TRABALHO À DISTÂNCIA

C13DF949-59ED-4A9A-B60A-943D9441551B

Quem devolveu o touro que o cunhado havia emprestado para melhorar a genética do plantel,  por razões de hierarquia, é fonte de outras estórias deliciosas que de vez  em quando são lembradas.

De família tradicional, vivia do trabalho e da administração da fazenda, recebida de herança.

A atividade agropastoril não era diferente da que faziam os antepassados.

Mesmo assim, implantou suas regras. Entre elas, uma pétrea.

Naqueles lajedos ninguém nem animal algum podia fornicar mais que o feliz proprietário. Sem exceções. Incluídos, reprodutores visitantes.

No mais, as costumeiras relações trabalhistas  de sempre.

Mão de obra abundante e na diária, dependente do senhor das terras e patrão.

Culturas de subsistência mantendo a fidelidade e a conga. Na meia, a produtividade.

Com a vida mansa, maior tempo na cidade, quem iria querer a solidão do campo?

O terreno acidentado e pedregoso, inservível para a cultivo do ouro branco que fazia a riqueza de quem plantava  nos baixios e pés-de-serra e o clima menos árido, faziam da propriedade, um pomar.

Os netos haveriam de anos mais pra frente, explorar a beleza do lugar. Quem sabe, o progresso não traria turistas para um belo de um hotel e até o interesse dos que  sonhariam com um chalé pra desfrutar das noites frias e tardes frescas das franjas da Borborema.

Com a emancipação do novo município, mesmo sem procurar nem disputar votos, teve  a vocação política despertada.

Foi o primeiro prefeito provisório. Nomeado, implantou a organização da nova cidade e ganhou fama de bom administrador.

Entusiasta das modernas tecnologias, hoje estaria empregando no agrobusiness, as ferramentas gerenciais  mais modernas e as melhores práticas.

Para a  topografia acidentada, encontrou no possante binóculo o instrumento ideal para supervisionar, do alpendre, os trabalhadores sob o sol inclemente.

Será que  tenha imaginado que ainda haveriam de empregar pequenos objetos voadores para olhar os pontos cegos ao inseparável Zeiss?

Na  pequena metrópole, desfilava impecável Jeep. E a  elegância das roupas de linho engomado e o charme do ray-ban de piloto de avião.

Frequentava os melhores papos e  os assuntos que pouco mudavam.

Preparativos para as próximas festas, discussões políticas e do futebol.

Que tanto fazia PSD X UDN, como União contra o Bastião.

Na fé coletiva que o inverno que mal começava ia ser de afogar sapo, as experiências dos cientistas já vinham aparecendo desde a barra do ano novo, era o que todos estavam comentando na roda,  na calçada da Farmácia Santa Terezinha.

Menos com a concordância de quem para surpresa dos amigos, confessou não gostar de tempo chuvoso pras bandas da propriedade.

No inverno, pouco vou à fazenda.

   A lama suja muito o carro.

38A6B7D4-7C9B-4C88-8B87-6EC1B10E1B42

Domicio Arruda

Aprendiz de Cronista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.