas medidas para adaptar nosso Grupo a este ambiente industrial deteriorado”, afirmou Pilenko.

O desejo da companhia é reduzir globalmente em 830 milhões de euros os custos até 2017.

Para isso, cerca de 6 mil empregados serão demitidos em “uma baixa progressiva”.

No Brasil, a companhia conta com aproximadamente 3.500 trabalhadores e tem contratos fechados até 2017 e negociações em andamento para até 2020.

De acordo com o comunicado, o único segmento que tem manutenção garantida no Brasil é o de dutos flexíveis.

 

….
Fonte: Petronotícias