Política

Presidente do Senado é internado na UTI após desmaio

Do G1

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), sofreu um desmaio na madrugada desta quinta-feira (27) e foi internado na UTI de um hospital em Brasília, de acordo com a assessoria do senador.

Ainda segundo a assessoria, inicialmente a suspeita era de que Eunício tivesse sofrido um acidente vascular cerebral, mas os exames não confirmaram esse diagnóstico.

Um boletim médico divulgado pelo hospital onde Eunício foi internado afirmou que o senador apresentava, no início do dia, estado estável e exames de imagem do crânio com resultados normais.

Ainda segundo a equipe médica, o senador será reavaliado ao longo do dia.

Política

Bancada Federal se reúne com vereadores potiguares em Brasília 

Nesta quarta-feira (26), a bancada federal do Rio Grande do Norte se reuniu, na Câmara dos Deputados, com os vereadores potiguares que estão participando da XI Marcha dos Vereadores, que ocorre em Brasília, para discutir temas regionais.

O encontro foi solicitado pelo deputado federal Felipe Maia (DEM), coordenador da bancada federal, e pelo presidente da União de Vereadores do Rio Grande do Norte (UVERN), Bruno Melo.

Os parlamentares ouviram pleitos dos vereadores e realidades de cada município representado.

Além de Felipe Maia, participaram da reunião os senadores Garibaldi Filho (PMDB), José Agripino Maia (DEM) e Fátima Bezerra (PT), mais os deputados federais Zenaide Maia (PR), Beto Rosado (PP), Rafael Motta (PSB) e Antônio Jácome (PTN).

Relator da reforma trabalhista que estava em votação, Rogério Marinho (PSDB) não podia sair do plenário.

Fábio Faria (PSD) e Walter Alves (PMDB) levaram falta.



Política

O voto da Bancada do RN na reforma trabalhista 

Três deputados federais do Rio Grande do Norte seguiram o parecer do potiguar Rogério Marinho (PSDB), relator da Reforma Trabalhista, no texto-base, já aprovado pelo plenário: Felipe Maia (DEM), Fábio Faria (PSD) e Beto Rosado (PP). 

Zenaide Maia (PR), Antônio Jácome (PTN) e Rafael Motta (PSB), votaram contrários. 

O único ausente foi Walter Alves (PMDB). 

 

Política

Câmara dos Deputados aprova texto-base da Reforma Trabalhista

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 296 votos a 177, o substitutivo do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) para o projeto de lei da reforma trabalhista (PL 6787/16, do Poder Executivo).

Segundo o substitutivo, que altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o acordo coletivo prevalecerá sobre a lei e o sindicato não mais precisará auxiliar o trabalhador na rescisão trabalhista. A contribuição sindical obrigatória é extinta.

O acordo e a convenção prevalecerão sobre a lei em 15 pontos diferentes, como jornada de trabalho, banco de horas anual, intervalo de alimentação mínimo de meia hora, teletrabalho, regime de sobreaviso e trabalho intermitente. Poderão ser negociados ainda o enquadramento do grau de insalubridade e a prorrogação de jornada em ambientes insalubres, sem licença prévia do Ministério do Trabalho.

Devido ao fim do período regimental da sessão, os deputados realizarão outra em seguida para começar a votar os destaques apresentados ao texto.

PoderPolítica

Ezequiel Ferreira convoca todos os aprovados em concurso da Assembleia Legislativa

“O trabalho do legislativo será perpetuado pelos concursados”, essa foi a primeira declaração do presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), após cumprir o compromisso de concluir a convocação de todos os aprovados no primeiro concurso público da história da Assembleia, até este mês de abril.

O ato, aprovado pela Mesa Diretora, foi publicado no Boletim Legislativo desta quarta-feira (26) e torna oficial a totalização do chamamento dos 85 novos servidores que serão incorporados a todos os setores da instituição.

Os últimos convocados são de diversas áreas, analistas legislativos, técnicos legislativos, técnico de hardware, psicólogos, bibliotecário, jornalista e engenheiro civil.

“A partir de agora, todos os setores da Assembleia tem servidores concursados. Esse é mais um legado que esta gestão irá deixar para a história do Poder Legislativo do Rio Grande do Norte”, disse Augusto Viveiros, secretário geral da Assembleia Legislativa.

