Arquivos da Categoria ‘Jogadores’

Com salários atrasados, jogadores do Náutico não treinam e convocam coletiva

28/04/2017 às 04:13 por Pedro Neto

Os jogadores do Náutico não treinaram nesta quinta-feira. Após uma longa espera, que durou 50 minutos, os atletas chamaram a imprensa no auditório do hotel do centro de treinamento do clube para declararem uma paralisação. O motivo: salários atrasados. Camisa 10 e capitão do time, o meia Marco Antônio se colocou como porta-voz para explicar a situação.

– Só para expor o motivo de não termos ido para o campo. E falar diretamente para quem interessa, que é o torcedor. Até esse último final de semana, tentamos com todas as forças nos classificarmos (para as semifinais do Campeonato Pernambucano). E agora que acabou o campeonato (clube foi eliminado pelo Sport), estávamos esperando uma posição da diretoria em relação à condição financeira do clube.

Segundo Marco Antônio, em sete meses de clube ele não recebeu os salários completos em seis. Ele também disse que outros funcionários estão com mais dificuldades.

– Vou falar do meu caso. Estou aqui há sete meses e são seis meses sem direito de imagem, que é 50% do meu salário total. E outros três meses sem receber o salário completo. E não sou o pior, tem gente em situação mais difícil. Dentro de campo, tentamos honrar o nosso nome e nossa família. A rapaziada que trabalha aqui também, nos ajudando.

Marco Antônio, que foi acompanhado por todos os jogadores do elenco e funcionários ligados ao futebol, disse que era esperada uma postura diferente da diretoria e que estão cobrando o que é direito deles.

– Esperávamos uma postura diferente da diretoria e queremos passar o recado para quem é dono do clube, que é o torcedor. Há algum tempo, nosso grupo se reuniu e tentamos, de alguma forma, cobrar o que é nosso por direito. Não estamos cobrando nada além disso. Esperamos, do fundo do coração, que essa política de só receber quando entramos na Justiça, acabe. A instituição não pode pagar por isso.

Outra coisa que incomodou a todos foram entrevistas dadas por dirigentes prospectando novas contratações para a disputa da Série B.

– Não descemos para tentar uma posição da diretoria para saber o que eles vão fazer. Vimos entrevistas de diretores falando de contratação e já estamos em uma situação dificílima. O torcedor precisa saber que de nossa parte nunca faltou empenho e dedicação. Talvez a gente até paga dentro de campo o que acontece fora. Então queremos que o Náutico deixem o lado político de lado e as pessoas pensem no clube.

Fonte: Globo.com

Do Blog: Os jogadores estão corretos. Quando perdem são cobrados por dirigentes e torcida. Agora, quando os dirigentes erram, como neste caso, não aceitam as cobranças.

Não venhas me dizer o que fazer e o caminho a seguir, vc também está perdido e na mesma nave.” (Guilherme Guilherme)

 

 

minutos

Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press) Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Os jogadores do Náutico não treinaram nesta quinta-feira. Após uma longa espera, que durou 50 minutos, os atletas chamaram a imprensa no auditório do hotel do centro de treinamento do clube para declararem uma paralisação. O motivo: salários atrasados. Camisa 10 e capitão do time, o meia Marco Antônio se colocou como porta-voz para explicar a situação.

– Só para expor o motivo de não termos ido para o campo. E falar diretamente para quem interessa, que é o torcedor. Até esse último final de semana, tentamos com todas as forças nos classificarmos (para as semifinais do Campeonato Pernambucano). E agora que acabou o campeonato (clube foi eliminado pelo Sport), estávamos esperando uma posição da diretoria em relação à condição financeira do clube.

Segundo Marco Antônio, em sete meses de clube ele não recebeu os salários completos em seis. Ele também disse que outros funcionários estão com mais dificuldades.

– Vou falar do meu caso. Estou aqui há sete meses e são seis meses sem direito de imagem, que é 50% do meu salário total. E outros três meses sem receber o salário completo. E não sou o pior, tem gente em situação mais difícil. Dentro de campo, tentamos honrar o nosso nome e nossa família. A rapaziada que trabalha aqui também, nos ajudando.

Marco Antônio, que foi acompanhado por todos os jogadores do elenco e funcionários ligados ao futebol, disse que era esperada uma postura diferente da diretoria e que estão cobrando o que é direito deles.

