Redução drástica ou mesmo eliminação de sulfitos é o futuro da vinificação? (1)

2 de dezembro de 2019 por Elmano Marques

Comentários 0

SULFITOS DEF

Há consenso geral que a vinificação com intervenção mínima é uma tendência popular no momento. Os  chamados vinhos “naturais”, por exemplo, fazem parte dessa tendência. Limitar ou omitir a adição de sulfitos (anidrido sulfuroso, dióxido de enxofre ou SO2) é uma prática frequentemente associada a esses vinhos, não só por questões relacionadas à “pureza do terroir”, mas até por argumentos ligados à saúde, explica a revista Wine Spectator. No entanto, é importante fazer alguns esclarecimentos sobre sulfitos: os sulfitos são um subproduto natural da vinificação. Essa composição química de moléculas de enxofre e oxigênio ocorre naturalmente em diversos processos e está presente em quase todos os lugares, inclusive no corpo humano. Os sulfitos são muito usados na indústria de alimentos como conservantes, por sua ação antioxidante e bactericida. Segundo a revista Adega, o primeiro documento “regulamentando” a utilização é da idade média, ano de 1487, na Alemanha. Na época, encharcava-se um pedaço de madeira com enxofre em pó, ervas e incenso. Essa madeira era queimada dentro da barrica que receberia o vinho. Isso protegia a bebida, evitando o escurecimento e retardando a deterioração. Com o tempo, obviamente, a técnica foi aprimorada e o uso se disseminou, assim como a sua regulação. Os produtores normalmente adicionam sulfitos ao seu vinho, desde o momento da chegada das uvas do vinhedo, até o momento de fechar a garrafa, porque essa substância age como importante estabilizador e conservante, evitando que o vinho estrague. Isso quer dizer que os sulfitos encontrados nos vinhos são nocivos? Provavelmente não, pelo menos se consideradas as quantidades minúsculas encontradas nos vinhos modernos, geralmente, de 20 a 200 PPM. Para se ter uma ideia, uma fruta seca recebe algo entre 500 a 3.000 PPM. Os sulfitos também não são os culpados pela ressaca, como afirma Andrew Waterhouse, professor de enologia na Universidade da Califórnia em Davis: “Não há dados de pesquisas médicas mostrando que sulfitos causam dores de cabeça”.

Por: Marcos Adair

Faça um comentário

Comentários e pings estão fechados no momento.

Os comentários estão fechados.