20200206025500613919o

COM INFORMAÇÕES DO CORREIO

O presidente Jair Bolsonaro fez uma provocação aos governadores para que eles acabem com o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)dos combustíveis.

O chefe do Executivo disse que, se o fizerem, a União seguirá o exemplo. “Eu zero federal, se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui, agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito”.

A novidade logo gerou reação dos governadores mais representativos do país.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) disparou:

“O problema é que os governos, não só o do Bolsonaro, mas dos ex-presidentes da República já zeraram os cofres dos estados. Todos os estados da Federação e o Distrito Federal estão quebrados, e ele tem consciência disso”, rebateu. “Eu preferia tratar esse assunto com quem entende de economia, que é o ministro Paulo Guedes. Não com o presidente Bolsonaro, que não entende.”

 

Outro que criticou foi o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB):

“Se é para construir soluções, vamos buscar um fórum adequado e não simplesmente ficar lançando desafios”, ressaltou. Ele lembrou que os impactos no orçamento de uma redução do ICMS sobre combustíveis são diferentes entre estados e União, mas que os chefes de Executivos estaduais estão abertos ao debate. “Não vamos resolver o assunto dando declarações em redes sociais ou à imprensa. Vamos debater corretamente e construir condições para uma redução de imposto que atinja realmente o consumidor.”

Já o  governador de São Paulo, João Doria (PSDB), Bolsonaro está tomando atitudes populistas e sem responsabilidade:

“Na base da bravata. A bravata me lembra populismo, populismo me lembra algo ruim para o Brasil”, disse o tucano, após encontro com senadores. Mais tarde, antes de reunião no Ministério da Economia, ele voltou a criticar a proposta de Bolsonaro. “É preciso que o presidente tenha responsabilidade e ocupe de maneira correta o cargo para o qual foi eleito. Não se faz gestão por WhatsApp nem por grupos digitais, se faz gestão com diálogo, entendimento. Convide os governadores para discutirem e debaterem o assunto”, disparou.

TL CONTA MAIS 

Entrevistado pela Globo News na noite de quarta-feira o presidente da Câmara, Rodrigo Maia foi questionado sobre o assunto.

Disse que conversou com alguns governadores sobre a ideia do Presidente Bolsonaro. Com todos a mesma certeza; não existe possibilidade de se implantar a ideia. Nem pela dispensa da União de uma receita de quase R$ 30 bilhões or ano, nem tampouco pelos Estados – que contam receitas curtas para cobris despesas crescentes.

Ou seja, mais uma vez, o Presidente joga para plateia sem pensar na efetivação prática da proposta. Maia também criticou a geração de falava expectativa na sociedade que tanto sofre com a crise econômica do país e se segura em qualquer perspectiva de reduzir suas despesas fixas de cada dia.

 

Comentários do Facebook

Comentários do Site

  1. Oscar Laranjeiras
    Responder

    Todo dia uma nova agonia, todas manhãs um festival de besteiras são ditas e o povo que aguente.

  2. observanatal
    Responder

    Bolsonaro ainda não desceu do palanque, mesmo sendo vencedor da eleição de 2018. Fala muita bobagem, e faz muita bobagem. Pior é ver que existe quem acredite e apoie um irresponsável desses.

Deixe um comentário