Arquivos da categoria ‘Vinho e Jazz’

Vinho e Jazz – Vocal Madness por Uptown Vocal Jazz Quartet

16 de janeiro de 2021

A VOCAL DEF

Vocal Madness -.A arte da capa do álbum “Vocal Madness”(2014), do Uptown Vocal Jazz Quartet, representa uma sátira a famosa pintura de Edvard Munch ‘O Grito’, porém o que há de assustador no álbum é a linda sonoridade do sax de Richie Cole e os arranjos escritos por ele e pela líder do Quarteto, Ginny Carr. O Uptown Vocal Jazz Quartet canta na tradição do Manhattan Transfer e coloca sua sublime assinatura na fascinante arte do jazz vocal de grupo, com um repertório de standards e canções originais interpretadas  em uma harmonia estonteante.Destaques:”Pure Imagination”e “Now I Have Everything but You”. Muito bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando uma taça de tinto do Novo Mundo, de um bom Pinot Noir californiano ou neozelandês.

Vinho e Jazz – Minetta por Lilly Martin

14 de janeiro de 2021

A LILLY DEF

Minetta – O álbum “Minetta”, deixa claro porque a vocalista nova-iorquina de raízes cubanas, Lilly Martin ascendeu tão rapidamente  a um nível internacional. Ela canta blues com paixão e soul com sensualidade. Um blues urbano poderoso com charme íntimo é isso que Lilly Martin e sua banda, liderada pelo guitarrista Oliver Keller, com Michael Dolmetsch, tecladista, Tom Beck na bateria e Markus Fritzsche no baixo, completam uma formação que consegue convencer. Destaques para as canções: “Life in the City”, “Fooled Around & Feel in Love”, “Runway”. Muito bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando uma taça de tinto do Novo Mundo, particularmente os “premium”  de corte bordaleses chilenos.

Vinho e Jazz – I Love Jazz por Inge Brandenburg

13 de janeiro de 2021

A LOVE DEF

I Love Jazz – A  gravadora alemã Unisono Records editou e remixou 18 canções inéditas do material do filme “Sing, Inge, Sing”, do cineasta alemão Marc Boettcher, em uma mais do que merecida e justa homenagem pelo 90º aniversário e também pelo 20º aniversário da morte de Inge Brandenburg, a “cantora de jazz alemã” dos anos 1960. As18 canções  remasterizadas por Patrick Römer, a partir de discos unisono mostram não apenas a incrível voz de Inge Brandenburg, mas também a vitalidade da cena na Alemanha com todas aquelas grandes orquestras de jazz e seus incríveis arranjadores. O álbum é digno de ser ouvido muitas vezes. Destaques:”Summertime”, But Not For Me”.e”Cry Me A River”. Muito Bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando um tinto alemão de Spartburgunder ou um bom Pinot Noir da Borgonha.

Vinho e Jazz – For Seasons to Come por Ginne Marker

11 de janeiro de 2021

A GINNE

For Seasons to Come – O álbum de estréia da guitarrista, compositora e vocalista dinamarquesa Ginne Marker “For Seasons to Come”, não é estritamente um álbum de jazz, talvez jazz / pop. Ela tem uma voz suave e sensual, um jeito muito próprio de tocar guitarra além de uma abordagem lúdica e exploratória em sua expressão musical, o que a faz parecer ser uma velha alma no corpo de uma jovem. O universo textual das suascomposições(muitas vezes tranquilas, e descontraídas, em outras exuberantes, lúdicas e otimistas) é bom e poético sem se torna banal. Destaques para melodias que têm padrões comuns de jazz, como “Sunny Days”, e como a hipnotizante “Starry Night”. Muito bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando uma taça de um bom Borgonha.

Vinho e Jazz – Out of the Shadows por Parry Ray

10 de janeiro de 2021

A PARRY DEF

Out of the Shadows – O novo álbum da compositora e vocalista  Parry Ray “Out of the Shadows”, é  constituído de uma paleta musical incrivelmente variada. A track list compreende um amplo espectro de canções, clássicas e modernas, do mundo do teatro musical, reinterpretadas de uma forma que é maravilhosamente íntima sob uma  roupagem jazzística. A voz quase  hipnotizante de Parry Ray em canções como “Maybe this Time” e “Losing My Mind” as tornam envolventes e sensuais. Destaque para “Someone to Watch Over Me”. Bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando uma taça de um bom tinto francês do Languedoc.

