C1CB600D-C092-496D-A284-29C3FC5579E6

Mark Chapman, o assassino de John Lennon, teve novo  pedido de liberdade condicional negado.

40 anos depois da condenação à pena perpétua, pediu mais uma vez, desculpas à família de quem tirou a vida poregoísmo e glória pessoal.”

Yoko Ono apresentou mais uma contestação à solicitação do prisioneiro, com o argumento do perigo que ela e o filho Sean, correriam com a liberdade de quem confessou o crime sem outro motivo, a não ser o de  sair do anonimato.

Artista reconhecida pelo talento e próprios méritos, a fama como companheira do músico genial, é muitas vezes maior, alimentada em lembranças e direitos autorais.

A jovem que ouviu do marido os desejos de tornar-se conhecido por tirar a vida de alguma celebridade, nunca teve o casamento abalado.

Já declarou que o amor a faz esperar o marido sair da prisão, não importa quanto  demore.

Já são onze as frustrações, com as negativas de condicionais, a cada dois anos, das progressões previstas em lei.

Nesta história de quatro personagens, o mais vivo de todos é o falecido.

Fio condutor de uma trama que não tem fim. Ligação entre os outros que perderam  o comando das próprias existências.

Imortal pelas  músicas de renovado sucesso e ídolo, como se vivo fosse, de legiões de admiradores renascidos nas novas gerações.

Tão famoso quanto John Booth e Lee Oswald, o fã insano, de mente confusa,  também alcançou o almejado sonho da juventude.

Como tantos outros, saiu da sua mediocridade e falta de perspectivas para fazer a Big Apple.

No topo do mundo, transformou uma morte em sua vida.

Considerado um presidiário exemplar, aplicado no trabalho que desempenha numa portaria interna da unidade prisional, só recebe visitas da mulher e dos advogados.

Aquele senhor que aos  65 anos reconhece justa, a pena que lhe foi aplicada, ainda parece muito com o texano de 25 anos que se identificava com os solitários e isolados que encontrava nos livros que fazia de cabeceira.

Glória, a esposa que não podia imaginar o que o parceiro  seria capaz de ousar para alcançá-la e Yoko, a guardiã do legado, convivem igualmente com as mesmas saudades..

Do ausente, que se mantém presente, preenchendo muitas vidas.

Do  presente, que se mantém ausente, na vida vazia e reclusa, no cárcere para sempre.

Yoko Ono e Glória Hiroto são viúvas do mesmo mito.

(Publicação original em 28/09/2020)

561980B8-809E-4192-964C-034B9A3FD3FF

Eyeblink (Piscar de olho) (1966/2016) – Yoko Ono – Museu de Arte Moderna de Oxford, Grã Bretanha

Ouça:

WOMAN. (Ultimate Mix, 2020) – John Lennon (official music video HD)

 

Deixe um comentário