desumano

Do Congresso em Foco

“Não estou arrependido, não. Eu faço isso, fiz e faço quantas vezes for preciso.”

A afirmação em áudio é do comerciante apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Alberan de Freitas Epifânio, acusado de amarrar e espancar o quilombola em situação de rua, Luciano Simplício, no último sábado (11), em plena rua, na cidade de Portalegre , no oeste do Rio Grande do Norte.

Proprietário do Mercadinho Eduarda, na pequena cidade potiguar, Alberan protagoniza um vídeo bárbaro no qual aparece dando chutes nas costas de Luciano, que está com pés e mãos amarrados e chora com o rosto voltado para o chão.

É possível ouvir duas mulheres ao fundo conversando e uma delas diz “ele quer linchar”.

Alberan, em seguida, desfere mais um chute nas costas do homem caído e uma outra mulher pede ” não mate, não”. O comerciante responde: “Mato, mato ele. O que é meu eu tenho o direito de defender.”

De acordo com o portal Mossoró Hoje, Alberan teria espalhado pela cidade, na semana passada, que Luciano seria um bandido e que estava sempre drogado. O quilombola, poir sua vez, teria reagido atirando pedras no comércio de Alberan e insultado o comerciante.

A cena chocante chegou até à governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT-RN) que se manifestou nas suas redes sociais afirmando que  o governo estadual não será conivente e “não compactuará com manifestações eivadas de discriminação, intolerância, ódio e abusos de quaisquer naturezas.”

DO TL 

As cenas são chocantes e repercutem em todo Brasil. A que ponto de selvageria chegamos?

Seria desumano ainda dizer que Luciano foi tratado como um … animal. Nada pode justificar a conduta do comerciante que se viu atingido em sua propriedade.

No estado democrático de Direito – que vivemos – é vedado, PROIBIDO fazer justiça com as próprias mãos. Por mais óbvio que se possa parecer, o momento impõe ratificar. E isso nada tem a ver com esquerda ou direita, mas certo e errado.

Comentários do Site

  1. Rui
    Responder

    Essa desgovernadora não faz muito tempo recebeu o maior marginal do Brasil, Lula Nove Dedos que ela tem como ídolo. Dois pesos e duas medidas dessa energumena desqualificada, ela devia estar combatendo a violência no Estado que está dominado por facções aliadas ao desgoverno que temos.

  2. Maria das Graças Venâncio
    Responder

    Vergonhoso que ainda tenhamos no estado este tipo de comportamento. Espancamento de negro. Não me admira porque partiu de uma pessoa da família Freitas que são bastante orgulhosos, embora ao que me parece descendentes de índios, como todos nós e da Paraíba como a governadora. O mito espalha ódio, assim como Lula não é nada inspirador no quesito gestão democrática são dois despreparados na minha visão.

  3. observanatal
    Responder

    Reflexo de uma sociedade que não acredita na justiça, de um Estado inseguro. Quilombola ou não, a justiça feita pelas próprias mãos é a certeza da impunidade. Para todos.

    A apuração pedida pela governadora é retórica, limpa e seca.

Deixe um comentário