Vinho e Jazz – Blue por Andy James

8 de janeiro de 2021

ANDY

Blue –  O terceiro álbum da vocalista de jazz Andy James, “Blue”, traz na elegância da interpretação, a tradição vocal de Divas como Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, Peggy Lee e Julie London. Além disso, os vocais de Andy exibem uma emoção cintilante que remete aos grandes do Soul e do Gospel, como Mahalia Jackson e Sam Cooke. Assim, a versão de Andy James da canção “The Look of Love” tem um que de magnetismo sublinhado pelo piano de Bill Cunliffe, pelo trumpete de Michael Dease e pelo sax Terell Stafford. Da mesma forma a interpretação, incondicionalmente, doce e gentil de “I Got it Bad and That Ain’t Good” é marcante. Destaques : “Inside Out” e “Wild is The Wind”. Bom. Disponível no Spotify

P.S. Ideal ouvir degustando uma taça de um bom Cabernet Sauvignon californiano.

Vinho e Jazz – Spirits of Waters por Dione Taylor

3 de janeiro de 2021

A DIONE DEF

Spirits of Waters – A vocalista canadense Dione Taylor cria uma música de sonoridade orgânica, bem produzida, cheia mistério e de esperança  no álbum “Spirits of Waters”. Na realidade, o álbum  é uma mistura dinâmica de folk, country, soul, blues, fazendo um estilo singular denominado pela própria Dione como “Prairie Blues”.Destaques : “Spirit”, “o”, “Water” e “How Many Times”.”How Many Times” e “Ain’t Gonna Let Nobody Turn Me Around.” Bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando um tinto de boa estirpe, do Novo Mundo, como os de Pinot Noir, do Oregon, nos EEUU.

Vinho e Jazz – So this is Love por Christina Watson

29 de dezembro de 2020

A CHRISTINA

So this is Love – O álbum da vocalista americana Christina Watson “So this is Love” demonstra seu talento especial para escolher músicas maravilhosas e torná-las suas. Com um rico tom vocal, uma afinação perfeita além de um bom gosto impar para improvisação, ela interpreta canções como “So in Love” e “They Say It’s Wonderful” com uma sensação lânguida e temperamental muito próprias. Tendo como amparo musical um  time de músicos de alta energia liderados Lori Mechem, piano, Roger Spencer, baixo, Duffy Jackson, bateria e Jeff Coffin, sax, ela traz canções standards do Great American Songbook diretamente para o século XXI. Destaques:”All of Me”, “So this is Love” e “My Favorite Things”. Muito bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando um tinto de Shirah do Novo Mundo, particularmente os australianos ou os americanos do Oregon.

Vinho e Jazz – Wait Until Dark por Kirsten Gustafsson

25 de dezembro de 2020

A WAIT DEF

Wait Until Dark – Músicas que ficaram famosas com Led Zeppelin, James Taylor, Dusty Springfield, Emerson, Lake & Palmer, Roberta Flack, America e Julie London, são apresentadas em novos padrões de jazz, nos vocais atraentes e sensuais de Kirsten Gustafsson, no seu novo álbum “Wait Until Dark”. Todas as músicas ganharam  brilho e vida em suas novas versões. O misticismo da canção “ The Rain Song “por exemplo, é transportado para o jazz, com um arranjo sensacional de Curtis Allen Hager e o violão atraente de Fareed Haque.”From the Beginning”que recebe um tratamento suave, é outro exemplo marcante das surpresas e originalidade do álbum. Liderando nos vocais um time de músicos de primeira grandeza – Montzka no piano e teclado, Scott Anderson na guitarra, os baixistas Steve Hashimoto e Matt Thompson, Biolo na percussão e Gerald Dowd na bateria, Kirsten Gustafson produziu uma verdadeira obra prima do pop jazz. Excelente. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para ouvir degustando um excepcional Pinot Noir, da Borgonha, naturalmente.

Vinho e Jazz – Birdsong por Champian Fulton

23 de dezembro de 2020

A BIRD_

Birdsong – Trinta anos depois de haver escutado os acordes de “With Strings” aínda na barriga da mãe, a pianista e vocalista Champian Fulton com o álbum Bird Songs, faz uma alegre celebração ao centenário de Charlie Parker. Ela interpreta músicas escritas por Parker – “Yardbird Suite”, “Quasimodo”, “Bluebird” – bem como canções que Parker fez seus… Tornando-os seus, algo que ela faz do seu jeito doce, seja “Star Eyes”, ou “Dearly Beloved”. O conjunto liderado por Champian Fulton,(piano), Fukushi Tainaka(bateria), Hide Tanaka(baixo), Stephen Fulton(flugelhorn) e Scott Hamilton(sax tenor), toca jazz clássico, no sentido mais verdadeiro, no coração melódico do que o jazz é. “Birdsong ” consolida, ainda mais, a importância de Parker para o jazz e amplia, em definitivo, a posição de Champian Fulton como estilista e interprete suprema.
Muito bom. Disponível no Spotify.

P.S. Ideal para escutar degustando um bom tinto californiano de Cabernet Sauvignon, de Napa Valley.