Em uma sessão marcada por embates com os senadores, o ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, negou à CPI da Covid que tenha cometido crime de prevaricação e que o contrato da vacina Covaxin foi superfaturado.

Os senadores, por sua vez, acreditam que a CGU foi omissa em relação às irregularidades cometidas pelo governo federal ao longo da pandemia de Covid.

O ministro da CGU foi chamado a depor após ser acusado de ter cometido crime de prevaricação por não ter tomado providências em relação à atuação do lobista da Precisa Medicamentos Marconny Faria no Ministério da Saúde nas negociações para a aquisição de 12 milhões de testes rápidos contra Covid.

O Ministro da CGU resolveu chamar a senadora Simone Tebet de “descontrolada” e revoltou senadores da CPI.

“Moleque”, “bajulador” e “machista” foram algumas das palavras que ele teve que ouvir de volta. Tumulto generalizado … e sessão suspensa. 

Agora, mais do que sempre, senadores de oposição querem mostrar sua força aprovando as convocações da ex-mulher de Bolsonaro, Ana Cristina, e o filho Jair Renan.

Comentários do Site

  1. observanatal
    Responder

    É preciso chamar Jair Renan, o influencer no governo do pai, para explicar o que ele quis dizer mostrando armas e chamando os integrantes da CPI.

    Esse ministro é como os demais, bajulador e subserviente. Deveria ter sido cortado desde o começo do depoimento.

Deixe um comentário