mesa-rectangular

Por Maria Cristina Fernandes do Valor 

Grupos de WhatsApp de grandes empresários e investidores amanheceram indignados nesta quinta-feira com a percepção vigente sobre o jantar promovido na noite de ontem por Washington Cinel, dono da empresa de segurança Gocil, ao presidente Jair Bolsonaro.

A avaliação é de que o Palácio do Planalto quis passar a percepção – e foi bem sucedido – de que o Bolsonaro tem apoio na elite econômica do país quando, na verdade, juntou um punhado de empresários e banqueiros que responde a um dos critérios ou a ambos: são do núcleo duro do bolsonarismo e estão sempre a assediar o presidente de plantão.

A posição do grande empresariado e da grande finança estaria bem mais refletida, na visão deste interlocutor, em iniciativas como a Coalizão Brasil, a Concertação pela Amazônia ou mesmo o apoio ao manifesto dos economistas por saídas para a pandemia, que reúne CEOs de grupos como Itaú, Klabin, Gerdau, Amaggi, Natura, Ambev, Gávea, Marfrig e Amaggi.

A tentativa do presidente da República de ressuscitar o antipetismo para fisgar de volta o apoio empresarial perdido, diz este interlocutor, tampouco surtirá efeito.

Entre aqueles que, de fato, ditam os rumos da economia nacional, este discurso não adiciona um único voto no presidente da República em 2022. Uma parte deles reconhece que se o PT estivesse no poder o país não teria afundado tanto e a grande maioria recebe esse discurso do presidente da República como um estímulo redobrado para a busca por uma terceira via.

A presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, tampouco os sensibilizou.

A tentativa de Bolsonaro de mostrar que seu ministro da Economia está prestigiado não surte mais efeito. Guedes atualmente é visto como ministro de um país imaginário onde todos gostariam de viver mas que, infelizmente, ninguém acredita que exista.

Apesar do incômodo gerado pelo jantar, cuja divulgação teve o empenho pessoal de ministros palacianos, de que há uma divisão na elite econômica, não haverá mobilizações adicionais para mostrar o azedume com este governo.

E o principal motivo é a pandemia. Os CEOs críticos ao bolsonarismo estão recolhidos em suas casas porque temem aquilo  que o presidente despreza, a agressividade da covid-19.

Cresce, porém, neste grupo, a percepção de que Bolsonaro, no limite, chegará a 2022.

Comentários do Site

  1. Araujo
    Responder

    Os envolvidos nos anos de corrupção do PT (Governo Corrupto), com certeza são contra o combate a corrupção. Hoje os corruptt estão justos e misturados.

  2. José Barros
    Responder

    Lembrei-me da Santa Ceia, quando Jesus foi traído por Judas Isariotes. Se naquele tempo a traição já existia, que dirá no momento atual.

  3. observanatal
    Responder

    Acho até engraçado as pessoas quem falam em combate à corrupção achando que a corrupção acabou quando o PT saiu do poder.

    Família Bolsonaro cheia de conversas mal contadas, muito mal contadas.

    Já o empresariado apoia de forma prática, de forma que leve alguma vantagem. Tem tempo para 2022. Só acho que as pessoas não enxergam outros nomes da direita para o lugar de Bolsonaro.

Deixe um comentário