1 de março de 2024
Nota

Sócia de Brenda diz que ela não queria fazer Direito Criminal e estava nervosa com 1º cliente

Ela [Brenda Oliveira, advogada] estava atuando no primeiro flagrante criminal da carreira e mandou mensagem da delegacia, dizendo estar muito nervosa, mas feliz. Não me contou detalhes sobre o cliente. Pediu apenas para que eu elaborasse uma procuração em nome dele.

Eu estava em Natal e sabia que ela [Brenda] ia acompanhar o depoimento de um cliente na delegacia. Meu coração estava apertado. Depois, ela tinha de comparecer a uma audiência on-line e não se conectou na hora, não compareceu. Senti que havia algo errado, enviei mensagem, mas ela não leu e também não respondeu. Já estava morta.
Ilanna Arquilino, advogada, sócia de Brenda

Este é o relato da advogada Ilanna Arquilino, sócia de Brenda Oliveira, 26, morta na terça (30), enquanto saía com um cliente de uma delegacia na cidade de Santo Antônio (RN).

Amiga desde os tempos de faculdade, a advogada Ilanna contou que conheceu Brenda em 2017. As duas começavam a frequentar o curso de direito do Uniceuna (Centro Universitário Natalense).

Graças ao jeito carinhoso, responsável e prestativo de Brenda, não demorou muito para as duas se tornarem melhores amigas. “Ela era maravilhosa, sempre disposta a ajudar as pessoas”, afirmou.

Brenda decidiu seguir a área trabalhista do direito. No ano passado, abriu um escritório de advocacia e chamou a amiga, focada nas áreas previdenciária e de família, para ser sua sócia.

Nenhuma das duas tinha como meta enveredar pelo direito criminal. Pelo contrário, Ilanna dizia que jamais atuaria nessa áre… –

Pelo contrário, Ilanna dizia que jamais atuaria nessa área e aconselhava a amiga a pensar duas vezes sobre os riscos antes de buscar clientes.

A gente sabe que essa é uma área complicada. Mas que possibilita um retorno financeiro importante. E a Brenda acreditava que isso poderia alavancar o trabalho do escritório. Mas eu nunca gostei da ideia.

DELEGADO ACCREDITA QUE BRENDA NÃO ERA ALVO

A advogada não era alvo dos criminosos, mas teria sido morta por estar no mesmo carro que Janielson, segundo a Polícia Civil. Os agentes acreditam que o crime teria sido motivado por vingança pela morte do vaqueiro João Victor Bento da Costa, 19, pela qual o cliente de Brenda foi apontado como suspeito.

Ilanna diz que lutará para que a morte da melhor amiga seja esclarecida e a justiça seja feita. Ela entrou em contato com uma advogada criminalista especializada, que acompanhará o inquérito e dará apoio à família. “Faremos justiça. Justiça por Brenda.”

Fonte: Maurício Businari para o UOL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *