Vinícola australiana usa microchips em garrafas para combater a falsificação

20 de junho de 2019 por Elmano Marques

MICROCHIP

A vinícola Seppeltsfield, de Barossa Valley, lançou uma série de vinhos embalados em garrafas contendo um microchip com tecnologia de rolling code, em um esforço para combater a falsificação. O produtor uniu-se ao especialista em proteção de marcas YPG Group para lançar as novas garrafas microchipadas para sua linha de vinhos “Grounds”, incluindo o The Westing 2017 e o The Northing Barossa Shiraz.
A tecnologia, chamada NFC Vintail, permite que consumidores de vinho digitalizem garrafas usando seus smartphones para determinar sua autenticidade. A tecnologia também é capaz de indicar se a garrafa foi aberta para detectar possíveis adulterações do produto.
Os dados incluídos no microchip também fornecem aos usuários “uma experiência de 360 graus”, incluindo informações detalhadas sobre a proveniência e um tour virtual pela Seppeltsfield Barossa Village e vinhedos nos arredores.
Warren Randall, presidente executivo da Seppeltsfield Barossa, disse: “Enquanto estamos expandindo nossa coleção de vinhos de luxo globalmente, é muito importante estarmos na vanguarda da inovação, por isso estamos adotando uma abordagem proativa e investindo em tecnologia para garantir a autenticidade do vinho.

Fonte: Drink Business

Vitis prohibita – Le retour des cépages résistants: O Melhor Filme Longa Metragem do International Grape & Wine Film Festival

20 de junho de 2019 por Elmano Marques

VITIS UM

O mundo do vinho encontrou mais uma vez o do cinema, e o fez numa ocasião especial, a do Festival Enovideo, que teve como palco Mucem em Marselha, o Museu das Civilizações Europeias e Mediterrâneas. . O International Grape & Wine Film Festival é o centro nevrálgico da produção cinematográfica inteiramente dedicada ao mundo do vinho e da vinha, e a edição deste ano confirmou o papel fundamental do evento no setor: 144 filmes em competição, de 17 países ao redor do mundo. A anfitriã, a França, ganhou o prêmio de Melhor Longa-Metragem com “Vitis prohibita – Le retour des cépages résistants”.

 

Furacão com ventos e granizo prejudica vinhedos na França e na Suíça

20 de junho de 2019 por Elmano Marques

FURACÃOUma violenta tempestade, descrita como “sem precedentes”, atingiu partes da França e apesar de durar apenas entre 15 e 20 minutos, causou sérios danos aos produtores de frutas e em videiras e em certas regiões. Foram registradas fortes chuvas, granizo e ventos de até 100 km por hora. Pedrinhas de gelo de até cerca de 7cm de diâmetro caíram sobre a região de Auvergne-Rhône-Alpes, o departamento de Lozère e até o norte do Vale do Loire.Acredita-se que os vinhedos em Crozes-Hermitage, no norte do Vale do Rhône, tenham sido particularmente afetados, com algumas estimativas iniciais afirmando que as perdas poderiam ser da metade. Vinhedos em torno de La Roche-de-Glun e Beaumont-Monteux são relatados para ser o mais atingido. No entanto, Cornas, St-Péray e Hermitage não foram atingidos e permaneceram incólumes, segundo a imprensa francesa.

Il Conventino Vino Nobile Di Montepulciano Riserva 2012

20 de junho de 2019 por Elmano Marques

IL COVENTINO DEF

País: Itália

Região: Toscana

Casta(s): Sangiovese (Prugnolo Gentile) (85%) e 15% Colorino e Canaiolo

No visual: Cor vermelho rubi intenso, límpido. Lágrimas densas, lentas.

No olfativo: Complexidade aromática dominada pelos aromas marcantes de compota de ameixa e cereja, com notas de violeta,baunilha, chocolate e especiarias

No gustativo: Bom corpo e estrutura. No palato taninos aveludados acompanham as sensações perceptíveis no olfativo. Final elegante, harmônico e com boa persistência.

Enogastronomia: Ideal para acompanhar massas típicas italianas, molho vermelho, todos os tipos de carne vermelha e queijos de massa dura.

Onde Comprar: Vinhos do Comendador            Preço: R$ 179,00

Vinho e Música – Fields of Gold por Celtic Woman

19 de junho de 2019 por Elmano Marques

A canção Fields of Gold interpretada por Celtic Woman pede para harmonizar um tinto francês de Côtes-du-Rhone

Vinhas velhas garantem sempre ótimos vinhos?

