Do Blog de Fausto Macedo/O Estadão

O empresário Wesley Batista, acionista do Grupo J&F, foi hostilizado neste domingo, 11, enquanto almoçava na churrascaria Barbacoa, no bairro do Itaim-Bibi, em São Paulo. Wesley deixou a prisão no dia 21 de fevereiro por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Confundido com seu irmão, o também empresário Joesley Batista, que foi solto na sexta-feira, Wesley foi chamado de “ladrão”, “palhaço” e “vagabundo” e ouviu um coro de “Fora, Joesley!”, conforme mostram vídeos que circulam nas redes sociais gravados por clientes do restaurante.

“Vocês acabaram com o País, sem vergonha, sem consciência”, gritou uma mulher. “Vai pra cadeia”, protestou outra pessoa.

Em meio ao clima hostil, o empresário permaneceu sentado até terminar sua refeição.

Wesley foi preso em setembro de 2017 na Operação Tendão de Aquiles – a prisão foi determinada na investigação sobre uso de informação privilegiada para obter ganhos econômicos (insider trading).

Em outubro, os procuradores da República Thaméa Danelon e Thiago Lacerda Nobre, do Ministério Público Federal, em São Paulo, denunciaram à 6.ª Vara Federal os irmãos Joesley e Wesley, na Operação Acerto de Contas, desdobramento da Tendão de Aquiles, por manipulação do mercado.

COM A PALAVRA, WESLEY

Procurada, a assessoria de imprensa do empresário informou que não vai se manifestar.

Comentários do Facebook

Os comentários estão fechados.