D3F41BAD-451F-4E5E-89F0-062D7332570FUma censura do santo ofício, levou o pai da ciência moderna a passar o resto dos seus dias em prisão domiciliar. E só vir  a receber a absolvição papal, mais de 350 anos depois da sua morte.

Tudo porque tentava provar uma teoria formulada há mais de um século. Que a terra girava em volta do sol.

Os geocentristas, vitoriosos à época, sobrevivem e até vão além. Juram de pés juntos que acreditam que nossa pachamama é plana.  Alguns até indicam ministros. De mentalidades igualmente chãs.

Ao rigor do conhecimento astrofísico atual, o sol não só não é o centro do universo, como somente uma estrela de quinta grandeza, um minúsculo pontinho brilhante na imensidão da via láctea. Que é outro pontinho brilhante não se sabe bem do quê. Nem de onde.

O mundo do genial Copérnico continua girando.

Na Mata do Fundão a onça macho, de pelo branco e manchas amarronzadas, destemida e solidária com os amigos, enfrenta os  perigos da floresta tropical, usando da astúcia para sempre escapar das armadilhas e afastar o predador  bicho-homem, para longe.

O mundo do genial Ziraldo continua girando.

Quem se aventura na blogosfera também está sujeito a incompreensões e ameaças.

O salvatério é receber a crítica, fazer a própria e corrigir o que preciso for.

Comentários  e reparos nas postagens das redes sociais são sempre bem-vindos.                                E correções de rotas, bem-idas.

Considerações sobre fatos do conhecimento público e o convite ao leitor para, diariamente, reservar,  no máximo, dois minutos do preciosíssimo tempo para pensar  sobre eles, é a proposta.

Um momento das nossas vidas. Comum e único.

O maior desafio é conquistar para este pedaço de tela quem tem, na ponta dos dedos, infinitos outros apelos, interesses e opções.

E fazê-lo chegar ao término, com um gostinho de quero mais.

Nem sempre é possível.

Eventual leitor rankeia estes textículos como mais ou menos. ‘Prolixos, se alongam demais’. E confessa não conseguir chegar até o fim  destas mal digitadas 90 linhas de iPhone.

Há também os que  não entendem que se gaste um mísero byte sequer, abastecendo os neurônios que usamos por aqui.

Eu e você, leitor,  que acabamos de nos encontrar há meros 1,5 minutos.

Assim é a vida.

0EF36908-4818-40E6-A903-BC8E0357D8BCO Galilei foi condenado em Roma. Incompreendido.

Quem sabe, não consigo um dia pegar o outro Galileu. Bicho do mato.

Solto na selva cibernética, avistado por essas capoeiras, do Agreste a Caicó e fazê-lo leitor desta nesga de Território Livre.

Comentários do Facebook

Deixe um comentário