– Esperávamos uma postura diferente da diretoria e queremos passar o recado para quem é dono do clube, que é o torcedor. Há algum tempo, nosso grupo se reuniu e tentamos, de alguma forma, cobrar o que é nosso por direito. Não estamos cobrando nada além disso. Esperamos, do fundo do coração, que essa política de só receber quando entramos na Justiça, acabe. A instituição não pode pagar por isso.

Outra coisa que incomodou a todos foram entrevistas dadas por dirigentes prospectando novas contratações para a disputa da Série B.

– Não descemos para tentar uma posição da diretoria para saber o que eles vão fazer. Vimos entrevistas de diretores falando de contratação e já estamos em uma situação dificílima. O torcedor precisa saber que de nossa parte nunca faltou empenho e dedicação. Talvez a gente até paga dentro de campo o que acontece fora. Então queremos que o Náutico deixem o lado político de lado e as pessoas pensem no clube.

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press) Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

minutos

Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press) Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Os jogadores do Náutico não treinaram nesta quinta-feira. Após uma longa espera, que durou 50 minutos, os atletas chamaram a imprensa no auditório do hotel do centro de treinamento do clube para declararem uma paralisação. O motivo: salários atrasados. Camisa 10 e capitão do time, o meia Marco Antônio se colocou como porta-voz para explicar a situação.

– Só para expor o motivo de não termos ido para o campo. E falar diretamente para quem interessa, que é o torcedor. Até esse último final de semana, tentamos com todas as forças nos classificarmos (para as semifinais do Campeonato Pernambucano). E agora que acabou o campeonato (clube foi eliminado pelo Sport), estávamos esperando uma posição da diretoria em relação à condição financeira do clube.

Segundo Marco Antônio, em sete meses de clube ele não recebeu os salários completos em seis. Ele também disse que outros funcionários estão com mais dificuldades.

– Vou falar do meu caso. Estou aqui há sete meses e são seis meses sem direito de imagem, que é 50% do meu salário total. E outros três meses sem receber o salário completo. E não sou o pior, tem gente em situação mais difícil. Dentro de campo, tentamos honrar o nosso nome e nossa família. A rapaziada que trabalha aqui também, nos ajudando.

Marco Antônio, que foi acompanhado por todos os jogadores do elenco e funcionários ligados ao futebol, disse que era esperada uma postura diferente da diretoria e que estão cobrando o que é direito deles.

– Esperávamos uma postura diferente da diretoria e queremos passar o recado para quem é dono do clube, que é o torcedor. Há algum tempo, nosso grupo se reuniu e tentamos, de alguma forma, cobrar o que é nosso por direito. Não estamos cobrando nada além disso. Esperamos, do fundo do coração, que essa política de só receber quando entramos na Justiça, acabe. A instituição não pode pagar por isso.

Outra coisa que incomodou a todos foram entrevistas dadas por dirigentes prospectando novas contratações para a disputa da Série B.

– Não descemos para tentar uma posição da diretoria para saber o que eles vão fazer. Vimos entrevistas de diretores falando de contratação e já estamos em uma situação dificílima. O torcedor precisa saber que de nossa parte nunca faltou empenho e dedicação. Talvez a gente até paga dentro de campo o que acontece fora. Então queremos que o Náutico deixem o lado político de lado e as pessoas pensem no clube.

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press) Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

minutos

Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press) Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Jogadores reunidos para entrevista coletiva (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Os jogadores do Náutico não treinaram nesta quinta-feira. Após uma longa espera, que durou 50 minutos, os atletas chamaram a imprensa no auditório do hotel do centro de treinamento do clube para declararem uma paralisação. O motivo: salários atrasados. Camisa 10 e capitão do time, o meia Marco Antônio se colocou como porta-voz para explicar a situação.

– Só para expor o motivo de não termos ido para o campo. E falar diretamente para quem interessa, que é o torcedor. Até esse último final de semana, tentamos com todas as forças nos classificarmos (para as semifinais do Campeonato Pernambucano). E agora que acabou o campeonato (clube foi eliminado pelo Sport), estávamos esperando uma posição da diretoria em relação à condição financeira do clube.

Segundo Marco Antônio, em sete meses de clube ele não recebeu os salários completos em seis. Ele também disse que outros funcionários estão com mais dificuldades.

