“Falhamos”: manchete dinamarquesa pede desculpas e acusa autoridades

5D36E638-0288-4A78-95CA-CEF76A589359

FranceSoir, 14/01/2022

Em 7 de janeiro, um dos maiores jornais da Dinamarca emitiu um pedido de desculpas aos seus leitores, admitindo ter sido “quase hipnoticamente absorvido” pelos discursos das autoridades por quase dois anos, e não ter tido a devida vigilância.

Tudo em bom tempo

Um arrependimento que contrasta com as recentes medidas tomadas pelo reino.  Sob a onda de contaminações da Ômicron, desde meados de dezembro de 2021, o país implementou toque de recolher, passe de saúde, exames obrigatórios apesar da vacinação, fechamento de teatros, cinemas, salas de espetáculos.

A Dinamarca atingiu 73% de vacinação.

Três semanas depois, em seu artigo, o jornal assegura que “os especialistas nos explicam a situação pelos movimentos dos pêndulos, alertando-nos constantemente contra o monstro corona que adormece debaixo de nossas camas.  “Uma renovação exasperante das medidas sanitárias, que parecem não durar.  No início deste mês, Tyra Grove Krause, oficial de saúde da Dinamarca, estava otimista com a evolução da epidemia, embora ainda não tenha mencionado nenhuma mudança nas medidas.

O vento da mídia está virando?

O título do Ekstra Bladet:  “Nós falhamos”.

É um dos maiores grupos de imprensa do país, um jornal diário geral, em formato tablóide, que remonta a 1904. “Nós, a imprensa, fizemos um balanço do nosso trabalho e falhamos”, escrevem eles.

A que se deve essa súbita percepção?  Aos números de internações e óbitos, e à interpretação que deles se pode fazer: “Qual é a diferença entre “com Covid” e “de Covid”?

“Não nos fizemos a pergunta no momento certo.  Isso faz uma grande diferença.  É uma hipótese há muito defendida pelos chamados “conspiradores”, segundo a qual os números são largamente inflacionados pela rotulagem abusiva dos casos de “Covid”, que muitas vezes sofrem de comorbilidades.  Então, “com Covid” ou “do Covid”?

“Os números oficiais de admissão acabaram sendo 27% maiores do que o número real para o número de pessoas hospitalizadas, simplesmente porque tinham Covid-19.  Só sabemos disso agora”, confessam no artigo.

Uma falha compartilhada com as autoridades de saúde

Outro exemplo apresentado pelo jornal: o das vacinas.  “As vacinas são constantemente referidas como nossa ‘super arma’.  E nossos hospitais são chamados de “super hospitais”.  No entanto, esses “super-hospitais” estão aparentemente sob pressão máxima, embora quase toda a população esteja armada com uma “super arma”.  Até as crianças são vacinadas, em grande medida, o que não tem sido feito nos países vizinhos”, explica a Ekstra Bladet ao destacar a falta de eficácia das vacinas, sobretudo para lidar com a Ômicron, que contamina tanto vacinados como não vacinados.  Uma descoberta que ecoa o que podemos ouvir na França.

O jornal faz questão de partilhar o seu fracasso com as autoridades: “No geral, as mensagens enviadas pelas autoridades e políticos ao público nesta crise histórica deixam muito a desejar.  Eles mentem, como sempre fazem quando as pessoas perdem a fé neles.”

O quarto poder

Em junho de 2021, foi o editor-chefe do jornal alemão Bild, que abriu a marcha pedindo desculpas à população em um vídeo tornado público: “Quero expressar aqui o que nem nosso governo nem nosso chanceler ousam dizer a você : pedimos perdão por tê-lo feito, por um ano e meio, vítima de violência, negligência, isolamento e solidão.  […] Perdão por essa política e essa cobertura da mídia que, como um veneno, incutiu em você a sensação de que você era um perigo mortal para a sociedade.  […] Quando um Estado rouba os direitos de uma criança, deve provar que está protegendo a criança contra um perigo concreto iminente.  Esta prova nunca foi fornecida.  Foi substituído por propaganda apresentando a criança como vetor da pandemia.  Aqueles que queriam confrontar essa propaganda nunca foram convidados para a mesa dos especialistas.”

Se o ano de 2021 não viu muitas outras confissões desse tipo, o artigo do jornal dinamarquês faz parte de uma reviravolta geral na opinião, que observamos em quase todos os lugares, desde a chegada da variante Ômicron.  Servirá de exemplo para outros grandes meios de comunicação?

***
Comentário de Domicio Arruda:

Os jornais dinamarquês e alemão citados na reportagem, e o próprio FranceSoir,  são tabloides populares de grande circulação, conhecidos pelo sensacionalismo como abordam as notícias.

O The New York Times, o mais famoso de todos os jornais, têm mudado sua linha editorial, já admitindo  críticas às autoridades sanitárias, à condução da pandemia e ao programa mundial de vacinação.

No Brasil, continua em moda e voga o termo pejorativo “negacionista” para toda e qualquer referência ao establishment científico-imunológico, incluídas  simples transcrições  de  matérias como esta acima, mesmo sem emissão de juízo de valor.

Não é demais lembrar que o maior conglomerado de comunicação brasileiro levou 49 anos para pedir desculpas pelo apoio dado ao golpe militar de 1964.

Domicio Arruda

Aprendiz de Cronista

3 thoughts on ““Falhamos”: manchete dinamarquesa pede desculpas e acusa autoridades

  • 16 de janeiro de 2022 em 13:46
    Permalink

    Só não concordo com o final do comentário quando fala em golpe militar.

    Acho que o Dr Roberto Marinho era um homem lúcido e, jamais concordaria com um pedido de desculpas como este.

    Golpe mesmo seria implantar a ditadura do proletariado. E tão forte que até hoje estaríamos sob o julgo de bandidos que encheriam ainda mais suas “burrinhas”, e deixariam a população a míngua como nas ditaduras existentes mundo a fora.

    Resposta
  • 16 de janeiro de 2022 em 23:35
    Permalink

    A Sra. Laurita Arruda fará algum comentário sobre este artigo?

    Resposta
    • 17 de janeiro de 2022 em 13:47
      Permalink

      A resposta via Twitter:

      “Um comentarista do TL perguntou ao tio qual a minha opinião. E se ainda vou continuar defendendo as vacinas. A resposta é = CLARO. Sigo no rol dos “tarados por vacina”. E não preciso ser cientista para isso. Só somar e diminuir. Morreu menos gente depois das vacinas? Então👍👍”

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.