mancha-de-oleo-praia

DO UOL 

Três cartas assinadas por 35 pesquisadores brasileiros e estrangeiros criticam a demora e a forma de atuação do governo federal na resposta ao problema causado pelo derramamento de óleo que polui praias no Nordeste e no Sudeste desde o segundo semestre do ano passado.

As manifestações foram publicadas na edição desta semana da revista Science, uma das mais conceituadas do mundo em divulgação científica. O grupo também cobra ações para minimizar os danos ambientais. …

O primeiro dos artigos é assinado por seis pesquisadores e liderado Marcelo Soares, do Instituto de Ciência do Mar da UFC (Universidade Federal do Ceará).

Eles afirmam que faltou coordenação e diretrizes transparentes para uma resposta rápida federal e que isso atrasou uma reação ao derramamento de óleo.

O grupo lembra que a administração de Jair Bolsonaro (sem partido) dissolveu os comitês “responsáveis por acidentes com derramamentos de óleo no início de 2019”.

“Campanha de Desinformação” A segunda carta é de três cientistas e foi liderada pela doutora em Ecologia Heloisa Brum, do Idema (Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte).

TL COMENTA

Não é apenas a doutora Brum que atua no Rio Grande do Norte para desvendar o mistério do vazamento. A Procuradoria da República juntamente com a Polícia Federal do RN  apontaram o navio grego Boubolina como responsada pelo maior desastre ambiental do litoral brasileiro,  sendo inclusive alvo de busca e apreensão. Até agora, nada de conclusivo sobre o tema. Silêncio tomou conta do tema.

 

Comentários do Site

  1. observanatal
    Responder

    O tema parece com postagens do Twitter do presidente e seus secretários conversadores de bobagens: Dura 24 horas e só reaparece quando forem buscar algo no passado até distante.

Deixe uma resposta para observanatal Cancelar resposta