PANDEMIA REDUZ CRIMES

B3B4A593-F2C5-4AF1-A2BF-F2E55DBA641C
Kevin Hagen


Um ponto brilhante na pandemia: em muitos lugares, menos crimes.

Por Neil MacFarquhar e Serge F. Kovaleski, para o The New York Times em 26 de maio de 2020.

A ausência de pessoas ao ar livre produziu uma rara recompensa positiva para as cidades americanas, grandes e pequenas.

Na maioria delas houve uma queda acentuada nos principais crimes durante a pandemia de coronavírus.

A história indica que tempos difíceis geralmente reduzem o crime.  Chicago mostrou uma queda acentuada nos assassinatos em 1918, quando os EUA enfrentaram a gripe espanhola.  Após 293 assassinatos na cidade em 1917, o número caiu para 260 em 1918, antes de subir para 345 no ano seguinte.

As taxas de criminalidade caíram da mesma forma durante a Grande Depressão que começou em 1929, bem como durante a recessão de 2008-9.

Isso contraria a percepção comum de que, à medida que a miséria se espalha, as taxas de criminalidade devem subir.

“Quando houver menos vítimas em potencial nas ruas, haverá poucos crimes em potencial, independentemente do aumento do nível de sofrimento econômico ou miséria”, diz o Dr. Richard Rosenfeld,  professor de Criminologia da Universidade de Missouri.

A maioria dos crimes graves na cidade de Nova York caiu 21% em relação ao mesmo período do ano passado, embora os assassinatos não tenham mudado, os assaltos tenham aumentado e os roubos de carros tenham saltado quase 68%.

TL comenta:

No noticiário local, a pauta quase toda ocupada pela Covid-19, sugere que a criminalidade tem diminuído   pelos mesmos motivos dos americanos.

Domicio Arruda

Aprendiz de Cronista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.