A lista com os nomes dos convocados, assim como as demais informações sobre os atos de posse estão disponíveis no Boletim Legislativo de nº 73, de 26/04/2017, no http://www.al.rn.gov.br .

Foto: Eduardo Maia

(Foto: Eduardo Maia) – Ezequiel Ferreira de Souza

Política

Vivaldo Costa homenageia o saudoso Manoel Dantas na Assembleia Legislativa

O deputado estadual Vivaldo Costa (PROS) homenageou nesta quarta-feira (26), em sessão solene no plenário da Assembleia Legislativa, os 150 anos do caicoense Manoel Gomes de Medeiros Dantas. Nascido em 26 de abril de 1867, foi advogado, juiz, educador, jornalista, político e precursor dos estudos de folclore no Rio Grande do Norte.

Presidente da Academia Norte-rio-grandense de Letras, publicou trabalhos jurídicos, estudo sobre a origem dos nomes dos municípios potiguares e vários ensaios, reunidos após sua morte sob o título ‘Homens de Outrora’. Ele morreu em junho de 1924.

“Manoel Dantas foi um ilustre caicoense. Se a gente olhar a biografia dele a gente se anima com a fibra do povo do Seridó”, disse Vivaldo Costa em seu discurso como propositor da sessão. “Na minha visão ele era uma espécie de vulcão em ebulição permanente. Nós do Seridó temos o maior orgulho dele”, concluiu o parlamentar, lembrando que o homenageado era um homem de espírito público.

A visão futurista de Manoel Dantas também foi ressaltada pelo presidente da Academia Norte-rio-grandense, Diógenes da Cunha Lima, que fez um discurso de saudação.

Foto: João Gilberto - Vivaldo Costa na Sessão Solene em homenagem ao seridoense Manoel Dantas

Foto: João Gilberto – Vivaldo Costa na Sessão Solene em homenagem ao seridoense Manoel Dantas

Política

Arcebispo convoca fiéis para se posicionarem contra reformas

O Arcebispo Metropolitano, Dom Jaime Vieira Rocha, convocou os fiéis católicos para se posicionarem contra as reformas que tramitam no Congresso Nacional, como a trabalhista e a da Previdência. Ele também convoca os fiéis para participarem das manifestações contra tais reformas, que acontecerão, em todo o País, na próxima sexta-feira, dia 28.

Dom Jaime fez a convocação antes de embarcar para a cidade de Aparecida (SP), onde participará da 55ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, de 26 de abril a 4 de maio. O evento deve reunir cerca de 300 bispos, de todo o País.

z

Política

Em nota, Rogério Marinho diz que não passou constrangimento em voo

Nota de Esclarecimento do deputado federal Rogério Marinho: 

“Em nenhum momento fui hostilizado durante voo de Natal para Brasília, conforme nota publicada no blog de Lauro Jardim.

No avião, o senhor Pedro Ricardo Filho, secretário regional da segunda secretaria da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Indústria (CNTI), me questionou porque não havia conseguido agendar uma reunião solicitada pelo mesmo em nome do seu grupo sindical.

Como nas vezes anteriores em que ele entrou em contato com o meu gabinete, disse ao sindicalista que poderia em uma determinada data que foi rejeitada pelo grupo interessado. Há troca de e-mails e ofícios arquivados em nosso gabinete.

Diante da insistência, dessa vez pública, em questionar os motivos e usando um tom grosseiro e em voz alta, realmente usei a expressão: “Me impressiona um senhor da sua idade ser tão mal-educado”.

Como resposta, recebi apenas resmungos ininteligíveis. Em nenhum momento, sequer um passageiro se manifestou ou aplaudiu tamanha falta de educação, conforme publicou o blog após ser induzido ao erro.

Talvez, o sindicalista esteja chateado com a iminente aprovação do fim do imposto sindical obrigatório. Mas, no que depender do nosso trabalho na Câmara, eles precisarão se acostumar com o fim de mais essa boquinha”. 

Política

Garibaldi cita potiguares que contribuíram para transformar a transposição em realidade

Ao comemorar, da tribuna do Plenário, a assinatura do contrato – entre o Ministério da Integração Nacional e o Consórcio Emsa-Siton para a conclusão das obras do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco, o senador Garibaldi Filho lembrou a participação decisiva de potiguares para que a obra pudesse ser iniciada.

