Harmonização Vinho e Comida – Mexilhões, peixe com alho poró, vinho branco e tomilho harmoniza com quais vinhos?

23 de agosto de 2019 por Elmano Marques

MEXILHÕES

Os vinhos ideais para harmonização com este prato são os brancos franceses de Viognier de (Condrieux Côtes de Rhônes ) ; se a opção for por vinhos do Novo Mundo, os Viognier argentinos podem ser uma boa escolha.

Vinho e Música – Va va vis por Florina

23 de agosto de 2019 por Elmano Marques

A canção  Va va vis por Florina pede para harmonizar um tinto francês elegante como os de Pomerol.

Harmonização de vinho e comida sem risco: 4. Vinho e carne

23 de agosto de 2019 por Elmano Marques

BEEF

A harmonização de carne vermelha com vinho tinto é uma das primeiras coisas que aprendemos quando entramos no mundo do vinho. “Vinho tinto com carne vermelha e vinho branco com peixe”, diz o ditado popular. Isso está correto sem dúvida, embora não seja um dogma (muito menos um mito), porque a regra abra espaço para exceções. E a regra novamente se aplica: os ingredientes são os detalhes, e o “eixo básico” sempre será o peso e a intensidade da comida. Para não errar na harmonização, avalie a quantidade de gordura presente em cada corte de carne, a intensidade de sabor e a maciez. Quanto mais magra a carne, mais propícia será ela a vinhos com menos tanino (rosés e tintos leves). Quanto mais gordurosa, mais pedirá tanino, sem, é claro, ignorar os preparos especiais de cada receita, com seus molhos e acompanhamentos. Como a ideia aqui é não arriscar na comida do cotidiano, então estabeleça essa premissa: carne pede tanino e vinho branco não tem tanino (não de forma relevante). A maioria dos brancos não suporta a proteína e a gordura. Beba um tinto.

Por: Marcos Adair

Especial China: 2. A preferência pelo vinho francês

23 de agosto de 2019 por Elmano Marques

CHINA FRANCESA DEF

Os vinhos franceses são a fonte número um dos consumidores chineses, isso é um fato indiscutível. Quando as portas do mercado de consumo chinês se abriram para o mundo e o chinês comum, com muito dinheiro, começou a buscar uma identidade ocidental, ele abraçou muitas marcas e grifes com entusiasmo de criança. Carros, relógios, bolsas e, é claro, vinho. Para o chinês, França é sinônimo de vinho, grife de vinho, lá é onde a história começou e onde os rótulos alcançam grandes cifras, causando impacto social estar ao lado de certos ícones franceses em uma mesa de restaurante. Ir a França conhecer Bordeaux, para um chinês amante de vinhos, é como um fã do Mickey ir visitar a Disneyworld (a respeito disso, o blog sugere assistir o excelente documentário “Red Obsession” ou “Obsessão Vermelha”). Mas essa reputação está em risco hoje e eles estão um pouco cansados de vinho francês, principalmente os mais jovens, que estão abertos a experiências diferentes. A França continua sendo a favorita no paladar chinês, mas a Austrália avança, e a distância da França sobre o segundo lugar está diminuindo. A China é o terceiro maior consumidor de vinho francês no mundo. Cerca de 39, 7% do vinho consumido pelo chinês vem da França, ao passo que 27,1% vem da Austrália.

Por: Marcos Adair

 

Por que as garrafas de vinho são coloridas?

23 de agosto de 2019 por Elmano Marques

BOTTLES DEF

Cada garrafa de vinho, além de servir como um recipiente, também tem uma grande parcela de responsabilidade pela maneira como seu conteúdo evoluirá. É verdade que durante o armazenamento de um vinho, se deve levar em conta certos fatores para que ele possa mudar, favoravelmente, ao longo do tempo. A cor da garrafa é uma das mais importantes. No entanto, isso não é um recurso que foi criado como tal desde o início. Como acontece frequentemente (mesmo na enologia), foi uma casualidade. E como, na antiguidade, não havia métodos na produção de vidro que conseguissem erradicar as impurezas, então todas os recipientes obtidos  tinham cor turva eram.
Com o tempo e através de testes, descobriu-se que essa qualidade ajudava muito o vinho, impedindo que a luz ultravioleta penetrasse de fora afetando o produto. Hoje em dia, não só se pode eliminar todos os tipos de elementos que afetam a qualidade do vidro, mas,também, se pode escolher especificamente a tonalidade desejada.

 

 

Vinho e Música – Love Don’t Let Me Down por Bishara

22 de agosto de 2019 por Elmano Marques

A canção Love Don’t Let Me Down interpretada por Bishara pede para harmonizar um tinto com nobreza como os Nóbile de Montepulciano.

Os Melhores Vinhos Chilenos degustados por James Suckling até hoje

22 de agosto de 2019 por Elmano Marques

AOS CHILENOS DEF

Há algumas semanas, James Suckling publicou uma revisão dos vinhos argentinos mais bem avaliados por ele até hoje, para ilustrar a rapidez com que alguns produtores de vinho estão melhorando. Essa semana, o crítico voltou seus olhos para o Chile, e a análise leva a uma leitura ainda mais impressionante. Para ele, o Chile tem lutado, como a Argentina, no papel de principal fornecedor de vinhos baratos, que acabam prejudicando a qualidade geral. Mas no topo do mercado, os produtores chilenos adotaram a “inovação” para criar alguns dos melhores vinhos da história do país. “Alguns agora podem ser incluídos entre os melhores do mundo”, diz o crítico, com cabernet sauvignons equilibrados e estruturados, passando por syrahs e pinot noirs sutis, mas saborosos. Dos 4.600+ vinhos chilenos do site JamesSuckling.com, mais de 3.600 (ou 78%) têm 90 pontos ou mais. Quase 300 são classificados como 95 pontos ou acima, e 47 são classificados como excepcionais 98 pontos ou acima. A qualidade é ainda maior em comparação aos “hermanos” quando se vê os vinhos da mais alta qualidade. O Chile tem 25 vinhos classificados como 99 ou 100 no site JamesSuckling.com, e 9 vinhos avaliaram 100 pontos perfeitos (a Argentina tem 19 vinhos classificados como 99 ou 100 e 4 vinhos de 100 pontos). Assim como lá, no Chile a maior parte desse excelente trabalho tem sido recente. Desses vinhos com classificação igual ou superior a 98, apenas um, o Viñedo Chadwick Cabernet Sauvignon Valle de Maipo de 2001, é mais antigo que a safra de 2011. E todas as safras de 2011 até 2018 estão representadas pelo menos uma vez. Eis a lista dos melhores chilenos para Suckling até hoje:

01 – Almaviva Puente Alto  – 2015

02 – Almaviva Puente Alto  – 2017

03 – Clos Apalta Valle del Apalta  – 2015

04 – Clos Apalta Valle del Apalta  – 2014

05 – Clos Apalta Valle del Colchagua  – 2014

06 – Neyen Malbec Valle de Colchagua Espíritu de Apalta Edição Limitada  – 2016

07 – Seña Valle del Aconcagua  – 2015

08 – Viñedo Chadwick Cabernet Sauvignon Valle del Maipo  – 2017

09 – Viñedo Chadwick Cabernet Sauvignon Valle de, Maipo  – 2014

10 – Aristos Chardonnay Vale de Cachapoal Duquesa d’A  – 2011

11 – Clos Apalta Valle de Apalta  – 2016.

 Por: Marcos Adair

Terregiunte : na garrafa o” casamento “entre Amarone e Primitivo”

22 de agosto de 2019 por Elmano Marques

A TERREGIUNTE DEF

Dois territórios distantes, cultural e enologicamente, como Veneto e Puglia, dois vinhos diferentes, mas com muitos elementos em comum, como Amarone e Primitivo, duas figuras importantes, uma da viticultura Valpolicella, Sandro Boscaini, o outro da televisão italiana e, durante alguns anos, da Manduria del vino, Bruno Vespa, no meio Riccardo Cotarella, um dos mais famosos produtores de vinho na Itália e presidente Assoenologia. A partir do big bang dessas energias, nasceu  “Terregiunte – Vino d’Italia d’Italia “. Os enólogos trabalharam, paralelamente, na safra de 2016, que estará pronta para entrar no mercado em novembro. entre Amarone e Primitivo um blend foi estudado de tal forma que o que falta em um é dado pelo outro. Assim, a redondeza do Amarone é mitigada pela força tânica de Primitivo, que requer persuasão e uma gula que vem de Amarone. Assim nasceram 12.000 garrafas (nas prateleiras em novembro a um preço de 100 euros ) e 500 magnums que são um hino a essa irmandade: duas regiões distantes, tanto enológicas como culturalmente, que podem cooperar para dar um grande produto italiano ao mundo.

Especial China: 1. Por que a China compra tanto vinho?

