i468892

O silêncio do Conselho de Cultura do Rio Grande do Norte, com quem está a palavra, sobre o destino do Hotel dos Reis Magos tem uma razão de ser. E é o mesmo da Governadora Fátima Bezerra; a decisão existe, é contra o entendimento da Prefeitura de Natal, dos proprietários do imóvel, do trade turístico. Só falta anunciar.

Aí é que está o perigo. O perigo da demora. De continuar empurrando com a barriga o que o tempo já se encarregou de fazer; cada dia é mais difícil recuperar ruínas. E, provavelmente, os técnicos do Estado sabem disso. Por isso, preferem calado como resposta.

Quem sabe esperando um caso fortuito ou de força maior como atores de uma cena dramática que grita por solução.

– “Mas por que agora? ”

– “Por que aproveitar o Plano Diretor para pegar carona?”

– “Por que deixaram chegar a esse ponto e não cobraram e puniram a irresponsabilidade dos proprietários ? ”

– “O que pretendem  construir no local depois desses anos todos de especulação imobiliária?

São alguns dos questionamentos que técnicos, simpatizantes e conselheiros do Governo Fátima têm feito em redes sociais ou reuniões fechadas.

Ponto pacífico: não querem a derrubada das ruínas pura e simplesmente.

Mas, por outro lado, não chama os envolvidos à responsabilidade necessária, de quem quer sair da inércia.

O anúncio dos proprietários pernambucanos na Tribuna do Norte de ontem, colocando a bomba relógio no colo do Governo do RN é um novo divisor de águas.

Inverte o passado e mostra que este, realmente, não moverá moinhos, nem o resto de concreto armado na Praia do Meio.

É hora de olhar para o que está posto hoje e resolver o melhor para o Natal e para o RN de amanhã.

 

 

Comentários do Site

  1. José Glaudio Henrique
    Responder

    Minha sugestão, deveriam cercar aquela área que tanto embeleza a orla e criar uma dependência para confinar animais para evitar acidentes nas estradas.

  2. Mario Roberto Souto Filgueira Barreto
    Responder

    parabéns a PGE que através dos seus procuradores conseguiram a cada dia protelar ou perpetuar, mesmo assumindo e sendo o responsável direto de todos os efeitos causado por estas ruínas históricas.
    Natal será grato a todo o governo, por preservar este retrato da decadência de nossa cidade.
    Melquior, Baltazar e Gaspar talvez ficassem tão envergonhado com tudo isto, que não aceitariam mais a homenagem .
    Pobre elefante

Deixe um comentário