TQ IPOJUCA PERNAMBUCO VAZAMENTO ÓLEO 25.10.2019 METRÓPOLE ESPECIAL EXCLUSIVO EMBARGADO VAZAMENTO ÓLEO Grupo de rapazes que trabalham em restaurantes de beira mar da Praia realizam coleta do material tóxico. Todos sem os devidos equipamentos de proteção e expondo-se aos efeitos nocivos da substância. Mergulhadores profissionais e amadores retiram óleo incrustrado em meio a corais e pedras da Praia de Pontal do Cupe, no Município de Porto de Galinhas, na cidade de Ipojuca. Local é importante fonte de renda para diversas famílias que atendem centenas de turistas todos os dias. FOTO TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Quando tudo parece mais claro, eis que surge mais uma linha de investigação.

É o que divulga o Estado de São Paulo deste sábado…

Estudos realizados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que a origem do derramamento de petróleo no litoral brasileiro estaria a milhares de quilômetros da costa do País. Mais precisamente as avaliações indicam que o óleo teria se deslocado da região sul do mar da África, em abril, até chegar à costa brasileira, em setembro.

Essa hipótese refuta completamente a linha mais recente de investigações divulgadas pela Marinha e pela Polícia Federal, que apontaram, como principal suspeito da tragédia, o navio Bouboulina, da empresa grega Delta Tankers. No início de novembro, o Ministério da Defesa, a Marinha e a PF declararam que, por meio de geointeligência, haviam identificado uma imagem de satélite do dia 29 de julho relacionada a uma mancha de óleo a 733,2 quilômetros da costa brasileira, na região leste do Estado da Paraíba. De um dia para o outro, essa mancha teria aparecido, na região por onde o navio passava.

A Delta Tankers negou qualquer tipo de incidente com a embarcação e se prontificou a auxiliar nas investigações. Nesta semana, a Marinha evitou falar sobre o assunto em audiência na CPI do Óleo, instalada na Câmara dos Deputados.

A nova hipótese de que o local de origem seria o mar na região sul da África é detalhada por Ronald Buss de Souza, pesquisador do Inpe que atua no Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA) da crise do óleo. Oceanógrafo, Souza é chefe de gabinete e diretor substituto do Inpe. Segundo o especialista, modelos estatísticos que levam em consideração situações tecnicamente reconhecidas sobre as correntes marítimas, vento e ondas indicam que o óleo, que efetivamente chegou ao litoral de forma submersa, teria como origem a região sul da África. O pesquisador, no entanto, não detalhou se seria um acidente com embarcações ou um vazamento.

Material pode estar estocado no fundo do oceano

O Inpe considera ainda que, apesar de não terem surgido novas manchas no litoral brasileiro, há chances de que parte do óleo ainda possa estar estocado no fundo do mar, preso a sedimentos. “A gente tem uma hipótese principal de que esse derrame aconteceu a partir de abril deste ano, e as manchas só chegaram ao País, em subsuperfície, de maneira difícil de ser detectada através de imagem de satélite, em setembro”, comentou Ronald Buss de Souza, que participou da reunião da CPI do Óleo, na quarta-feira.

A Marinha tem reafirmado que o óleo seria uma mistura de petróleo com origem em poços da Venezuela. Passados mais de cem dias desde a primeira ocorrência do derramamento no litoral da Paraíba, em 30 de agosto, uma faixa de 3,6 mil quilômetros do litoral já foi atingida pelo óleo. São 942 localidades de 129 municípios nas Regiões Nordeste e Sudeste. O levantamento das ações feitas por Marinha, Ibama e demais órgãos que atuam na retirada do petróleo cru aponta que 5 mil toneladas de óleo já foram coletadas.

Comentários do Facebook

Comentários do Site

  1. observanatal
    Responder

    Resumo: Ninguém sabe de nada, e o Governo não se entende com as diversas instituições.
    A única certeza é que Bolsonaro e seus fãs adoram uma Fake news, como foi acusar a Venezuela. Precisam de tratamento urgente, já que essa mania de perseguição não vai acabar bem.

Deixe um comentário