Brasil e Estados Unidos são países que enfrentam guerras particulares, além da que por si só já dizima vidas e sobrevivência de muitos. A do Coronavirus.

Lá, nos EUA, um fato gerador deplorável do racismo que veste farda. Não traz novidade, mas imagens que chocam. A luta por respirar, enquanto o poder maior reprime. Sem pena e misericórdia. O mundo viu, não tem contraditório que justifique.

Por aqui, a crise é gerada pelo líder maior, o presidente Jair Bolsonaro; pelo ar, por terra ou a cavalo.

É ele que há sete semanas escolhe o domingo para entrar na casa dos brasileiros, desafiando o bom senso, a paz, o respeito às famílias de luto país afora.

São manifestações midiáticas a favor do ….  nada. Elas são contra as instituições pilares da democracia; STF (judiciário) e Congresso (Legislativo).

Ontem, a reação vestiu  preto.

Luto pela ameaça  ao que deveria ser -e é – inatacável, inegociável. As reações vieram de torcidas organizadas de futebol, civis solitários, grupos profissionais em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Nas páginas publicadas o sentimento de reação também surgiu  com assinaturas de profissionais respeitados e sem qualquer inclinação político partidária; foi o #BASTA, #TODOSJUNTOS e #SOMOS70PORCENTO.

O que começou de forma pacífica, terminou em tristes registros de confronto com a intolerância e truculência de quem não encontra aqui identidade para simbolizar o que pensa e pretende.

Ícones aparentemente nazistas escondem motivações que são mais expostas nas redes sociais, através de exércitos fakes, vitaminados por contratos nebulosos de propaganda chapa branca.

A democracia não pode morrer e por isso deveria ir às ruas de BRANCO, da paz, da transparência, da vida.

Comentários do Facebook

Comentários do Site

  1. Marcos
    Responder

    Quer dizer que, o povo saindo ás ruas nos fins de semana, vestindo as cores da nação (verde e amarelo), de posse do maior símbolo do território nacional (a bandeiro do Brasil) é movimento “anti-democracia” e torcidas organizadas vestindo PRETO, mascarados (pra não ser identificados) confrontando a Polícia, e agredindo pessoas que divergem de suas idéias, são movimentos “democráticos” em favor da democracia…é isso mesmo? PARABÉNS AO JORNALISMO BRASILEIRO!

  2. observanatal
    Responder

    Ô mania de colocar culpa nos outros.
    Já ouviu falar em ressignificação, Marcos?
    É democrática a tal intervenção militar? O que legitima essa intervenção, a Constituição? A constituição não dá essa legitimidade que alguns dizem dar.

    Não interessa se usam a bandeira do Brasil ou da Ucrânia, um traidor da pátria é um traidor da pátria! Bandeira do Brasil grudada na bandeira americana, de Israel. Esses são brasileiros traidores da pátria, que usam a bandeira brasileira para limpar a bunda dos americanos, que nos mandam à merda sempre que podem, quando lembram que existimos. Pergunte se americano usa outra bandeira nacional junto com a deles. Não usam!
    Essa é uma república democrática, não cabe a canalhice de confundir a população para tomar o poder.

Deixe um comentário