Do G1, em Brasília

O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento (PR-AM), deixou o cargo nesta quarta-feira (6) após denúncias sobre um suposto esquema de superfaturamento em obras envolvendo servidores da pasta. A crise se agravou nesta quarta após suspeitas de que o filho do ministro tenha enriquecido ilicitamente em razão do cargo do pai.

Em nota oficial divulgada por volta das 16h40 pelo ministério – veja a íntegra no fim da reportagem -, Alfredo Nascimento diz que “decidiu deixar o governo” e que enviou “há pouco à presidenta Dilma Rousseff seu pedido de demissão em caráter irrevogável”.

O Ministério dos Transportes afirma que Nascimento “vai colaborar espontaneamente para o esclarecimento cabal das suspeitas levantadas” e que “decidiu encaminhar requerimento à Procuradoria-Geral da República pedindo a abertura de investigação e autorizando a quebra dos seus sigilos bancário e fiscal”.

Com a saída, Nascimento volta ao Congresso para exercer o mandato de senador pelo Amazonas, para o qual foi eleito em outubro de 2010, atualmente ocupado pelo suplente João Pedro, do PT. Ele também reassumirá, conforme o ministério, a função de presidente nacional do PR.

Na nota em que anuncia que entregou o cargo, Nascimento afirma que “coloca-se à disposição de seus pares para participar ativa e pessoalmente de quaisquer procedimentos investigativos que venham a ser deflagrados naquela Casa (Senado) para elucidar os fatos em tela”.

Nascimento é o segundo ministro a deixar o governo de Dilma Rousseff após denúncias. No mês passado, Antonio Palocci deixou a Casa Civil após não conseguir explicar a multiplicação em 20 vezes de seu patrimônio em quatro anos, revelado pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

Os comentários estão fechados.