unnamed

Por Lauro Jardim no Globo 

A CPI da Pandemia está sendo, enfim, criada no Senado, mas outra CPI, a que investigava o megaderramamento de óleo no litoral nordestino em 2019, foi encerrada melancolicamente nesta semana.

Motivo: os deputados não votaram em plenário até terça-feira a prorrogação da comissão, ultrapassando assim a data-limite determinada pelo regimento da Câmara.

No dia 25 de março, os integrantes da CPI chegaram a aprovar a renovação dos trabalhos do grupo por 60 dias em uma reunião virtual. Mas sem a aprovação de todos os parlamentares da Casa ou de uma prorrogação que o presidente Arthur Lira poderia ter aprovado, porém, a votação foi em vão.

A CPI não foi adiante por manobras do governo Bolsonaro, que articulou e conseguiu matar a CPI. O governo não queria que um relatório que mostrasse as omissões na resposta ao acidente.  

A CPI terminou sem que diversas audiências previstas chegassem sequer a ser realizadas. E sem relatório final.

 

tab1-300x300

Objeto de investigação da CPI, o derramamento de óleo no litoral nordestino aconteceu em julho de 2019, é considerado o maior desastre ambiental já registrado na costa brasileira.

Foram atingidos 11 estados e mais de mil localidades, durante 8 meses, sem que seus responsáveis tenham sido identificados. A questão das indenizações dos pescadores artesanais e outros atingidos não foi resolvida até hoje.

 

TL COMENTA

O Rio Grande do Norte foi um dos primeiros estados atingidos pelo óleo.

Foi aqui também que o Ministério Público Federal e a Polícia Federal deflagraram a Operação Mácula  com direito a busca a apreensão na Lachmann Agência Marítima, que seria representante do navio Bouboulina – navio grego suspeito de derramar ou vazar o óleo que atingiu o litoral nordestino.

Nada provado. Apenas descartado sem novos responsáveis apontados.

A Assembleia Legislativa do RN  também foi palco de Audiência Publica com presença de autoridades da investigação, parlamentares federais e estaduais.

E? Nada.

A CPI naufragou sem uma palavra sequer. Nem para dizer adeus ou desculpas.

Comentários do Site

  1. observanatal
    Responder

    Era apenas para constar. Era para aparecer. Esse povo não gosta de trabalhar sério, gosta de holofote.

Deixe uma resposta para observanatal Cancelar resposta