6ED26D90-1DE1-4CBE-AED7-790034D64CEB

Fonte: The New York Times

“Lá vamos nós de novo”

Uma segunda onda de vírus atinge a Espanha.

O coronavírus está se espalhando muito mais rápido na Espanha do que em qualquer outro lugar da Europa.  Depois de uma relativa calmaria durante o verão, os especialistas temem que isso sinalize uma nova onda em todo o continente.

Se a Itália foi o prenúncio da primeira onda da pandemia de coronavírus na Europa em fevereiro, a Espanha é o presságio de sua segunda.

A França também está crescendo, assim como partes da Europa Oriental, e os casos estão aumentando na Alemanha, Grécia, Itália e Bélgica também, mas na semana passada, a Espanha registrou o maior número de novos casos no continente – mais de 53.000.  Com 114 novas infecções por 100.000 pessoas nesse período, o vírus está se espalhando mais rápido na Espanha do que nos Estados Unidos, mais de duas vezes mais rápido que na França, cerca de oito vezes a taxa na Itália e na Grã-Bretanha e dez vezes mais na Alemanha.  .

Agora, enquanto outros europeus ponderam sobre como reiniciar suas economias enquanto ainda protegem a vida humana, os espanhóis se tornaram os primeiros indicadores de como uma segunda onda pode acontecer, o quão forte ela pode atingir e como ela pode ser contida.

Talvez a Espanha seja o canário na mina de carvão, disse o Prof. Antoni Trilla, epidemiologista do Instituto de Saúde Global de Barcelona, um grupo de pesquisa.  “Muitos países podem nos seguir – mas espero que não na mesma velocidade ou com o mesmo número de casos que enfrentamos.”

Com certeza, médicos e políticos não estão tão apavorados com a segunda onda da Espanha quanto ficaram com a primeira.

A taxa de mortalidade é cerca de metade da taxa no auge da crise – caindo para 6,6% em relação ao pico de 12% em maio.

TL comenta:

Um olho no que está acontecendo nos países que nos antecederam na pandemia, não faz mal aos brasileiros.

No século XIX, nas minas de carvão, o nível de gases tóxicos era monitorado com auxílio dos canários, os primeiros a morrer, sinalizando o momento em que os mineiros deveriam deixar a mina.

Deixe um comentário