8BFA2AC7-ED5C-415B-95CE-4EACC0DE9F68

*** (Publicação original em 13/03/2019)

Toda língua tem palavras intraduzíveis.

Nossa saudade é diferente da saudade de outros povos?

Jaboticaba só dá em terras brasileiras?

Dizem que sim mas não explicam como nem porque.

Os alemães sintetizam numa simples (para eles) palavra, acostumados com tantas outras quilométricas, um sentimento somente teuto: Schadenfreude. A tradução mais acurada seria “satisfação pelo infortúnio do outro”.

Ao longo dos 419 anos da história tapuia-potiguar, temos desenvolvido, aperfeiçoado  e arraigado aos nossos modos e costumes, uma prática  ainda  indefinida nos dicionários da última flor do lácio, inculta e bela.

Aqui não só se fica satisfeito com o infortúnio alheio. Vai-se mais longe. Gastam-se forças e recursos para atrapalhar o sucesso do outro.

Quem chegou mais próximo desta definição foi o aniversariante deste dia 13 de março, Cassiano Arruda Câmara que cunhou e divulga a máxima:

Esta é a terra onde se gasta 200 para o vizinho não ganhar 20.    

Um comportamento em busca de uma palavra.

Comentários do Facebook

Deixe um comentário