1D6DAB9B-FA9C-40BC-88BB-DF72F982EE28Ninguém está livre de ser iludido na boa-fé.

O alerta é antigo mas tem quem seja. E quem aproveite a oportunidade para fazer disso, profissão.

E pelo número de relatos, muito concorrida.

Sem necessidade de enfrentar ENEM, curso superior, registro no conselho nem desemprego.

Requer uma boa lábia. E criatividade.

Desconfie de pedidos de empréstimos para  amigos das redes sociais. Sempre em situações de extrema urgência.

Se os golpes vêm sendo aplicados há muito tempo é porque incautos continuam sendo encontrados. E iludidos. Não seja um deles.

Com a proliferação dos grupos de mensagens instantâneas, é impossível não participar de alguns, sem conhecer todos os integrantes. E de ter muitos novos amigos do peito que nunca serão encontrados na vida real.

Até nos familiares.

Vez por outra, aparece um parente distante, morando mais longe ainda, passando o chapéu na coleta de recursos para custear tratamentos médicos.

E a força do argumento da compatibilidade sanguínea, acompanhada de fotos dos enfermos em camas de hospital. Pré-moribundos.

E muitos laudos de exames.

Comovente até para os corações mais insuficientes.

O WhattsApp, além da troca de informações e aproximação de pessoas, é ferramenta para atividades profissionais.

Na área médica, uma das primeiras a incorporá-lo, tornou-se imprescindível para o bom funcionamento das equipes.

Acabaram  os problemas com alterações nos agendamentos e compromissos, antes feitos por telefone e sujeitos aos  esquecimentos e mal entendidos.

Agora, vale o escrito. E o gravado.

Ao receber o pedido de ajuda do técnico em radiologia que em dificuldade para acessar a conta bancária, precisava fazer uma transferência inadiável, com promessa de quitação na abertura do expediente bancário, ficou fácil a desconfiança.

Estava muito claro na telinha.

O celular do colega (esporádico) de trabalho havia sido clonado.

Não havia a menor intimidade para uma solicitação dessas. Nem urgência que a justificasse.

Mas não custava nada saber até onde ia a esperteza do vivaldino do outro lado do teclado.

F3897C69-6E61-4DC8-8A12-151431D9A478O valor do empréstimo requerido foi multiplicado por dez, com a informação que era o valor mínimo para negócios com o agiota acionado.

Teria o trambiqueiro digital acreditado na coincidência do contra-golpe ou levado na esportiva?

Perguntou pela taxa de juros praticada e se poderia aumentar o valor do principal.

Ao ser informado que seriam cobrados juros bancários do cartão de crédito,  a desistência bem humorada.

Vacilei, playboy.                                                                     Fui!                

Deixe um comentário