17BC866A-5CF9-4469-9564-34923ED11FCF

Água de morro a baixo, fogo de morro a cima e urna eletrônica (quando não é hackeada), ninguém segura.

O segundo turno das eleições municipais estava meio borocoxô e de repente, os institutos de pesquisas começaram a fazer as curvas de intenção de voto, com emoção.

Os dois mais ex-conceituados, na rede de TV ainda campeã de audiência, passaram a mostrar viradas mirabolantes e empates técnicos eletrizantes, até a boquinha da urna.

Foi um alvoroço como nunca mais visto nas hostes esquerdistas.

Os bons tempos estavam de volta.

Artistas saudosos dos palcos, entediados com tantas lives  que ninguém assiste mais, desembainharam seus violões e tome loas e hinos para os candidatos queridinhos.

O isolamento social, retomado às custas do medo da segunda onda, passou a ser animado pelas disputas em cidades distantes, longe dos interesses locais.

A curta campanha de duas semanas não permitiu acirramentos de ânimos que pudessem atrapalhar as festas familiares de fim-de-ano,  na dupla trégua do lockdown.

Não houve tempo nem de postar reclamações sobre atrasos, e os números já borbulhavam.

Sem frisson, a decepção era indisfarçável no semblante dos analistas políticos das bancadas de debatedores de um lado só.

Depois das declarações de praxe, vencedores, esquecidos os xingamentos e estocadas, ofereceram trégua e o espírito de unidade, em favor das cidades.

Perdedores agradeceram  os apoios, já de olho nas próximas eleições e nos votos dos decepcionados do dia.

Assuntos logo esgotados. Na etapa seguinte, as explicações abalizadas.

Procissão dos devotos das santas pesquisas.

Raciocínios baseados em resultados parciais no acompanhamento das campanhas, nunca postos em dúvida, como verdades absolutas. Mesmo depois do grande erro final.

Só faltou alguém dizer que as pesquisas estavam certas e o que avançou muito além das margens de erro, foi o TSE.

Felipe Neto, o mais festejado cientista político, queridinho da mídia,  postou, em português, que o descompasso deveu-se ao eleitor.

Sempre ele, o culpado.

Para o  maior influencer da juventude brasileira, eleitores da direita  têm vergonha de responder em quem pretendem votar.

Não fosse o analista tão modernoso, era de se pensar que advoga o voto a descoberto.

Ouvido pelo blog, com a garantia do anonimato, o CEO de uma empresa de sondagens de opinião e inquéritos estatísticos, com sede em Morro Branco, fez revelações inéditas.

Nossa instituição este ano deixou de publicar seus levantamentos por ter identificado um segmento da população nunca antes detectado.

Ainda sem quantitativos, há um grande número de pessoas que respondem as enquetes com o objetivo de alterar os resultados.

Os vícios só revelados na totalização oficial, sofrem forte influência dos anarco-pesquisados.

Esses piratas declaram  o contrário da real intenção  para o dia da eleição.

Quem haverá de acertar, se os eleitores do zureiúdo mijão dizem que votam na prima, o djabo lôro?

D65796BF-499A-4283-BF3B-12312D1DE479

 

Deixe um comentário