– Vou falar do meu caso. Estou aqui há sete meses e são seis meses sem direito de imagem, que é 50% do meu salário total. E outros três meses sem receber o salário completo. E não sou o pior, tem gente em situação mais difícil. Dentro de campo, tentamos honrar o nosso nome e nossa família. A rapaziada que trabalha aqui também, nos ajudando.

Marco Antônio, que foi acompanhado por todos os jogadores do elenco e funcionários ligados ao futebol, disse que era esperada uma postura diferente da diretoria e que estão cobrando o que é direito deles.

– Esperávamos uma postura diferente da diretoria e queremos passar o recado para quem é dono do clube, que é o torcedor. Há algum tempo, nosso grupo se reuniu e tentamos, de alguma forma, cobrar o que é nosso por direito. Não estamos cobrando nada além disso. Esperamos, do fundo do coração, que essa política de só receber quando entramos na Justiça, acabe. A instituição não pode pagar por isso.

Outra coisa que incomodou a todos foram entrevistas dadas por dirigentes prospectando novas contratações para a disputa da Série B.

– Não descemos para tentar uma posição da diretoria para saber o que eles vão fazer. Vimos entrevistas de diretores falando de contratação e já estamos em uma situação dificílima. O torcedor precisa saber que de nossa parte nunca faltou empenho e dedicação. Talvez a gente até paga dentro de campo o que acontece fora. Então queremos que o Náutico deixem o lado político de lado e as pessoas pensem no clube.

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press) Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Outra coisa que incomodou a todos foram entrevistas dadas por dirigentes prospectando novas contratações para a disputa da Série B.

– Não descemos para tentar uma posição da diretoria para saber o que eles vão fazer. Vimos entrevistas de diretores falando de contratação e já estamos em uma situação dificílima. O torcedor precisa saber que de nossa parte nunca faltou empenho e dedicação. Talvez a gente até paga dentro de campo o que acontece fora. Então queremos que o Náutico deixem o lado político de lado e as pessoas pensem no clube.

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press) Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Antes de coletiva, jogadores ficaram na frente do hotel do CT, sem trabalhos no campo (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Após goleiro ter cabelo cortado, jornal mostra penteados proibidos na Arábia

12/04/2016 às 04:31 por Pedro Neto

O amigo internauta deve ter lido a história do jogador que foi obrigado a cortar o cabelo antes de uma partida de futebol na Arábia Saudita. No país, determinados penteados são proibidos e, caso algum jogador viole as regras, tem de pagar multa de € 300 (R$ 1,225 mil) – e ainda fica proibido de jogar. Por isso, um jornal local mostrou os cortes que não são permitidos no futebol local (veja na arte abaixo).

Cortes de cabelo na Arábia Saudita

Tudo começou há uma semana, quando o goleiro Waleed Abdullah teve que cortar seu cabelo para jogar pelo Al Shabab Riyadh na Liga da Arábia Saudita – o time dele foi derrotado por 2 a 0 para o Al Quadisiya. De acordo com o site “Gulf News”, por ordem das autoridades do país, os penteados excêntricos tiveram que ser banidos dos campos por serem considerados ofensivos à religião islâmica, o que é chamado de “fenômeno qazaa”. Um comentarista chegou a escrever no jornal Al Jazirah apoiando as sanções porque os “visuais bizarros são imitados pelos fãs nas escolas”.

No vídeo, só é possível identificar que o cabelo é um pouco mais raspado dos lados e tem um pouco mais de volume na parte de cima, mas nada muito desproporcional. Apesar das ponderações do ex-goleiro da seleção saudita, de 29 anos, e da comissão técnica com o árbitro, não adiantou. A tesoura teve que trabalhar para o juiz apitar. Assista no vídeo abaixo:

Do blog: Bem que a moda deveria pegar no Brasil, pois tem cada penteado…

Quando vires um homem bom, tenta imitá-lo; quando vires um homem mau, examina-te a ti mesmo. (Confúcio)

Rádio Globo

12/12/2015 às 04:22 por Pedro Neto

SÁBADO 12/12/2015
——————————–
11H30  –  GLOBO ESPORTIVO 1* EDIÇÃO
15H00  –  GALERA DA BOLA
17H00  –  RÁDIO GLOBO FUTEBOL CLUBE ESPECIAL

 

DOMINGO 13/12/2015
———————————–

09H00  –  GLOBO NA REDE
11H00  –  ENQUANTO A BOLA NÃO ROLA
14H00  –  RÁDIO GLOBO FUTEBOL CLUBE / REDE
15H00  –  RÁDIO GLOBO FUTEBOL CLUBE / LOCAL
16H00  –  BRASIL  X  MÉXICO
18H00  –  BALANÇO FINAL
19H00  –  PANORAMA ESPORTIVO ESPECIAL

“Rádio Globo e você”

Será que começa?