Ele citou o ex-ministro Aluízio Alves, o empresário Bira Rocha e o engenheiro Rômulo Macedo.

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Política

Rogério Marinho passa constrangimento em voo

De Lauro Jardim em O Globo

Rogério Marinho, relator da reforma trabalhista, foi interpelado ontem num voo de Natal para Brasília. Diante das críticas, vindas de um idoso, Marinho tentou rebater:

“Me impressiona um senhor da sua idade ser tão mal-educado”.

Ouviu como resposta:
“Me impressiona alguém jovem trabalhar para tirar direitos trabalhistas”.
O voo aplaudiu a resposta.
(Atualização, às 22h: Por meio de sua assessoria de imprensa, Rogério Marinho enviou nota para a coluna em que afirma que foi abordado por um sindicalista “chateado com a iminente aprovação do fim do imposto sindical obrigatório”. Segundo o deputado, não houve aplauso de outros passageiros.)

EstadoPolítica

Governador Robinson Faria pede ajuda ao Presidente Temer para folha salarial do Estado e fila de cirurgias ortopédicas

O governador Robinson Faria (PSD) teve uma reunião com o presidente Michel Temer (PMDB) após almoço com governadores, na tarde desta terça-feira, 25, em Brasília. O encontro privado teve a participação do ministro da Fazenda Henrique Meirelles e do deputado federal Fábio Faria (PSD).

Robinson relatou que foram discutidas operações de crédito para a realização de investimentos no estado, no sentido de fortalecer a economia, e gerar emprego e renda. “Também tratei de um apoio para ajudar no custeio e na folha de servidor. Além disso, ainda cobrei celeridade na liberação de um convênio para acabar com a fila de cirurgias de ortopedia e trauma”, ressaltou o governador Robinson Faria, destacando que ainda cuidou da liberação de recursos para garantir a continuidade das obras hídricas, dando bastante ênfase à barragem de Oiticica.

Durante almoço com governadores, que aconteceu mais cedo na casa do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, foram discutidos projetos que tramitam no Congresso Nacional de interesse dos estados, além de assuntos relacionados ao momento político e econômico do País.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação – Fábio Faria, Michel Temer, Robinson e Meirelles

Política

Comissão aprova texto principal da reforma trabalhista com 27 votos favoráveis e 10 contrários

Foi encerrada há pouco a reunião da comissão especial da reforma trabalhista (PL 6787/16).

O substitutivo apresentado pelo relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), foi aprovado pela comissão, mas, com o início da Ordem do Dia pelo Plenário da Câmara, a comissão deixou de votar os 25 destaques que suprimiam trechos do projeto.

O Regimento Interno da Câmara impede votações em comissões enquanto o Plenário estiver em processo de votação. Com isso, o projeto será enviado diretamente para o Plenário da Câmara. “Vamos terminar a votação em Plenário”, disse o presidente da comissão, deputado Daniel Vilela (PMDB-GO).

Como o prazo de funcionamento da comissão especial já está esgotado e o projeto tramita em regime de urgência, o Regimento Interno da Câmara permite que o projeto seja levado diretamente para o Plenário se não for votado no colegiado.

“Isso é uma manobra”, reclamou o deputado Chico Alencar (Psol-RJ). O presidente da comissão especial negou. “Havia um acordo de procedimentos para que os trabalhos da comissão fossem até as 17h e o prazo acabou”, disse Vilela.

O substitutivo aprovado hoje pelo relator mantém as principais medidas do projeto anterior, como a regulamentação do chamado trabalho intermitente, modalidade que permite que os trabalhadores sejam pagos por período trabalhado.

Foto: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados

Foto: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados

Política

Agripino grava programa partidário que irá ao ar dia 9 de maio

O presidente nacional do Democratas, José Agripino (RN), gravou na manhã desta terça-feira (25), em Brasília (DF) o programa partidário que irá ao ar, em cadeia nacional de rádio e TV, dia 9 de maio, às 20h e 20h30, respectivamente. A gravação ocorreu no estúdio Cine Lotação, sob os cuidados do jornalista e publicitário baiano, José Fernandes, que atuou na reeleição do senador em 2010.

