Ex-secretária de Educação do Governo Robinson Faria, a professora Claudia Santa Rosa é uma crítica constante do Governo Fátima Bezerra, principalmente nas escolhas feitas para as escolas públicas em tempos de pandemia.

Agora, com mais um Decreto publicado que exclui as ativadas presenciais para rede pública de ensino, a professora aumenta o tom :

A Educação vive um retrocesso perverso. Finalmente assumiram: “escolas públicas não são essenciais”.

Abandonados, os estudantes dos estratos sociais mais empobrecidos se assemelham aos pacientes que foram a óbito por falte de UTI. Sim, o fracasso escolar mata, gradativamente.

Pessoas seguem com discursos modulados por um só jeito de pensar a organização da escola (o modelo de antes da pandemia que não voltará tão cedo).

Sim, são as mesmas que, por meses, também rejeitaram o ensino remoto, roubando tempo de aprendizagem dos “filhos dos trabalhadores”.

Fica clara a nítida falta de atenção à Educação e com quem existe o compromisso.

Tomara que as prefeituras tenham mais responsabilidades e não permaneçam nessa apatia, esperando para voltar com as escolas no modelo de antes da pandemia. Voltem com um aluno por dia, mas voltem!

DO TL 

As Prefeituras ainda não se manifestaram sobre o retorno das aulas presenciais e podem esbarrar no entendimento reiterado do Supremo Tribunal Federal que as regras mais rigorosas prevalecem em relação as tomadas de forma divergente.

Foi isso, aliás, que fez as aulas na rede privada de ensino serem suspensas depois de autorizadas pelo município de Natal na semana passada.

Comentários do Site

  1. Maria das Graças de Menezes Venâncio
    Responder

    Como é qu3e esta “professora” tem à audácia de dizer uma besteira destas? Ela está bem? As escolas públicas são essenciais, fundamentais, o que esta senhora queira. As vezes no RN surpreende a ignorância de uma gestora de educação dizer uma bobagem.

Deixe um comentário