480117D6-3AAB-44EF-B4F7-A85A43976AFB

Fonte: Rukmini Callimachi para o The New York Times, 22.05.2021

Em mais de 400 faculdades e universidades americanas , está sendo cobrado como a passagem para um ano normal no campus, que todos os alunos sejam vacinados contra o coronavírus antes que possam se matricular no próximo outono.

De uma só universidade em março para uma dúzia na primeira semana de abril, o movimento se tornou uma maré no mês passado – dependendo apenas de onde os alunos estão frequentando a escola.

Em uma nação dividida, as exigências de vacinas universitárias seguem principalmente linhas de preferências políticas familiares.

Neste fim de semana, apenas 34, cerca de 8 por cento,  estão em estados que votaram em Donald Trump, de acordo com um rastreador criado pelo The Chronicle of Higher Education.

Nove delas foram adicionadas na sexta-feira, quando a Universidade de Indiana e seus campi satélites se tornaram das raras universidades públicas em um estado controlado pelos republicanos a exigir vacinas.

Embora os 400 campi representem apenas cerca de 10% das 4.000 faculdades e universidades do país, os especialistas dizem que a diferença política deve persistir.

Com muitas faculdades enfrentando queda nas matrículas e pressão financeira, a decisão de exigir a vacinação pode ter consequências enormes.

Particularmente em estados controlados pelos republicanos, os presidentes de faculdades estão pesando uma equação delicada.

Parte segurança, parte política, parte pressão dos pares e parte interesse próprio econômico.

TL Comenta:

No Brasil, na hora de chegar o deltóide pra seringa da vacina, as diferenças partidárias desaparecem.

Aqui a toada não muda o ritmo:

Cloroquina…cloroquina…

Deixe um comentário