O programa abordará temas como educação, projetos para a juventude, empreendedorismo, reformas estruturais, entre outros temas. Nas gravações, Agripino ressalta a importância de se criar caminhos para a geração de empregos, investindo, principalmente, em uma educação de qualidade para os jovens brasileiros.

Também participaram da gravação do programa partidário os líderes senador Ronaldo Caiado (GO) e deputado Efraim Filho (PB); a presidente nacional do Democratas Mulher, deputada Professora Dorinha (TO); o ministro da Educação, Mendonça Filho; o prefeito de Salvador, ACM Neto; entre outras lideranças.

_DSC1487

Política

Projeto de Fátima Bezerra que cria Política Nacional de Leitura e Escrita é aprovado em Comissão no Senado

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte aprovou por unanimidade, nesta terça-feira (25), o Projeto de Lei 212/16, de autoria da senadora Fátima Bezerra, que cria a Política Nacional de Leitura e Escrita (PNLE). A proposta foi uma iniciativa do conselho diretivo do Plano Nacional do Livro e Leitura – PNLL, presidido na época por José Castilho Marques Neto. A aprovação da matéria acontece dois dias após o dia Mundial do Livro e do Direito do Autor.

Segundo a autora, a proposta tem como estratégia permanente a universalização do direito ao acesso ao livro, à leitura, à escrita, à literatura e às bibliotecas no Brasil, além de fomentar a formação de mediadores de leitura e incentivar a criação e implantação de planos estaduais e municipais do livro e da leitura.

“Queremos dar ao livro, à leitura, à escrita e às bibliotecas o status de política pública de Estado. Nos últimos 13 anos, nos governos do presidente Lula e da presidenta Dilma, tivemos investimentos fundamentais no setor, mas precisamos avançar”, explicou a senadora. “O legislativo precisa aprovar ações e políticas públicas como esta que garantam à população o acesso aos livros, a leitura, a escrita e a bibliotecas. Isso possibilitará tornar o Brasil um país de leitores. Uma nação desenvolvida se faz, fundamentalmente, com investimentos em educação e cultura”, completou.

Política

Artigo de Rogério Marinho na Folha de São Paulo: ‘Por um Brasil moderno e próspero’

Da Folha de São Paulo

“A crise econômica legada pelo PT ao Brasil, sem paralelos desde o governo de Floriano Peixoto (1891-1894), nos dá oportunidade de modernizar uma lei tratada como imutável, como se a realidade de 1943 fosse a mesma da atual.

O legislador não pode atuar por meio de tabus e mitos. Esse é o lado do atraso e da irracionalidade política. A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) foi feita para contemplar o Brasil rural que queria se industrializar, um país que não existe mais.

Não atualizar a lei é permitir que conflitos e desacertos sejam potencializados, na contramão do que acontece nos países que competem conosco. É forçar que parte substancial da economia continue a funcionar informalmente, condenando milhões de trabalhadores à exclusão do mercado formal de trabalho.

A modernização das leis do trabalho, ao oferecer mais liberdade e autonomia aos agentes, promoverá a formalização e ajudará na geração de empregos.

Com a regulamentação do trabalho intermitente, poderemos formalizar, apenas no setor de bares e restaurantes, dois milhões de trabalhadores nos próximos três anos, segundo estimativa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes.

Isso sem falar das consequências positivas da regulamentação do teletrabalho, já praticado por mais de 20 milhões de pessoas.

Os que se valem de argumentos puramente ideológicos contra a modernização das leis prestam desserviço ao Brasil. Ao contrário do que dizem, a reforma não irá retirar direitos, uma vez que estes são protegidos no artigo 7º da Constituição.

A falácia é evidente, pois uma lei ordinária, como é o caso, não pode modificar a Carta Magna.

A modernização privilegia a resolução de conflitos por meio do entendimento direto entre empresários e trabalhadores. Na Alemanha, por exemplo, grande parte das divergências não chega ao judiciário, porque são decididas no chão da fábrica. No Brasil, foram quase quatro milhões de ações movidas somente no ano passado. É disfuncional.

A extrema judicialização das relações de trabalho quebra o equilíbrio que a Justiça deve perseguir. A reforma irá nos igualar aos países desenvolvidos, onde há o privilégio de mecanismos extrajudiciais. O número absurdo de processos trabalhistas é ruim para quem emprega e para o trabalhador, mas é pior ainda para o país.

