Quem assistiu a entrevista do Presidente Jair Bolsonaro ontem à noite no cercadinho em frente ao Alvorada, com direito ao casaco Ralph Lauren presenteado pelo “empresário sem CNPJ” Paulo Marinho viu que o semblante era de euforia, de entusiasmo . Mais.  Parecia uma prorrogação da polêmica reunião ministerial. Alivio.

Tudo isso talvez porque o animal político Bolsonaro percebeu que a divulgação não impactou seu exército incondicional. Pelo contrário; levantou a galera. Os palavrões, agressões e promessas de armamento geral soam como música clássica ao ouvidos bolsonaristas.

Outro fato a ser observado da frustração da divulgação do video é que não trouxe nada mais absurdo do que já havia sido conhecido.

Os ataques do Ministro da Educação ao STF, a frase da interferência na Polícia do Rio de Janeiro para não f$#%@ familiares e amigos e as estocadas diretas em quem não veste a camisa do Governo. Quem? principalmente o então Ministro Moro.

Ontem, nesse bate-papo do cercadinho , Bolsonaro voltou a fazer apologia ao uso de cloroquina, mesmo assumindo saber da inexistência de comprovação científica. Chegou a dizer que daria a própria mãe, de 93 anos.

Respondeu críticas sobre os militares que nomeou para o  Ministério da Saúde e disse que vai nomear mais 30 s precisar, p@#$%.

Eu sou um ferrado financeiramente, um f@#$%& financeiramente. 

Identificação, mas uma vez, em modo máximo. E que “ninguém vai pegar no seu telefone”.

Sobre a fala lamentável do Ministro do Meio Ambiente e na vontade de aprovar medidas anti-ecológicas, enquanto a mídia está mais preocupada com o Coronavírus:

“Estão dizendo agora que estão tocando fogo na Amazônia. Estão tocando  fogo é no rabos dos maus brasileiros, pô”

Mas nesse mesmo cercadinho, na emoção do momento, Bolsonaro falou no aviso prévio que teve de amigos policiais civis e militares do Rio de Janeiro:

 “onde provas seriam plantadas contra mim”.

E isso pode ser algo novo a ser incorporado às investigações. 

A depender do PGR, sempre elogiado por Bolsonaro,  e fatos novos. Por enquanto, ele  segue como dantes; falando (muito) e andando.

Comentários do Site

  1. observanatal
    Responder

    Por isso o Brasil nunca mereceu um monstruoso terremoto, um meteoro gigantesco, uma tsunami… As pessoas precisam aprender assim, levando botinada, perdendo os amigos, familiares, e achando que é seleção natural, que tudo no mundo é conspiração. Nação de perturbados mentais. Não sei se o diabo veste Prada, mas tenho certeza que usa a faixa de presidente do Brasil. Esse Messias é do capeta.

Deixe um comentário