19 de junho de 2019 por Elmano Marques

OLD VINES DEF

À primeira vista, é possível achar que videiras antigas produzam vinhos excelentes. Afinal, são plantas com décadas de idade, com raízes que se aprofundaram vários metros no solo para buscar água e complexidade de minerais e que normalmente possuem uvas pequenas, em poucos cachos e de grande concentração. Mas nem sempre é assim. Há uma tendência forte, tanto no Velho Mundo como no Novo Mundo, de produtores descobrirem e recuperarem vinhedos antigos. Conforme afirma a revista Adega, um vinhedo antigo, assim como um vinho antigo, “gera devoção” por parte de muitos enófilos. Não raro, esses vinhedos, inclusive, possuem uma grande história por trás deles. E os vinhos cujo rótulo consta que se originam de vinhas velhas, são vendidos, obviamente, por preços acima da média dos rótulos comuns. Entretanto, a expressão “vinha antiga” ou “vinha velha” não possui uma definição precisa. Não há nada que diga a partir de quantos anos uma vinha deve ser considerada antiga. Além disso, achar que uma vinha, só por ser antiga, fará vinhos excelentes, é um engano. Em média, uma vinha possui seu momento auge de produção entre os 30 e 50 anos, quando normalmente são substituídas nos vinhedos, porque a medida que envelhecerem estarão muito propícias a doenças. E as vinhas que conseguem envelhecer mais que isso, de forma saudável, não garantirão necessariamente um vinho maravilhoso. O enólogo Marcelo Retamal já disse o seguinte: “Há uns 15 anos, fiz um vinho de um Cabernet Sauvignon no Chile que tinha mais de 150 anos. Era incrível ver essas parreiras. No entanto, o vinho não era bom. O Cabernet estava plantado em um lugar muito quente e isso não é bom para a variedade. Ou seja, vinhos de vinhedos antigos não são garantia de qualidade. Dependerá do terroir”.

Por: Marcos Adair

Dez aromas encontrados no vinho com passagem em barricas (IV)

19 de junho de 2019 por Elmano Marques

COURO DEF

Um vinho pode oferecer ao enófilo uma variedade de mais de 500 aromas. Sim, 500! Mas, 10 aromas são facilmente identificaveis quando o vinho passa por barricas quando do seu processo de afinamento, processo este chamado de crianza, pelos espanhóis.

Aroma 4: couro. Esta nota pertence à família animal. O aroma de couro ou selaria geralmente se manifesta em vinhos que têm uma certa idade, quinze a vinte anos na garrafa. Nos vinhos feitos com Syrah é muito comum encontrar este aroma.

Cães chilenos e o “bouchonné” das rolhas

19 de junho de 2019 por Elmano Marques

DOGS UM

Quando você abre uma garrafa de vinho (mesmo jovem) e, em vez de sentir os agradáveis aromas e sabores, tudo o que sentiu foi um mal cheiro de toalha úmida há dias ou de papelão molhado, saiba que um vinho nesse estado tem um nome: “bouchonné”. A rolha do vinho foi contaminada com Tricloroanisol (TCA), um composto que, por intermédio de determinados fungos, afeta a rolha e estraga a bebida. Calcula-se que, infelizmente, cerca de 5 a 8 por cento dos vinhos do mundo são contaminados pelo TCA, e isso causa um prejuízo enorme. Muita tecnologia já vem sendo usada para evitar esse problema, mas uma solução curiosa surgiu da empresa chilena de fabricação de barris TN Coopers: a utilização de cães labradores. Gufilermo Calderón, gerente de marketing da tanoaria, afirmou que os cães tem um limiar olfativo muito mais amplo que humanos e podem detectar concentrações muito pequenas de compostos específicos por meio do seu olfato que, segundo estudos, é 10 a 100 mil vezes mais sensível que o nariz humano. O projeto se chama Natinga (“busca de origem” na língua zulu) e emprega 5 cães treinados para esse trabalho. Algumas vinícolas do Vale do Casablanca já atestaram o sucesso do projeto, segundo matéria do site Bloomberg, e vinícolas da Califórnia também já solicitaram o serviço.

Por: Marcos Adair

RE Cabergnan 2010

18 de junho de 2019 por Elmano Marques

RE DEF

País: Chile

Região: Vale do Maule

Castas: Cabernet Sauvignon (80%) e Carignan (20%),

No visual: Cor vermelho rubi, límpido, brilhante.

No olfativo: Aromas complexos de ervas balsâmicas, notas de especiarias, defumados, flores, grafite e baunilha.

No gustativo: Bom corpo e estrutura. No palato, boa acidez, taninos finos e notas de frutas e toques balsâmicos. Final longo e complexo.

Enogastronomia: Ideal para harmonizar com fraldinha ao molho madeira, kafta de cordeiro ou com queijo curado da Serra da Canastra.

Onde Comprar: Gran Cru Preço:R$299.00

Harmonização Vinho e Comida – Salada de atum, pasta e ervilhas harmoniza com quais vinhos?

17 de junho de 2019 por Elmano Marques

tuna-pasta-salad

Os vinhos ideais para harmonização são os brancos franceses de Viognier.