Perguntas & Respostas

29 de maio de 2017 por tnconcursos

Minha dúvida é referente a Lei 12.990/14.

Fiz um concurso para a CODESP (Cia. Docas do Estado de São Paulo), que é empresa de economia mista de âmbito Federal.

O concurso ao todo disponibilizava 29 vagas mais formação de cadastro de reserva.

Fiz para o cargo de Técnico em Segurança do Trabalho, onde este cargo no edital só disponibilizou uma vaga mais cadastro de reserva e nenhuma vaga reservada para negros ou pardos.

Se forem criadas ulteriormente mais duas vagas, totalizando-se assim 3 vagas para Técnico em Segurança do Trabalho, o terceiro a ser convocado tem que ser da lista de negros e pardos (obedecendo-se assim a porcentagem de 20% da Lei nº 12.990/14) ou por se tratar de vagas ulteriores esta lei não se aplica mais?

Saliento que no meu cargo mesmo o edital não reservando vagas para negros e pardos os candidatos poderiam se inscrever em tal condição.

Grato,
Renan Lima

A resposta:

Prezado Renan Lima,

No caso específico, verifica-se que há apenas uma vaga a ser preenchida.

Vale salientar que a reserva de vagas a negros e pardos será aplicada sempre que o número oferecido destas for igual ou superior a três, conforme art. 1º, § 1º, da Lei Federal nº 12.990/2014.

O cálculo da quantidade de vagas para preenchimento pela lista específica se dá a partir do comando previsto no art. 1º, § 2º, da lei em referência. Ou seja, na hipótese de quantitativo fracionado para o número de vagas reservadas a candidatos negros, esse será aumentado para o primeiro número inteiro subsequente, em caso de fração igual ou maior que 0,5 (cinco décimos), ou diminuído para número inteiro imediatamente inferior, em caso de fração menor que 0,5 (cinco décimos).

No caso específico, 20% (20/100 = 0,2) de 3 vagas dá o resultado de 0,6 (seis décimos), aferindo que haverá uma vaga para negros e pardos. O cálculo é o seguinte: 3 vagas x 0,2 = 0,6 ≈ 1 vaga.

Assim, caso haja o preenchimento de mais duas vagas a partir do cadastro de reserva, dentro do prazo de validade do certame, uma das vagas seria oriunda da lista de negros e pardos.

Isso é ressalvado até mesmo pela previsão editalícia, pois os candidatos poderiam ser inscrever em tal condição.

Saudações.

Se você tem alguma dúvida relacionada a concurso público manda para gente que o nosso colaborador, Felipe Alves, responde. Os nossos contatos são: tnconcursos@tribunadonorte.com.br ou pode ser pelo Twitter @carlafranri ou @felipealvesdig.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Petrobras oferece 14 vagas de estágio no Rio Grande do Norte

25 de maio de 2017 por tnconcursos

Começam hoje (25) as inscrições para o Programa de Estágio de Estudante Petrobras 2017. No Rio Grande do Norte a Petrobras oferece seis oportunidades, sendo três para nível técnico e 11 para nível superior, as bolsas variam entre R$ 563,63 e R$ 1.646,56.O recrutamento e a seleção serão executados em conjunto com o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) e o prazo final para inscrição é 6 de junho.
“Os estagiários oxigenam os ambientes e contribuem bastante para a companhia. É muito interessante ver que aprendem conosco também. Todos ganham com esse processo”, avalia o gerente executivo de Recursos Humanos, José Luiz Marcusso.

No total, a Petrobras está oferendo 340 oportunidades de estágio para todo o Brasil. Informações mais detalhadas sobre o processo estão disponíveis no edital do processo de recrutamento e seleção na página da Petrobras (www.petrobras.com.br) e na do CIEE (www.ciee.org.br), onde as inscrições podem ser efetuadas.

O processo oferece oportunidades de estágio para diversas formações de níveis médio, técnico e superior, distribuídas pelas unidades da companhia, em várias cidades do país. Os candidatos deverão optar, no ato da inscrição, pela localidade e formação para as quais desejam concorrer, sendo somente possível uma inscrição por CPF.

