O 3×4 dessa semana é com o artista plástico Fernando Gurgel.

Educado como é, Fernando é filho do folclorista, poeta e historiador potiguar Deífilo Gurgel, o qual já fora homenageado pelo filho na sua “Exposição Devotos”, no final de 2016.

Super querido no meio artístico, há anos vem produzindo belas obras de arte, com trabalhos dispostos em muitas casas bacanas da cidade.

Quem tiver interesse na sua arte e desejar contatá-lo é só ir no insta @atelierfernandogurgel que lá poderá apreciar alguns trabalhos, como os que apresento abaixo.

3af544ad-e018-468e-b81d-f61f6003f83c be941d30-5003-4f4e-8e52-09abb7ea2774 4cb50d53-c1fb-4d23-9c71-e7a61be0cfa1

A seguir o 3×4 de Fernando Gurgel

Fernando Gurgel no seu Ateliê, no Tirol

Fernando Gurgel no seu Ateliê, no Tirol

 

Arte… Um exercício de muito prazer. Dialogar através da imagem, com o que está fora e dentro de mim.

Influências… Ismael Nery, David Hockney, Escher. Hoje são referências.

Projetos… Poder realizar diariamente o que mais gosto de fazer, arte. Para mim isso já é um projeto de vida. De concreto, uma individual ano que vem .

Saúde… Um patrimônio. Especialmente em dias tão duros, iguais aos que estamos vivendo.

Paz… Deitar, relaxar, dormir… sem sobressaltos.

Amor… Família.

Sonho… No momento, ver chegar o fim dessa pandemia, que nos assusta tanto.

Família… Energia amorosa que nos une, uns aos outros, e ao passado, ao presente, ao futuro.

Amizade… São poucas, porém sólidas.

Boa conversa… Com o meu amigo Manoel Onofre. Papo leve, variado, dinâmico.

Uma recordação… Do meu pai. Misto de saudade e recordação.

Uma realização… Minha última mostra individual “Devotos” (Galeria Conviv’art , UFRN), dedicada ao meu pai, Deífilo Gurgel, grande estudioso do nosso folclore.

Uma inspiração… O espaço urbano, em especial seu traço arquitetônico.

Um restaurante… Santa Maria.

Um prato… Do mesmo Santa Maria, o bacalhau à lagareiro. No mais, todos os pratos preparados pela minha mãe, Zoraide, exímia cozinheira.

Um livro… Criatividade e processos de criação – Fayga Ostrower.

Uma viagem… Alemanha, 1991. Primeira vez que pude apresentar a minha arte no exterior. Experiência marcante, encanto, ensinamentos valiosos.

Um lugar… Meu atelier. Nesse espaço eu experimento, pesquiso, me renovo. E produzo!

439c364a-5d6e-404e-8f51-e248465fcb42

Comentários do Facebook

Deixe um comentário