É preciso enfatizar que a terceirização trouxe o Brasil do século 19 para o século 21, regulamentando uma atividade de mais de 13 milhões de pessoas. O projeto ainda traz salvaguardas -por exemplo, um dispositivo para que empresas não possam, durante 18 meses, demitir um funcionário CLT e recontratá-lo como pessoa jurídica ou funcionário de uma terceirizada.

Na modernização também é proposto o fim da contribuição sindical obrigatória. A medida visa fortalecer sindicatos, pois aqueles legítimos e verdadeiramente representativos não terão dificuldades para conseguir contribuições de seus associados.

O cenário hoje é espantoso: 16.451 sindicatos, 583 federações e 47 confederações, num total de 17.081 entidades. Empregados não são representados por esse cipoal de instituições embaralhadas em interesses nem sempre transparentes e do trabalhismo. A contribuição sindical obrigatória movimentou, nos últimos cinco anos, quase R$ 16 bilhões: uma fábula de dinheiro que não é submetida ao controle da sociedade ou do próprio Estado.

A realidade impôs a necessidade de modernização das leis do trabalho. Tínhamos dois caminhos a seguir: ficar inertes diante de tantos problemas ou fazer com que o Legislativo funcionasse, apesar da intensa crise.

A economia precisa ter previsibilidade, a legislação deve ser clara e o equilíbrio entre o capital e o trabalho é essencial para a confiança do sistema. Ter regras justas para o empregador e o trabalhador é condição essencial para que o Brasil volte a gerar empregos.

ROGÉRIO MARINHO (PSDB/RN) é deputado federal e relator da reforma trabalhista”

Política

Ezequiel e Raniere ampliam parceria entre Assembleia e Câmaras Municipais

O presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), recebeu nesta terça-feira (25) o presidente da Câmara Municipal de Natal e presidente da Federação da Câmara Municipais (Fecam-RN), vereador Raniere Barbosa (PDT), para renovar a parceria da Escola da Assembleia com a federação.

A parceria visa além de manter a qualificação de vereadores e servidores das 30 Câmaras atualmente beneficiadas, ampliar o convênio para atender 62 Câmaras.

“A Assembleia está absolutamente aberta a fazer outras parcerias e eu fico muito feliz com essa visita”, disse o presidente Ezequiel Ferreira, que discutiu ainda com Raniere a realização de eventos reunindo as Câmaras de todo o Estado e a integração dos Memoriais das Casas Legislativas com exposições itinerantes em shopping centers e nas atividades da Câmara nos Bairros.

Participaram da reunião, além dos presidentes, o diretor da Escola da Assembleia, Carlos Russo, os deputados Hermano Morais (PMDB), Albert Dickson (PSD), Jacó Jácome (PSD) e Larissa Rosado (PSB), e o secretário Geral da Assembleia, Augusto Carlos Viveiros. Acompanham Raniere Barbosa o vice-presidente da Câmara, Ney Lopes Júnior (PSD) e os vereadores Ana Paula (PSDC), Eudiane Macedo (Solidariedade) e Dinarte Torres (PMB), e ainda o procurador geral, Valdenir Xavier, e o vice-presidente da FECAM, Anchieta Júnior.

Foto: Eduardo Maia

Foto: Eduardo Maia

Política

Dança das cadeiras no RN

Com o Partido Socialista Brasileiro (PSB) oficialmente fazendo oposição ao Governo Temer, conforme anunciado ontem (24), pelo presidente nacional, a legenda poderá perder os cargos federais no RN, indicados pelo deputado federal Rafael Motta.

São danças das cadeiras que poderão ocorrer nos próximos dias.

Política

Presidenciável, Bolsonaro usa cota parlamentar em pré-campanha

Da Folha de São Paulo

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tem usado sua cota parlamentar para custear viagens pelo país em que se apresenta como pré-candidato à Presidência em 2018.

A cota reembolsa viagens e outras despesas do mandato. Nas regras de uso, a Câmara diz que “não serão permitidos gastos de caráter eleitoral”.

O conteúdo das falas de Bolsonaro, contudo, é explicitamente voltado à disputa de 2018, em que aparece com 9%, segundo mostrou o Datafolha em dezembro.

Nos últimos cinco meses, ao menos seis viagens em que o deputado tratou publicamente de sua intenção de concorrer ao Planalto foram custeadas pela Câmara. Somam R$ 22 mil.