29/06/2012 às 00:22 por Pedro Neto

E a série C finalmente vai começar.

Depois de mais de um mês de muitas brigas a Série C do Campeonato Brasileiro 2012 finalmente terá seu  início.

Ontem o presidente STJD, Rubens Approbato, deu despacho liberando o início da competição.

Vinte clubes estarão na disputa da Série da C.

Aliás, ainda tenho minhas dúvidas se realmente a série C começará neste final, pois todos os dias temos novidades a respeito do assunto.

Quanto maiores somos em humildade, tanto mais próxímos estamos da grandeza. Rabindranath Tagore

Clube contrata jogadores rodados

07/01/2010 às 12:02 por Pedro Neto

O Mixto-MT anunciou no dia de ontem a contratação do meia atacante, Adriano Gabirú, ex-Guarani-SP.

O jogador é aquele mesmo que fez o gol do título mundial do Internacional-RS em 2006. Conforme informei anteriormente, Adriano, disputou o último Campeonato Estadual da série B pelo Guarani de Campinas.

O Mixto tem uma gestão muito diferente da maioria dos clubes do seu tamanho, pois esta sempre contratando jogadores que estão encerrando carreira ou que já estão muito bem financeiramente. No ano passado a equipe contratou os jogadores Finazzi, Alex Dias e Beto – ex-Vasco -.

O clube além do jogador Adriano Gabirú, também contratou os experientes, Perdigão – ex- Corintians – e Luizinho Neto – ex-ABC -. Parece brincadeira, porém, esta no site do clube a contratação de Luizinho Neto.

Não podemos esquecer que o técnico da equipe é Roberto Cavalo, aquele mesmo que passou pelo América.  

Segue matéria completa:

eder_003_ori.JPGCuiabá, MT, 06 (AFI) – O presidente da Associação dos Amigos do Mixto – Afam – entidade que divide a administração do clube com o presidente Márcio Pardal, Éder Moraes (foto), anunciou na tarde desta quarta-feira, durante a apresentação do elenco do clube, a contratação, já mais de 90% certa, do atacante Adriano Gabiru, herói da conquista do título mundial do Internacional, em 2006. O Mixto já fechou e aguarda sua chegada para esta quinta-feira, com o meia-atacante Perdigão, que também foi campeão mundial de clubes pelo Colorado gaúcho em 2006. 

Fonte: Futebolinterior.com

“Experiência é o nome que todo mundo dá aos próprios erros.”
( Oscar Wilde )

 

Ipatinga acredita muito no futebol do meia Reina

17/11/2009 às 18:10 por Pedro Neto

Reina tem se destacado no Ipatinga

Na reta final da Série B, o meia colombiano Reina, do Ipatinga, parece ter, finalmente, encontrado seu futebol. O jogador subiu de produção depois da chegada do técnico Flávio Lopes e foi um dos destaques da equipe na vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-GO, no Ipatingão, na última rodada. Com o resultado, o Tigre deu um grande passo em sua luta contra o rebaixamento.

Camisa 10 da equipe, Reina acredita que a confiança do técnico tem sido fundamental. “Acho que estou fazendo um bom trabalho. O treinador está demonstrando que confia em mim. Estou tranqüilo e espero que o Flávio Lopes continue me dando oportunidade para ajudar o Ipatinga”, afirmou ao site do clube.

Reina, emprestado ao Tigre pelo Cruzeiro, espera que, no próximo sábado, contra o América-RN, em Natal, mesmo jogando fora de casa, o time possa repetir o futebol apresentado na última partida. “A equipe jogou bem e tem que ser assim. Temos que fazer os adversários nos respeitar”, analisou.

Em 14º lugar na tabela, com 45 pontos, apenas três acima do Brasiliense, primeiro da zona da degola, o Ipatinga ainda precisa de um bom resultado em Natal para garantir sua permanência na Série B.

Fonte: Gazetaesportiva

“O tempo tudo tira e tudo dá; tudo se transforma, nada se destrói.” (Giordano Bruno)