A primeira  biografia de Luiz Inácio Lula da Silva já está em pré-venda.

Indiscutivelmente,  Lula está entre as maiores figuras políticas da história brasileira. Único presidente do país com origens operárias.

Desde 2011, Fernando Morais ganhou acesso direto, franco e frequente a Lula. A essas dezenas de horas de depoimentos, somou o faro de repórter e a prosa cativante para compor projeto biográfico.

No primeiro volume vai da infância de até o anulamento de suas condenações, em 2021 ― passando pelo novo sindicalismo, as greves do ABC, a fundação do PT e a primeira campanha eleitoral. 

Abaixo, leia um trecho exclusivo do livro disponibilizado pelo blog da Companhia das Letras.

img_4281.jpg

***

Numa sala reservada, um médico pediu ao ex-presidente que se despisse para que fosse realizado o exame de corpo de delito exigido por lei. Vinte minutos depois de chegar à pf, Lula já estava no helicóptero Bell 412 da corporação que o levaria a Congonhas, cujo espaço aéreo, tal como fora acertado, tinha sido fechado para pousos, decolagens e sobrevoos de helicópteros civis. Junto com ele embarcaram Zanin, Sigmaringa, delegados e agentes da Federal.

No aeroporto paulistano, um incidente quase encrespou a operação. Ao contrário dos colegas, sempre respeitosos com o ex-presidente e seus advogados, o mal-encarado delegado Jackson Rimac Rosales Allanic, de traços faciais indígenas, chefe do caop (Comando de Aviação Operacional da pf), se dirigiu de maneira áspera a Zanin:

— Vamos ter que algemar o presidente.

Pela primeira vez viu-se o afável Cristiano Zanin elevar o tom de voz e responder com dureza:

— Nada disso! Não, senhor! Algemado ele não embarca. O senhor está violando o mandado de prisão, que veda expressamente a utilização de algemas em qualquer hipótese. Algemado o presidente não embarca.

O policial perdeu a parada, mas não a pose:

— Então levarei as algemas comigo durante o voo. Se for necessário elas serão utilizadas.

Zanin foi seco:

— Isso não será necessário, não acontecerá.

[…]

— Fiquem tranquilos, eu não vou me suicidar. Ainda tenho muita coisa a fazer pelo Brasil. 

 

Deixe um comentário