Seleção e contratação
Todos os candidatos inscritos serão submetidos à prova on line de conhecimentos. A avaliação será composta de 45 questões objetivas, sendo 15 de Língua Portuguesa, 15 de Raciocínio Lógico e 15 de Conhecimentos Gerais. A previsão é que os resultados finais estejam disponíveis nos sites da Petrobras e do CIEE no dia 18/07. Farão parte do cadastro os candidatos aprovados dentro das classificações abrangidas por até 10 vezes o número de oportunidades de estágio oferecidas por localidade e formação.

Carga horária e bolsas
A carga horária do estágio poderá ser de 20 ou 30 horas semanais (condicionado aos requisitos dispostos em cada oportunidade). Confira a tabela abaixo para saber sobre valores de bolsas oferecidas aos estagiários. A Petrobras também fornecerá transporte diário, assim como auxílio alimentação no valor de R$ 550,70 (apenas se não existir restaurante nas instalações da unidade).

Comarca de Nísia Floresta faz seleção para Estagiário de Pós-Graduação remunerada em Direito

23 de maio de 2017 por tnconcursos

A Comarca de Nísia Floresta lançou edital para a realização de processo seletivo para Estagiário de Pós-Graduação remunerada em Direito. Está sendo oferecida uma vaga para uma jornada de estágio é de seis horas diárias e 30 horas semanais. O estagiário receberá mensalmente bolsa-auxílio, atualmente no valor de R$ 1.874,00 mais auxílio-transporte no valor de R$ 127,60.

As inscrições serão realizadas no período de 29/05/2017 a 09/06/2017,presencialmente, no horário de 8h às 14h, na Secretaria da Vara Única da Comarca de Nísia Floresta, localizado à Rua Terezinha Francelino Mendes da Silva, s/n, Conjunto Jessé Freire, Nísia Floresta/RN, CEP 59164-000, tel.: (84) 3277-2735. Ou virtualmente através do seguinte endereço eletrônico: nisiaflorestaselecao@gmail.com

Para se inscrever o candidato deverá:
a) preencher e assinar ficha de inscrição que estará à disposição dos interessados no local da inscrição e no anexo do presente edital;
b) entregar os seguintes documentos:
b.1) fotocópia legível da cédula de identidade e do CPF;
b.2) certidão comprobatória de matrícula em curso de pós-graduação em instituição de ensino
superior regularmente credenciada no Ministério da Educação;
b.3) currículo contendo eventuais estágios já realizados e outras experiências acadêmicas ou
profissionais, acompanhado de declarações e certidões comprobatórias, se for o caso.

A seleção dos candidatos inscritos será realizada mediante prova discursiva, de caráter eliminatório e classificatório; entrevista em que se analisará exclusivamente a aptidão do candidato para a vaga, conforme as demandas da unidade e o perfil acadêmico desejado, de caráter eliminatório, examinando-se,ainda, o Currículo do Candidato

A prova discursiva será realizada no dia 28 de junho, em dois horários, e consistirá em elaboração de uma sentença cível e uma sentença criminal. Pela manhã, a partir das 8h, será a elaboração da sentença cívil. E a tarde, a partir das 14h, será a elaboração da sentença criminal. A Prova discursiva será realizada na sede da Escola da Magistratura do Rio Grande do Norte (ESMARN), localizada na Rua Promotor Manoel Alves Pessoa Neto, 1000 – Candelária. O candidato deve comparecer ao local indicado com antecedência mínima de 30 minutos do início da prova.

O estágio terá duração máxima de um ano, prorrogável ppelo mesmo período, desde
que comprovado o vínculo com a entidade de ensino, nos termos do art. 15 da Resolução nº 10/2017-TJ, de 22 de fevereiro de 2017.

Perguntas & Respostas

22 de maio de 2017 por tnconcursos

Olá, me chamo Allyson.

Meu caso é o seguinte. Fiz o concurso da Assembleia Legislativa do RN em 2013 e passei fora do número de vagas constante no edital.

Porém, depois de algumas nomeações, já há uma grande quantidade de aprovados nomeados desistentes, além de alguns que tomaram posse e logo após pediram exoneração.

Quando consultada sobre se haverá nomeações para suprir os cargos não ocupados por desistentes, a resposta da Assembleia foi negativa e a justificativa é que o edital não previu esse possibilidade.

Gostaria de saber se esse posicionamento por parte do órgão está correto e se os candidatos aprovados fora do número de vagas passam a ter direito à nomeação, visto que os cargos previstos permanecem vagos.

