A5528003-764A-41EA-AF02-0EBE7D55ED2D

Fonte: Zachary Halaschak, para o Washington Examiner, em 14 de setembro de 2021

Os preços ao consumidor aumentaram 5,3% no ano encerrado em julho, de acordo com um relatório divulgado na terça-feira pelo Departamento do Trabalho dos Estados Unidos.

Os números do índice de preços ao consumidor refletem as expectativas das previsões e levantam preocupações de que a inflação esteja muito alta, à medida que o país continua sua recuperação da pandemia de COVID-19.

O relatório de agosto sobre a inflação foi altamente antecipado porque veio depois de um relatório de empregos que foi muito pior do que o esperado.

A economia criou apenas 235.000 novos empregos no mês passado, muito menos do que os 750.000 que eram esperados.  Apesar dos ganhos escassos, a taxa de desemprego geral caiu ligeiramente de 5,4% para 5,2%.

O debate sobre se a inflação será de curta duração ou mais sustentada, não foi resolvido.

A inflação tem sido mais alta do que o Federal Reserve e muitos economistas anteciparam no início deste ano.  O índice de preços ao consumidor registrou os maiores aumentos ano a ano desde 2008, em junho e julho, quando atingiu 5,4%.

Na semana passada, o Goldman Sachs revisou para baixo sua previsão de PIB para 2021 de 6,2% para 5,7%.  Foi a segunda revisão do gigante bancário no mês passado, depois de cortar suas expectativas de crescimento para o terceiro trimestre.

A variante delta, que resultou em um enorme aumento de casos do vírus, hospitalizações e mortes nas últimas semanas, está aumentando a ansiedade que cerca a economia.

Embora haja alguma esperança de que o pico da contaminação esteja próximo, os novos casos resultaram em tensão econômica.

TL comenta:

A taxa de inflação que alcançou 7,1% no mesmo período, não pode ser considerada uma jaboticaba brasileira.

O vírus atingiu todos os países, seus estragos na economia, também.

Para quem ainda tem dúvidas sobre a globalização,  mas não domina as conversões de moedas e unidades de volumes, uma constatação.

Os preços dos combustíveis, os principais vilões acusados pela turbulência internacional, são semelhantes.  Na matriz e na  principal filial sul-americana

Deixe um comentário