Mesmo em cidades onde ele não deu palestras, um roteiro se repetiu: chegada no aeroporto recepcionado por uma claque aos gritos de “mito” e “Bolsonaro presidente”.

O deputado nega estar em campanha e atribui as viagens à participação na Comissão de Segurança Pública da Câmara –onde é suplente.

Em novembro, a Câmara gastou R$ 2.500 para Bolsonaro ir ao Recife, onde deu palestra na Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados. Foi apresentado como “futuro presidente do Brasil, o nosso mito”. Na ocasião, Bolsonaro disse que “vamos ganhar em 2018, porque somos a maioria no Brasil, homens de bem”.

Dias depois, ele viajou a Boa Vista (RR) por R$ 4.500, acompanhado de um assessor, cujas passagens, de R$ 4.000, também foram pagas com a cota parlamentar.

Lá, deu entrevistas e uma palestra promovida pelos sindicatos dos policiais civis e o dos federais de Roraima. No aeroporto, falou da necessidade de controlar a entrada de venezuelanos no Estado.

“Não estou em campanha, mas estou me preparando para, se o momento exigir, não ser mais um capitão, mas um soldado a serviço de vocês.”

Em dezembro, ele pôs na conta da Casa R$ 1.385 para ir a São Paulo dar uma entrevista ao programa “Pânico no Rádio”, em que disse que “a minha ascensão é no vácuo político que está aparecendo”. Era o encerramento da “semana dos presidenciáveis” do programa.

Em janeiro, foi à formatura de soldados da PM em Belo Horizonte. As passagens de ida e volta saíram da cota parlamentar por R$ 715.

No aeroporto, afirmou que “o Brasil tem jeito”, só “precisa de um capitão”. “Por coincidência eu sou capitão.”

Em fevereiro, Bolsonaro foi a Campina Grande e João Pessoa (PB). As passagens custaram R$ 1.700. O gabinete arcou também com a viagem de um acompanhante, de R$ 1.900.

Em março, o deputado foi a São Paulo para encontrar um professor da Universidade Mackenzie especialista em grafeno, material constituído de carbono que faz parte de sua “plataforma” de inovação. As passagens custaram R$ 4.600, e a diária de hotel, R$ 280, pagos com a cota.

OUTRO LADO

Em nota, o chefe de gabinete de Jair Bolsonaro, Jorge Francisco, negou que o deputado esteja em campanha ou pré-campanha eleitoral “seja para qual cargo for”.

Ele disse que as despesas ressarcidas pela Câmara “foram realizadas em consonância com os preceitos legais e regimentais”, “o que reforça a tese de que tais ‘denúncias’ somente têm o condão de tentar incluir o nome do deputado em atos supostamente escusos, diante da enxurrada de notícias de corrupção envolvendo outros políticos”.

“O que ocorre é que, por ser integrante da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, o deputado dispensa muita atenção aos assuntos relacionados”, declarou.

z

Política

PSB passa oficialmente para oposição ao Governo Federal

De O Globo

Após o fechamento de questão contra as reformas trabalhista, da previdência e política que prevê a lista fechada, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, e outros dirigentes da legenda, deixaram claro que, sem a chancela de cargos no ministério e votando contra as principais matérias do governo, o PSB não pertence a base de Michel Temer, e com essas posições oficiais, é oposição. Os dois líderes do partido na Câmara, Teresa Cristina (MS), e do Senado, Fernando Bezerra (PE), foram votos vencidos contra o fechamento de questão nas bancadas.

– O partido nunca esteve no governo. Esse governo não nos representa. Fica inviabilizada nossa permanência na base. Quem está lá sem a indicação do PSB, é quem tem que se resolver. É prudente que o Palácio do Planalto comece a contabilizar votos a menos – disse o vice-presidente de relações governamentais do PSB, Beto Albuquerque.

– Se estamos contra as principais reformas e programas do governo consideradas essenciais, tire suas próprias conclusões – disse o presidente Carlos Siqueira.

Sobre as punições aos parlamentares que não cumprirem a decisão e votarem a favor das reformas, Siqueira lembrou que o estatuto prevê de advertência até expulsão, mas fez um apelo para que cumpram a posição da Executiva Nacional.