P.S: Agora, gostaria de ser mais específico ao meu caso, caso não haja interesse ou possibilidade de publicar o conteúdo abaixo, por se tornar longo ou muito específico, o questionamento anterior será suficiente.

Especificamente no meu caso, passei na posição 56º de 40 vagas e existem 14 desistentes/exonerações dentro do número de vagas de forma que seria necessária a nomeação e desistência de mais dois aprovados fora do número de vagas.

Porém, eu já tenho conhecimento de duas pessoas que não irão assumir o cargo. Eu poderia pleitear a vaga na Justiça somando os 14 + 2 desistentes que ainda não foram nomeados (por meio de termo desistência deles, por exemplo)?

Agradeço a atenção.
Allyson Nóbrega.

A resposta:

Prezado Allyson,

Como já registrado nesta página, o Supremo Tribunal Federal (STF) assegura aos candidatos que foram aprovados dentro das vagas previstas no edital do concurso público o direito à nomeação.

Nesse aspecto, quem não foi aprovado dentro das vagas não possui imediatamente esse direito líquido e certo.

Quanto ao caso narrado, verifica-se que você foi aprovado na 56ª colocação do certame, cuja previsão editalícia foi de 40 vagas. Outrossim, alegou-se que houve 14 desistências ou exonerações no prazo de validade do concurso.

Também foi noticiada a possibilidade de mais dois candidatos não assumirem o cargo pleiteado, vislumbrando-se a convocação dos 55º e 56º colocados no exame.

Diante do contexto fático, é imperioso afirmar que houve convocações sem o devido preenchimento dos cargos vagos. Some-se a isso a possibilidade de mais dois candidatos desistirem das suas respectivas posses.

Tais circunstâncias lhe garante o acesso às vagas estabelecidas no edital, pois alcançaria a sua colocação no certame.

Nesse caso, se sua classificação no certame alcançar as vagas estabelecidas no edital, as nomeações pendentes devem obedecer a conclusão do concurso público em seu prazo de validade.

Acerca da matéria sob questionamento, conforme o entendimento do STF (Plenário, Recurso Extraordinário nº 837.311/PI, Relator Ministro Luiz Fux, julgado em 09/12/2015), o direito subjetivo à nomeação do candidato aprovado em concurso público se dá nas seguintes hipóteses:

a) aprovação dentro do número de vagas previsto no edital;
b) preterição na nomeação, por não observância da ordem de classificação;
c) surgimento de novas vagas, ou for aberto novo concurso durante a validade do certame anterior e ocorrer a preterição de candidatos de maneira arbitrária e imotivada por parte da administração.

Dessa forma, considerando as desistências ou exonerações de 14 candidatos, bem como a possibilidade de mais 2 deles também não assumirem o cargo durante o prazo de validade do concurso, os candidatos aprovados fora do número de vagas passariam a ter direito à nomeação, visto que os cargos previstos permaneceriam vagos.

Quanto à sua indagação específica, o pleito judicial seria possível, desde que ocorressem as hipóteses já elencadas pelo STF, inclusive com a consumação da formalização administrativa da desistência dos dois candidatos em referência, a seu tempo e modo.

Saudações.

Se você tem alguma dúvida relacionada a concurso público manda para gente que o nosso colaborador, Felipe Alves, responde. Os nossos contatos são: tnconcursos@tribunadonorte.com.br ou pode ser pelo Twitter @carlafranri ou @felipealvesdig.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Concurso da Marinha: vagas para Contabilidade, Administração e Economia

18 de maio de 2017 por tnconcursos

A Marinha acaba de abrir mais um concurso de nível superior. São 12 vagas para as áreas de Contabilidade, Administração e Economia. Para concorrer a uma das oportunidades do Quadro de Intendentes da Marinha, é preciso ser brasileiro nato, de ambos os sexos, ter curso superior na área pretendida e ter menos de 29 anos no dia 1º de janeiro de 2018. A novidade para este ano é a prova de títulos.

Até o dia 29 de maio, a Marinha inscreve também para o Quadro Técnico do Corpo Auxiliar da Marinha, com oferta de 29 vagas, também de nível superior, nas áreas de Humanas e Exatas, tais como Direito, Comunicação Social, Informática, Educação Física, Serviço Social, entre outras.

As inscrições para os dois concursos podem ser feitas, preferencialmente, no site da Diretoria de Ensino da Marinha (DEnsM) ingressonamarinha.mar.mil.br ou em uma das Organizações Militares da Marinha, nos endereços listados no Edital, nos dias úteis, das 8h30 às 16h.

As provas são objetivas de conhecimentos profissionais, com 50 questões, além de uma Redação. O candidato poderá baixar provas e gabaritos de concurso anteriores no site da DEnsM.

Aqueles que forem classificados em todas as etapas do processo passarão por um Curso de Formação de Oficiais (CFO), no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW), localizado na Ilha das Enxadas, na cidade do Rio de Janeiro, com duração de 39 semanas.

Após aprovação no CFO, no final de 2018, os militares do Quadro Complementar ocuparão o posto de Segundo-Tenente, com remuneração de cerca de R$ de 9.500,00. Já os candidatos do Quadro Técnico sairão do curso no posto de Primeiro-Tenente, com remuneração de cerca de R$ 10.500,00.

Perguntas & Respostas

15 de maio de 2017 por tnconcursos

Olá, pessoal!

Tenho uma dúvida. Sou de Monte Alto/SP e em uma cidade vizinha aprovaram, antes do concurso, uma lei que criava alguns cargos, dentre eles o de Procurador. Inclusive, criava três vagas para Procurador através de concurso público.

Veio o certame e o edital previa apenas uma vaga para Procurador.

Passei em 3º lugar e pergunto se posso utilizar esta lei em meu favor. Cabe alguma ação a meu favor, por exemplo, um mandado de segurança?

O que posso fazer?

João Pereira

A resposta:

Prezado João,

Como já registrado nesta página, o Supremo Tribunal Federal (STF) assegura aos candidatos que foram aprovados dentro das vagas previstas no edital do concurso público o direito à nomeação.

Nesse aspecto, quem não foi aprovado dentro das vagas não possui imediatamente esse direito líquido e certo.

Quanto ao caso narrado, é necessário verificar a quantidade de cargos vagos e a adequação de seus provimentos ao longo do tempo.

Assim, é imperioso observar o inteiro teor da lei de criação dos cargos em referência. Como se trata de uma lei específica, é possível que haja um dispositivo estabelecendo um prazo mais considerável para o provimento dos cargos vagos, até mesmo diante da disponibilidade orçamentária do município. Outrossim, a lei de criação dos três cargos de Procurador pode decorrer de formalização, restando alguns dos cargos já providos.

Em contrapartida, se a criação dos três cargos vagos é de provimento imediato e a lei entrou em vigor antes do certame, então deve-se corrigir a ilegalidade do edital, com criação de mais duas vagas para o cargo de Procurador ou mesmo os seus provimentos a partir do cadastro de reserva.

E uma das medidas que podem ser adotadas consiste na devida comunicação do fato aos órgãos fiscalizadores quanto ao controle dos atos da Administração Pública, para os devidos fins. No caso, pode-se buscar auxílio ao Ministério Público, por exemplo.

Também poderia ser ajuizada uma ação popular, na sua condição de cidadão, para anular possível ato lesivo ao patrimônio público, consistente na convocação de pessoal dentro dos critérios de legalidade. Esse instrumento é menos usual.

Já quanto à obtenção de seu direito individual à nomeação, há a possibilidade de ser ajuizado um mandado de segurança, devendo ser averiguado se, durante a vigência do concurso, há a existência ou criação de vagas ou mesmo a vacância do respectivo cargo em número que alcance sua classificação. Nesse aspecto, consultar um advogado de sua confiança é uma providência razoável.

Se realmente ficar provado que houve tal preterição, deve-se corrigir a ilegalidade nomeando os candidatos aprovados para as vagas disponíveis, pois a expectativa de direito passa a ser direito líquido e certo diante de tais condições.

Saudações.

Se você tem alguma dúvida relacionada a concurso público manda para gente que o nosso colaborador, Felipe Alves, responde. Os nossos contatos são: tnconcursos@tribunadonorte.com.br ou pode ser pelo Twitter @carlafranri ou @felipealvesdig.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Perguntas & Respostas

24 de abril de 2017 por tnconcursos

Meu nome é Cristiana. Fiz um concurso para professora municipal e passei na classificação geral em 55º. Sou afrodescendente e me declarei assim no ato da inscrição, onde perguntava se eu desejaria concorrer a vaga destinada a afrodescendente.

