A nomeação anunciada ontem em Mossoró pelo presidente Bolsonaro da nova reitora da UFERSA Ludimilla Oliveira acendeu a militância , que não aceita a imposição do nome menos votado nas eleições da Universidade.

A Coordenadora do DCE Ana Flavia (foto) já convocou a militância via grupos virtuais”

Nós não admitiremos, não é hora de baixar a cabeça, é hora de fazer luta!  Na UFERSA Ludmilla não entra nem de helicóptero. Nem um minuto de sossego para nossos algozes.

Comentários do Site

  1. Jose Cordeiro
    Responder

    Esses idiotas formam uma lista tríplice. O PR escolhe o 3⁰. Pode? Para esses idiotas nao!
    Eles nao querem estudar, mas implantar uma política que o mundo repudia.
    Bolsonaro vai matar esse pessoal de raiva.
    Kkkkkkkkkkkkkk

  2. observanatal
    Responder

    Besteira besta. Lista tríplice já diz que qualquer um dos três pode ser indicado.

    É por isso que a esquerda vai esperneando e minguando. Democrático é só o que é escolhido por certo grupo de partidos, por certo.

  3. Noviniel
    Responder

    Descoordenadora do DCE, convoque a militância para estudar, é para isso que voces estão na faculdade.

  4. Tiago
    Responder

    O presidente escolhe a a que ficou em TERCEIRO, mas para os fanáticos bolsonaristas isso é respeitar a autonomia universitária e a tradição democrática de escolher a primeira posição. Se der um chute no saco desse desqualificado acerta o queixo desse povo.

    • Julio Nogueira
      Responder

      Se ele pode escolher entre os 3 da lista, não é o que ficou em terceiro seu IMBECIL. A opção é escolher dentre os 3 indicados. É por isso que é de esquerda, burro igual uma porta.

  5. Vanessa
    Responder

    Essa criatura abjeta chama o PR de miliciano, mas isso aí é uma baita de uma cangaceira criminosa!
    Acho curioso como esses tipinhos se acham no direito de ameaçar, silenciar e perseguir que não compartilha da demência deles. Fazem do mundo acadêmico o seu REICH particular.
    Isso precisa ter um BASTA!
    Chega de usarem a audiência cativa dos colégios e faculdades para formar militantes cada vez mais radicais, e tudo isso com dinheiro público!
    Os espaços de construção do saber devem ser plurais, aqui não é a Alemanha de 1930 para esses protótipos de nazis decidirem sobre a vida das pessoas!

Deixe um comentário