Um rosé gay

9 de setembro de 2019 por Elmano Marques

Comentários 0

A PANSY

Se você estiver jantando em um restaurante na Austrália, Nova Zelândia ou nos EUA e alguém pedir ao sommelier para trazer uma garrafa de “Pansy!” (sinônimo, em inglês, para gay ou homossexual), não ache que se trata de um apelido “colorido” para um vinho rosé leve e frutado. Pansy!, segundo a Wine Spectator, é uma marca real e, sim, é o primeiro vinho produzido especificamente para a comunidade gay, que é vista hoje como um fiel e lucrativo mercado de vinhos. O nome – como se pode ver – é bem explícito, utilizando o que antes era considerado um termo depreciativo, e o vinho e o rótulo são – sem nenhuma surpresa aqui – de cor rosa. E há uma história por trás do nome. Certa noite, um amigo gay de Erica e Kim Crawford, donos da Loveblock Wine da Nova Zelândia, perguntou a eles porque ninguém fazia um vinho que visasse especificamente ao público gay. Algumas semanas depois, Kim telefonou para Erica e disse que tinha inventado algo para os “garotos”, misturando Merlot, Malbec e Cabernet Franc de Hawke’s Bay. Alguns dias depois nasceu o Pansy!. Quando foi lançado pela primeira vez em 2005, na Austrália e Nova Zelândia, fez imenso sucesso nas festas e bares gays. O vinho cumpre perfeitamente o seu objetivo: tem bastante frescor, leveza e é fácil de beber, especialmente no verão. Não é um rótulo que procura se levar a sério em termos de qualidade, mas ainda conseguiu ganhar uma medalha de ouro no NZ International Wine Show de 2013. O rosé custa 23,99 dólares a garrafa, mas atualmente não aparece no site da vinícola.

Por: Marcos Adair

Faça um comentário

Comentários e pings estão fechados no momento.

Os comentários estão fechados.