Com essa pandemia, é discurso geral que o mundo e as pessoas não serão mais os mesmos… será?

Penso que “não”, que tudo vai ser a mesma coisa, ou pior. Quando vejo comportamentos e opiniões em redes sociais, e até a ditadura estão apoiando, não tenho esperanças. Ou é inocência ou ignorância. Ou, virou moda protestar e alguns protestam sem saber nem o que está em voga. Tudo por aqui vira polêmica e todos são os reis do insta e sei lá o que…

Falando em insta, percebi pelos shows globais capitaneados por Lady Gaga, que os grandes artistas entraram na onda e mostraram que o momento não é de grandes produções, maquiagens e oba-oba. É tempo de solidariedade e simplicidade, em que a ostentação está “out”, ou seja, fora de tom.

E o ganha-ganha tem que ser honesto, unívoco, sem vencedores ou perdedores, sem lado “a” ou lado “b”. Por isso, menos ostentação até de “ser o certo” ou “bem que eu disse”.

E isso serve pra várias searas da vida. Ostentar, como sempre foi, é jeca. Agora virou pior, é “sem noção” e falta de educação.

E educação é responsabilidade, é postura ética, é atitude coerente. Nunca será bonito não tê-la. Aliás, a única ostentação possível e permitida é a da boa educação, sempre!

Menos ostentação, mais união

Menos ostentação, mais união

439c364a-5d6e-404e-8f51-e248465fcb42

Comentários do Facebook

Comentários do Site

  1. observanatal
    Responder

    Concordo totalmente com você, Bebeto.
    As ignorância somada com a incoerência se destacam mais do que as boas ações, e algumas boas ações são boas, mas pelo resultado final, não pelo método. Atualmente, infelizmente, o que um pé faz é noticiado pelas duas mãos (lembra a Bíblia dizendo que o que uma mão faz a outra não precisa saber?).

    • Bebeto Torres
      Responder

      Você é um(a) craque nas palavras Observanatal!!
      Falou bem… e adorei “o que um pé faz é noticiado pelas mãos”. Pois é, tenho observado tantos constrangimentos de pessoas fazendo doações e expondo quem está recebendo. Isso não precisa. Ajude de coração e deixe a vida retribuir.
      Abraço, obrigado,
      Bebeto

Deixe um comentário