15935234335efb3ce9a4488_1593523433_3x2_md

Do Painel da Folha 

A Polícia Federal cumpriu na manhã desta terça-feira (17) mandados de busca e prisão domiciliar contra o bolsonarista Oswaldo Eustáquio por ter burlado decisão de Alexandre de Moraes, do Supremo.

Ele terá que usar tornozeleira eletrônica a partir de agora, em nova determinação do ministro.

O blogueiro não poderia sair de Brasília sem autorização prévia, mas recentemente foi a São Paulo, onde fez uma suposta matéria jornalística contra Guilherme Boulos (PSOL).

Ele também vinha usando suas redes sociais, o que Moraes tinha proibido. Eustáquio é um dos principais investigados no inquérito de articulação de atos antidemocráticos, que está no STF.

Na suposta reportagem, o bolsonarista acusava o candidato do PSOL de ter contratado empresas de fachada na eleição.

O vídeo com informações falsas, que dizia revelar o “laranjal de Boulos”, foi usado por Celso Russomanno (Republicanos) durante debate dos concorrentes à Prefeitura de São Paulo realizado por Folha e UOL.

Dias depois, no entanto, a Justiça Eleitoral ordenou a retirada do ar da suposta matéria e, em seguida, determinou a suspensão da conta dele no YouTube. A decisão veio após a campanha de Boulos entrar com uma ação acusando o blogueiro de propagar fake news.

Em junho, Eustáquio foi preso com autorização de Moraes a pedido da Polícia Federal em Campos Grande (MS). Os investigadores argumentavam que a medida deveria ser cumprida porque havia risco de fuga. Duas semanas antes, ele tinha sido alvo de busca e apreensão no inquérito dos atos antidemocráticos.

Logo depois da Justiça bloquear seu canal, ele se manifestou nas redes sociais. “Eles me prenderam, me censuraram e agora derrubaram meu canal depois que denunciei Boulos e Paes”, disse em um dos tuítes.

Deixe um comentário