O problema é que no edital do concurso não consta reserva de vaga para afro e somente para deficiente.

A minha dúvida é a seguinte. Na inscrição desse concurso tinha a opção de assinalar se queria concorrer a vaga para afrodescendente e também na classificação geral estão separados os aprovados (classificação geral, 1º, 2º etc.) e mais embaixo está outra lista de afrodescendentes (1º, 2º etc., e nessa lista estou em 1º lugar). Já convocaram 13 pessoas e não me chamaram; fui conversar na Prefeitura e me disseram que não iam chamar afros porque não consta no edital do concurso reservas de vagas para afrodescendentes.

Questionei então o porquê, pois na inscrição tinha essa opção e também no resultado final da classificação as listas estavam separadas. Não souberam me responder e me pediram pra enviar um requerimento e protocolar na Prefeitura, para que pudessem responder minhas dúvidas.

A cota de reservas para afrodescendentes é obrigatória para os concursos municipais? Não teria que estar no edital esta reserva de vagas? Preciso me informar. Me ajuda, por favor. Tenho ou não direito ?

Obrigada.
Atenciosamente
Cristiana Oliveira

A resposta:

Prezada Cristiana,

A reserva de vagas para candidatos afrodescendentes é uma inovação normativa após a promulgação da Lei Federal nº 12.990/2014.

A referida lei reserva aos negros 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União.

Dessa forma, tal lei não se aplica a concursos públicos de âmbito estadual e municipal.

Alguns editais de certames estaduais ou municipais têm aplicado, por analogia, normas oriundas da referida lei federal, reservando vagas a afrodescendentes.
É necessário se atentar se existe alguma lei estadual ou municipal, conforme o âmbito do concurso, disciplinando reserva de vagas a negros. Caso não haja lei, a previsão editalícia é facultatividade.

Narrou-se que inexiste previsão editalícia nesse concurso público quanto à reserva de vaga a negros. Se não há lei prevendo tal reserva, muito menos edital, então realmente não é obrigatória a convocação de candidatos afrodescendentes a partir de uma lista específica.

Quanto à opção de o interessado se inscrever como afrodescendente, isso pode ter ocorrido em virtude de a comissão organizadora do concurso adotar um modelo único de ficha ou formulário eletrônico de inscrição (o qual já poderia ser aproveitado em certames que previssem a reserva de vagas a negros). Da mesma forma, a disponibilização de duas listas (ampla concorrência e negros) pode decorrer de um modelo padrão de sistema eletrônico de dados dos candidatos, adotado pela comissão organizadora.

De toda forma, é interessante que você requeira esclarecimentos ao ente público, verificando se há lei municipal prevendo reserva de vagas a negros em concurso público desse âmbito e o porquê de ter sido disponibilizada a inscrição com reserva para afrodescendentes, bem como a publicação de duas listas específicas, conforme exposto.

Saudações.

Se você tem alguma dúvida relacionada a concurso público manda para gente que o nosso colaborador, Felipe Alves, responde. Os nossos contatos são: tnconcursos@tribunadonorte.com.br ou pode ser pelo Twitter @carlafranri ou @felipealvesdig.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Marinha está com 239 vagas para nível superior

18 de abril de 2017 por tnconcursos

A Marinha do Brasil publicou nesta terça-feira (18), o Edital do Quadro Técnico do Corpo Auxiliar da Marinha, com oferta de 29 vagas de nível superior nas áreas de Humanas e Exatas, tais como Direito, Comunicação Social, Informática, Educação Física, entre outras. Uma novidade para este ano é a prova de títulos. As inscrições vão de 26 de abril a 29 de maio. A Marinha também está com outras 64 vagas abertas para o Corpo de Engenheiros e 146 para o Corpo de Saúde.

Os três concursos são para ambos os sexos. Para concorrer a uma das vagas, é preciso ser brasileiro, ter menos de 36 anos e curso superior na área pretendida ou estar no ano de conclusão, além de outros requisitos listados em edital.

A inscrição deve ser feita, preferencialmente, no site da Diretoria de Ensino da Marinha (www.ingressonamarinha.mar.mil.br). O valor da inscrição é de R$ 110,00.