22 de agosto de 2019 por Elmano Marques

A CHINA PRESIDENTE DEF

O consumo de vinho fino está crescendo muito em solo chinês. A sede dos chineses por essa bebida está superando o resto do mundo e, o que costumava ser uma tendência isolada durante ocasiões especiais, passou a ser objeto de presentes e lentamente vai se transformando em item de consumo regular. Tudo é muito rápido. Segundo o site chinawinecompetition.com de Shanghai, o consumo de vinho na China deve aumentar em mais de um terço nos próximos cinco anos. A produção local de vinho é que está num nível muito minúsculo e não é de estranhar, porque o consumidor prefere vinho importado mesmo. Quais as razões da China está comprando tanto vinho? Uma razão fundamental é a mudança na base dos consumidores. O vinho está sendo bebido pelos mais jovens, que acabam comprando mais e comprando mais, além de estarem abertos a experimentar coisas novas. Outro fator é o setor de e-commerce chinês que está em um momento de grande expansão, com lojas on line impulsionando o setor. Mais uma vez, são os jovens que compram na internet, aumentando ainda mais as importações. Nos próximos posts, vamos fazer um breve tour pelos 4 principais países que mais exportam vinho para a China, respectivamente: França, Austrália, Chile e Itália. É importante ter uma ideia de como a China atinge (e vai continuar ainda mais) o preço desses vinhos, já que o primeiro grande fator que sempre definiu o valor de um rótulo foi a famosa “lei da oferta e da procura”. E a China está procurando – ou, por assim dizer, caçando vinhos.

 Por: Marcos Adair

Os Melhores Vinhos Argentinos degustados por James Suckling, até hoje

22 de agosto de 2019 por Elmano Marques

ARGENTIAN

“A Argentina se tornou um dos países vinícolas mais empolgantes do mundo”, afirma o badalado crítico de vinhos da atualidade James Suckling. Para ele, a energia dos viticultores e vinicultores de lá tem estado em uma “curva de aprendizagem exponencial” nos últimos anos, e alguns estão produzindo garrafas “alucinantes” de vinhos minerais e dinâmicos que são vibrantes e sólidos com textura e estrutura. Hoje há mais de 6.000 vinhos da Argentina classificados no JamesSuckling.com, quase um terço disso degustados e avaliados apenas este ano. E quase 5.000 deles pontuam 90 pontos ou acima. Quase 500 marcam 95 pontos ou acima e 66 marcam uma pontuação excepcional de 98 pontos ou acima. Dos vinhos com pontuação igual ou superior a 95, nenhum é mais antigo que a colheita de 2000. Acima de 98 ou mais pontos, nenhum é mais velho do que a safra de 2010 e, surpreendentemente, dos 18 vinhos com 99 ou 100, todas as safras desde e incluindo 2010 são representadas pelo menos uma vez, exceto a 2018. O que isso representa? Melhora considerável na produção e no conhecimento nos últimos anos. Sim, os vinhos fracos e insípidos continuam a surgir enquanto o país também tem de cumprir seu papel de fornecedor de produtos baratos. Mas os rótulos dessa lista mostram o que é possível fazer dedicando tempo e esforço. Eis a lista dos melhores vinhos argentinos que James Suckling avaliou em todos os anos até hoje, 3 deles com 100 pontos e 3 com 99 pontos:

01 – Catena Zapata Adrianna Vinhedo Malbec Mendoza Fortuna Terrae  – 2012

02 – Catena Zapata Malbec Mendoza Adrianna Vinha Rio Pedras  – 2017

03 – Cheval des Andes –  2017

04 – Viña Cobos Malbec Perdriel Luján de Cuyo Cobos –  2011

05 – Abremundos Valle de Uco Página 1  – 2012

06 – Abremundos Valle de Uco Página 1  – 2011

07 – Catena Zapata Chardonnay Mendoza Adrianna Vinha Branca Ossos –  2017

08 – Catena Zapata Chardonnay Mendoza Vinhedo Adrianna Pedras Brancas  – 2014

09 – Cheval des Andes Mendoza  – 2016

10 – El Enemigo Cabernet Franco Gualtallary Gran Enemigo Único Vinhedo  – 2013

11 – Susana Balbo Vinhos Valle de Uco Nosotros Vinha Única  – 2013

12 – Terrazas dos Andes La Consulta Vale de Uco La Consulta Parcela Única Los Castaños  – 2010

13 – Terrazas dos Andes Malbec Gualtallary Vale de Uco El Espinillo Parcel N  – 2016

14 – Terrazas dos Andes Malbec A Consulta Valle de Uco Single Parcel Los Castaños  – 2011

15 – Terrazas dos Andes Malbec Vale de Uco Single Parcel Los Castaños  – 2012

16 – Trapiche Malbec Cabernet Franc Mendoza Iscay –  2013

17 – Viña Cobos Malbec Mendoza Cobos  – 2013.

Por: Marcos Adair