Muito mais claro do que antes: casos Covid-19 mergulham nos EUA

 

9F7FF29D-8F77-4316-AD86-A4E0781DACC3
Testes para COVID-19, grátis, em Nova Iorque

Fonte: Zachary Stieber para o  The Epoch Times, em 18 de janeiro de 2022


A contagem de casos de COVID-19 caiu nos Estados Unidos nos últimos dias, alimentando o otimismo de que a onda Ômicron está diminuindo.

Trinta e quatro estados registraram uma diminuição nos casos nos últimos dias, sem incluir os estados que relataram uma queda de um dia, de acordo com uma análise do Epoch Times.

Isso inclui alguns dos estados que viram enormes aumentos alimentados pela Ômicron, incluindo Nova York, Califórnia e Flórida.

Os estados de todas as regiões do país relataram menos casos e um número menor também viu um número menor de pessoas internadas em hospitais com ou para COVID-19.

A variante Ômicron é mais transmissível do que a Delta, que dominou os Estados Unidos durante meses no ano passado.  No entanto, causa uma porcentagem menor de casos que requerem cuidados hospitalares ou levam ao óbito.

Os estados viram um aumento significativo nos testes positivos com o surgimento da Ômicron no final do ano passado, em parte porque as vacinas COVID-19 fornecem pouca proteção contra a infecção da cepa.

Os casos em Nova York ultrapassaram 90.000 em 7 de janeiro, mas desde então caíram acentuadamente, atingindo 26.772 nesta segunda-feira.

As internações atribuídas ao COVID-19 também diminuíram nos estados do nordeste nos últimos dias.

A governadora Kathy Hochul, democrata, teme que as internações hospitalares possam voltar em um futuro próximo, “mas, no geral, o prognóstico, a previsão, para o COVID é muito mais brilhante do que antes”.

“As nuvens do COVID estão se dissipando”, disse ela a repórteres em Latham na semana passada.

No Alabama, os casos caíram de mais de 14.000 em 10 de janeiro para menos de 10.000 nos últimos dias.

No geral, o número de novos casos em todo o país caiu de 1,3 milhão em 10 de janeiro para cerca de 800.000 nos dias seguintes, de acordo com dados relatados pelos estados aos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Autoridades de saúde dos EUA disseram que a queda nos casos pode ocorrer rapidamente, semelhante às quedas observadas na África do Sul e em outros países que lidaram com ondas anteriores de Ômicron.

Embora a nova variante leve a uma porcentagem menor de hospitalizações, especialistas expressaram preocupação de que o aumento de casos possa levar à sobrecarga de hospitais, que já estão lutando com a escassez de pessoal e menos leitos do que há vários anos.

Além disso, as vacinas que se mostraram eficazes contra infecções e doenças graves de variantes anteriores, pararam de funcionar tão bem contra o Delta e são ainda menos eficazes contra o Ômicron, particularmente contra infecções, mostram estudos.

Mesmo um segundo reforço da injeção da Pfizer não é suficiente para proteger contra a infecção por Ômicron, disseram cientistas israelenses nesta semana, após dados iniciais que indicavam que um reforço inicial da injeção da Moderna durou apenas algumas semanas antes de cair.

Os regimes de vacinas primárias resistiram um pouco a doenças graves e, em muitas áreas, mais pacientes hospitalizados não vacinados que vacinados, levando as autoridades a pedir às pessoas que sejam vacinadas e recebam doses de reforço.

Com base nos dados de hospitalização, as autoridades da Califórnia disseram que entre 20 de dezembro e 26 de dezembro de 2021, as pessoas não vacinadas tinham 8 vezes mais chances de serem hospitalizadas com COVID-19 do que as pessoas totalmente vacinadas.

Por outro lado, o número de pacientes vacinados continua a aumentar em vários locais.

Em Massachusetts, por exemplo, onde os casos diminuíram, mas as hospitalizações não, 48% dos 3.223 pacientes com COVID-19 nos hospitais em 13 de janeiro estavam totalmente vacinados quando contraíram a doença, de acordo com o Departamento de Saúde Pública do estado.

TL Comenta:

Com um percentual de testes pequeno, elevada subnotificação e as consequência do apagão de dados no Ministério da Saúde, é quase impossível saber em que ponto encontra-se a curva brasileira de contaminação pela cepa Ômicron.

Por isso tudo, é bom mantermos um olho nos Estados Unidos e outro na África do Sul.

Domicio Arruda

Aprendiz de Cronista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.