Os candidatos farão provas de conhecimentos profissionais e redação. Aqueles que forem aprovados em todas as etapas, farão o Curso de Formação de Oficiais (CFO) no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW), na cidade do Rio de Janeiro, com duração de 39 semanas.

No final de 2018, após ser aprovado no Curso de Formação de Oficiais, o militar será nomeado Oficial da Marinha do Brasil no posto de Primeiro-Tenente e passará a receber remuneração de cerca de R$ 10.500,00.

Perguntas & Respostas

17 de abril de 2017 por tnconcursos

Prezado, Felipe

Estive lendo a coluna “Perguntas & Respostas” do Blog Tribuna do Norte e gostaria de tirar uma dúvida a respeito de um concurso em que fui aprovado na 4ª colocação nas vagas reservadas a pessoa negra.

O concurso é de nível federal e foram ofertadas 9 vagas na ampla concorrência e 3 vagas para negros.

O 9º colocado na ampla concorrência foi o 1º colocado nas vagas reservadas aos negros e eu fui o 4º colocado nas vagas reservadas aos negros.

Neste caso, o candidato que foi o 1º colocado nas vagas reservadas aos negros e o 9º colocado na ampla concorrência deve ser nomeado por qual lista?

O meu raciocínio é que ele deve tomar posse pela lista da ampla concorrência e eu devo ser o 3º negro nomeado. Esse meu raciocínio esta correto?

Desde já agradeço!

Célio Menezes

A resposta:

Prezado Célio Menezes,

A Lei nº 12.990/2014, em seu art. 3º, prevê que os candidatos negros concorrerão concomitantemente à vagas reservadas e às vagas destinadas à ampla concorrência, de acordo com a sua classificação no concurso.

Os candidatos negros aprovados dentro do número de vagas oferecido pela ampla concorrência não serão computados para efeito do preenchimento das vagas reservadas e, em caso de desistência de candidato negro aprovado em vaga reservada, a vaga será preenchida pelo candidato negro posteriormente classificado.

Em síntese: os candidatos negros não concorrem necessariamente às vagas da cota. Eles podem concorrer junto às vagas destinadas à ampla concorrência e isso vai depender da nota que atingirem no certame.

Portanto, no caso concreto, verifica-se que foram oferecidas no concurso 12 vagas, sendo 9 de ampla concorrência e 3 destinadas aos candidatos negros. Como o 1ª colocado na lista de negros atingiu nota no certame suficiente a enquadrá-lo como o 9ª melhor posicionado na lista de ampla concorrência, é a partir dela que será preenchida a vaga. Assim, seu raciocínio está correto e serão convocados os 2º, 3º e 4º da lista de negros no certame, para ocupação das 3 vagas específicas.

Saudações.

Se você tem alguma dúvida relacionada a concurso público manda para gente que o nosso colaborador, Felipe Alves, responde. Os nossos contatos são:tnconcursos@tribunadonorte.com.br ou pode ser pelo Twitter @carlafranri ou @felipealvesdig.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Bacharel em Direito pela UFRN. Pós-Graduação em Direito do Estado e em Ciências Penais pela UNIDERP. Advogado licenciado. Trabalha no Ministério Público do RN.

Funpec abre processo seletivo para nutricionista e psicólogo

11 de abril de 2017 por tnconcursos

A Fundação Norte-Rio-Grandense de Pesquisa e Cultura – Funpec abriu hoje (10), processo seletivo de uma vaga para psicólogo e outra para nutricionista. A atuação será em projeto acadêmico gerenciado pela Fundação. Salários são de R$ 1.685,43 e R$ 3.370,85.

Para o cargo de psicólogo é oferecido o salário mensal de R$ 1.685,43, por 20 horas semanais. Os candidatos à vaga deverão ter nível superior completo em psicologia e experiência comprovada de, no mínimo seis meses, em psicologia organizacional e do trabalho. Para o cargo de nutricionista, o candidato precisa ter nível superior completo em nutrição e experiência comprovada de, no mínimo seis meses, na área. O salário é de R$ 3.370,85 com carga horária de 40 horas semanais.

As inscrições vão até o dia 12 de abril e são feitas, gratuitamente, no site da Funpec – www.funpec.br. Lá constam o edital de seleção e o formulário de inscrição. O processo seletivo será realizado em duas etapas: análise de currículo e entrevista técnica. O resultado final será divulgado no site da Fundação.