Androginia - Capa Português.inddNão tem muito tempo, a falta de outras preocupações fazia as pessoas brigarem por qualquer causa.

Até pelo direito de usar os banheiros de uso público vestidas como se do sexo oposto fossem.

Pensando que eram.

Vieram outras necessidades para mostrar que na hora do pega pra capar, quem não tem o que, leva vantagem.

E que pouco importa quem quer ser o que não é. E vice-versa.

Até porque shoppings não há mais.
Nem os seus polêmicos banheiros.


(Publicação original em 8/4/2019)

 O BANHEIRO DE SÃO SEVERINO

Vira e mexe surge como nova a  velha polêmica sobre o uso dos mictórios (nome inadequado,  já que  atendem também o n° 2) por ambos os três ou quatro sexos.

Agora mesmo na Assembleia Legislativa de São Paulo, pediram a cassação de um deputado por haver se excedido numa discussão com uma parlamentar sobre projeto de lei que trata da matéria: pau é pau mas pode ser pedra.

A congressista, nascida com sexo masculino e seu colega, recém saído do armário.

Já que eles,  jogando no mesmo time, em posições diferentes, não se entendem, vamos meter o bedelho. Não neles; nessa confusão toda .

Simples assim.Basta que se tornem obrigatórios também os banheiros individuais.

Quem estiver apertado(a), num shopping ou restaurante e tiver dúvida sobre a própria identidade sexual,  vai de Über. Sozinho(a).

Esta solução atende a todos e a todas.

Livra de constrangimentos,  mulheres vestidas de homem que ainda não tenham aprendido a urinar de pé e homens vestidos de mulher que não perderam o hábito da balançadinha final.

Evita também que os menos dotados façam  comparações decepcionantes.

Banheiro individual é como o jogo de São Severino: entra homem, mulher e menino.

E  não discrimina travestis.

Deixe um comentário