21 de abril de 2024
Notícias

Produção de blocos em obra de proteção costeira de Ponta Negra entra em ritmo acelerado

A fabricação dos blocos que serão utilizados na obra de enrocamento e proteção costeira da praia de Ponta Negra, um dos principais projetos que a Prefeitura de Natal está executando na cidade, iniciou nova fase e está em ritmo acelerado. As equipes da linha de produção das estruturas trabalham diariamente na montagem e armazenamento do material. De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra), serão instalados em cada um dos nove trechos do enrocamento entre 800 a 900 blocos de concreto. Ao longo de toda a extensão da obra, que vai abranger dois quilômetros, serão instalados cerca de 19 mil blocos.

Foto: Alex Régis

Os blocos são de concreto de 20 Mpa (Mega Pascal), unidade referência para aferir a resistência do material. Cada estrutura pesa em média 2,5 toneladas, com o tamanho de 1,6m por 80 cm de tamanho e possui 1,025 m³ de volume. Além da proteção costeira, o projeto prevê a construção de sete escadas e quatro rampas de acesso à praia. Nessa etapa do enrocamento, serão investidos R$ 23,5 milhões.

“Estamos em um momento fundamental dessa obra. Executar a proteção costeira da orla de Ponta Negra é o pontapé inicial para o projeto macro da engorda. Ao longo dos anos, a força da maré vem provocando a destruição do calçadão e essa tecnologia de instalação de blocos é muito eficaz e vai oferece uma vida útil bem maior do que as outras opções existentes”, aponta o prefeito Álvaro Dias. 

Álvaro antecipa que ainda neste mês de fevereiro a Prefeitura vai receber os projetos executivos do serviço de engorda da praia. “Essa intervenção será emblemática. Vamos deixar a faixa de areia com 50 metros na maré cheia e 100 metros na maré seca. Isso vai potencializar o turismo local, gerar emprego, renda e divisas para o Município. O bairro de Ponta Negra é responsável por 90% dos leitos turísticos da capital potiguar e viverá uma era de desenvolvimento e progresso depois da conclusão do projeto”, projeta ele.

Além do aspecto econômico, a obra carrega uma grande preocupação ambiental. De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente e Urbanismo, Thiago Mesquita, a erosão costeira em Ponta Negra, inclusive, ameaça o Morro do Careca, cartão postal do RN e Zona de Proteção Ambiental (ZPA) de Natal. “Estamos promovendo desenvolvimento econômico e equilíbrio ambiental”, afirma.

O estudo técnico contratado pela Prefeitura de Natal e que servirá de base para a elaboração do projeto executivo prevê que a engorda será feita a partir de uma jazida de areia submersa trazida de uma área de mar, na altura do Farol de Mãe Luiza, que tem o material adequado – diâmetro médio superior (areia média a grossa). A quantidade de areia da jazida e a proximidade do local são adequados para uso de uma draga de sucção.

Aos poucos, esse material será depositado em trechos de 200m em 200m de praia, que, durante esse trabalho, ficará, nesses pontos, interditada, garantindo que as demais áreas não sejam afetadas e o uso geral da praia não seja prejudicado no período de nove meses previstos para conclusão dos serviços. Após o transporte de areia, será necessária uma terraplanagem com espalhamento, compactação e nivelamento do aterro por meio de tratores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *