Antes que o Supremo Tribunal Federal se torne, mais uma vez,  o vilão geral da República, que “tudo se mete”, é importante se contextualizar – e saber – que o pedido de CPI da Covid só atravessa a rua, saindo do Poder Legislativo porque o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM) não quis cumprir seu papel.

Está na Constituição, um terço dos Senadores tem legitimidade para instalar uma CPI na Casa, mas para isso o presidente  precisa autorizar.

Empurrar com a barriga não foi solução e os Senadores tiveram que pedir a interferência do Judiciário. A Constituição prevê e a história recente confirma casos semelhantes.

Não se trata de um complô contra o Governo do Presidente Bolsonaro.

Mesmo assim, a solução possível não agradou nem mesmo os que assinaram a CPI.

É o caso do senador Jean Paul Prates (PT), líder da Minoria:

“Decisão do Ministro Luís Roberto Barroso garante a instalação da CPI da Covid-19.

É lamentável que o Congresso dependa de uma decisão do Judiciário para garantir o direito da minoria.

É urgente que se apurem as ações e omissões do governo no enfrentamento da pandemia”, afirmou.

Agora, é aguardar para a poeira sair debaixo do tapete e o Brasil saber quanto se gastou com compra de hidroxicloroquina, por que faltou oxigênio em Manaus ou se o Governo Federal teve chances de iniciar a vacinação no mesmo momento de outros países. .

Comentários do Site

  1. PedroArtur
    Responder

    Todos sabemos que essa e outras CPI eh mais um palanque para esses politicos sem moral , como sempre eles usam o palanque e nao resolvem nada , so conversa para boi dormir.

Deixe um comentário