O prefeito de Caicó, Batata Araújo, vai deixar o mandato sem concluir o pagamento total do funcionalismo.

A gestão destaca que com FPM (Fundo de Participação dos Municípios) zerado, as receitas diminuíram, além da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) que prejudicou os municípios, mas, a prefeitura conseguiu quitar o salário de novembro de 2020 de todos os servidores efetivos, contratados e comissionados e pagou o 13º salário de todos os efetivos, comissionados e contratados.

Com relação ao mês de dezembro, foi quitado 50% do total da folha de alguns servidores. Receberam os servidores efetivos da Secretaria de Educação lotados no FUNDEB 40 e 60; os servidores da Secretaria de Saúde lotados no CER, CEREST, Hospital do Seridó, Laboratório Nailde Dantas e ASGs; os servidores da Assistência Social lotados no CRAS, CREAS, PETI, Pro Jovem e SCFV; além dos servidores da Administração, Planejamento, Turismo, Meio Ambiente, Controladoria, Finanças, Contabilidade e Tesouraria.

Também receberam os servidores contratados da Secretaria de Saúde lotados no CER, CEREST, ESF, SAI, Saúde Bucal, Urgência Pediátrica e COVID; e os servidores contratados da Assistência Social lotados no CRAS, CREAS, PETI, Pro Jovem e SCFV, além de 100% da folha dos servidores comissionados; bem como os incentivos dos agentes comunitários e de saúde.

“O prefeito Batata assumiu a prefeitura de Caicó em 2017 com o mês de dezembro de todos os funcionários efetivos sem pagar, herdado da outra gestão, além de três meses de todos os contratados em atraso. Durante 2017, a gestão municipal conseguiu quitar o salário de dezembro e sempre procurou pagar em dia o salário dos servidores nesses quatro anos de governo”, diz o release da Prefeitura de Caicó.