17 de abril de 2024
Saúde

SOS Enfermagem

A suspensão pelo Supremo Tribunal Federal, da lei que criou o piso salarial dos profissionais de enfermagem, merece um olhar para fora do país, a lugares que sempre foram invejados como exemplos de boa assistência médica.

No Brasil, é clara a política de controle salarial na área da saúde, adotada nos últimos vinte anos: aumentar o peso da oferta, na equação já desequilibrada pela baixa procura.

Multiplicar o número de vagas nas universidades, e se isso não for suficiente, importar mão de obra prêt à répondre.

De novo de Cuba ou de outra fronteira camarada, como lê-se nas entrelinhas do programa de governo do candidato que lidera a maioria das pesquisas eleitorais

The Montfort Hospital, Ottawa, Canadá

Modo Desastre’: Salas de Emergência em todo o Canadá fecham em meio à crise

Fonte: Vjosa Isai para o The New York Times em 15/09/2022

A escassez nacional de enfermeiros fez com que dezenas de salas de emergência em todo o Canadá fechassem temporariamente e forçou alguns pacientes a esperar dias por um leito .

A escassez de enfermeiros – que foram afastados da profissão por condições de trabalho inseguras, insatisfação salarial e esgotamento da pandemia – levou os hospitais canadenses ao limite.

Com um sistema de saúde pública subfinanciado, o Canadá já tem alguns dos maiores tempos de espera por assistência médica do mundo, mas agora eles cresceram ainda mais, com pacientes relatando passar vários dias antes de serem internados em um hospital.

Sindicatos de enfermeiros e outras organizações médicas estão pressionando para que os governos provinciais, que administram os cuidados de saúde no Canadá, declarem a situação um “estado de emergência” e direcionem mais fundos para resolvê-la.

Os Estados Unidos e outros países, incluindo a Inglaterra, estão enfrentando questões semelhantes.

Alguns estados dos EUA tentaram aumentar os salários dos enfermeiros e o Oregon chamou 1.500 Guardas Nacionais para ajudar a equipe sobrecarregada, em tentativas desesperadas de preencher a lacuna.

Para ajudar a enfrentar a crise, as autoridades de saúde do país estão tentando atrair enfermeiros do exterior e reter funcionários atuais ou recém-aposentados.

Jean-Yves Duclos, ministro da Saúde do Canadá, anunciou no mês passado que estava restabelecendo o cargo de chefe de enfermagem, uma pessoa que ajuda a moldar a política nacional e um papel que o governo descartou há uma década.

“Precisamos apoiar nossos enfermeiros, garantir que eles sejam ouvidos e que seus desafios sejam atendidos com soluções”.

O Canadá gasta mais em saúde do que todos os países, exceto quatro, mas os líderes provinciais dizem que isso é inferior ao aumento anual de 5% nos custos associados à prestação de cuidados de saúde.

Embora os governos provinciais tenham o controle final sobre o financiamento da saúde, incluindo o poder de aumentar os impostos, seus líderes dizem que não podem pagar.

Em Ontário, o governo provincial limitou os aumentos salariais para a maioria dos funcionários do setor público em 2019, citando questões orçamentárias.

Os sindicatos que representam os profissionais de saúde culpam a falta de pessoal no limite e o subfinanciamento crônico dos cuidados de saúde.

Mesmo antes da pandemia, os departamentos de emergência estavam entre os ambientes de trabalho mais perigosos dos hospitais.

Os profissionais de saúde sofrem violência no local de trabalho em quatro vezes a taxa de outros trabalhadores, e metade desses incidentes acontecem na sala de emergência, de acordo com uma declaração de 2021 da Associação Canadense de Médicos de Emergência.

“A enfermagem é a espinha dorsal e o coração dos cuidados de saúde”, disse Cathryn Hoy, Presidente da Associação de Enfermeiros de Ontário.

“A menos que os cuidados de saúde lhe atinjam, você não pensa nisso.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *