15 de abril de 2024
Nota

Michel Temer foi intermediário do STF para Bolsonaro não passar do tom na Av Paulista

No dia 16 de fevereiro, uma sexta-feira, Jair Bolsonaro teve uma agenda incomum em São Paulo.

Sempre cercado por auxiliares e aliados, o ex-presidente foi sozinho ao encontro do também ex-presidente República Michel Temer.

O compromisso, sem testemunhas, ocorreu a pedido de Temer, que considerava grave o conteúdo da conversa para que fosse compartilhado com terceiros.

A preocupação do ex-presidente tinha razão de ser.

Antes do “olho no olho” com Bolsonaro, Temer foi procurado por ministros do STF. A Corte estava preocupada com o ato, ocorrido neste domingo, na Avenida Paulista.

De um ministro, Temer ouviu um pedido: seria importante que ele usasse a boa relação com Bolsonaro para levar um alerta.

Se Bolsonaro atacasse o Supremo ou seus ministros na manifestação, isso seria considerado um elemento concreto para sua prisão.

Se o discurso for provocativo, a Corte não terá outro caminho a não ser a prisão. Como ele confia no senhor, poderia procurá-lo para uma conversa?”, indagou um magistrado a Temer.

Defensor incansável da pacificação política no país, Temer entendeu a seriedade do momento vivido pela Nação e chamou Bolsonaro. Segundo interlocutores que tiveram conhecimento posterior da conversa.

Temer foi direto:

Bolsonaro, deixa eu te dizer: você tem o STF contra você, tem a imprensa contra você e tem metade da população contra você. Faça um ato pregando a pacificação, pregando passar uma borracha em tudo. Se você agredir o Supremo, você será preso no dia seguinte. Estou certo disso”, disse Temer a um preocupado Bolsonaro.

Fonte: Radar na Veja 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *