F25A92C0-58B6-4DC9-9B8E-B79DCF14D710
O rio de janeiro, fevereiro e março continua o mesmo.

Quem diria que alguém pudesse, no próximo século,  ter saudades do chaguismo?

O jornalista Chagas Freitas fez um governo de pecados veniais. Um empreguinho aqui, outro acolá. Coisas de varejo, clientelismo e oposição adestrada, consentida pelo regime militar.

Foi sucedido por Brizola.

Depois, as páginas políticas se confundem com as policiais.

Corria o ano da graça de 1977.

(Publicação original em 29/05/2019)

MUITO PRAZER, RIO

Viagens aéreas. Acontecimentos raros,  especiais, extraordinários, sempre planejados  com  muita antecedência.

Já foi assim.

Toda a família, os 50 vizinhos da direita e outro tanto da esquerda eram comunicados e participavam dos preparativos da epopeia.

Criava-se uma expectativa  que incluía sempre a inevitável pergunta, se o viajante tinha medo de voar.

Quem não tinha, acabava tendo.

Ninguém ficava sem os conselhos dos  mais voados e experientes.

Verdadeiros tutoriais com orientações que incluíam uísque e cigarro. Antes, durante e depois.

A indumentária, um capítulo à parte.

No saguão-passarela, desfilava le dernier cri de la mode.

Esporte fino ou domingueira para os mais jovens.  Bem sucedidos, paletó e gravata.

Sobre as cabeças, os aviões. E os penteados. E muito laquê.

Não faltavam os comitês de despedida e recepção. Proporcionais à distância, motivo e duração do tour.

Regra da boa etiqueta: quem não podia comparecer, justificava a ausência.

Como não se  pensava ainda em SEDEX, sobravam encomendas. A serem entregues no aeroporto. E a  depender do conteúdo, sempre muito aguardadas. Por muita gente.

Na família da namorada, uma mala sempre entalada com carne de sol e complementos, competia com pilotos experientes, horas de vôo,  no trajeto Natal-Rio.

Com tantas escalas, devo ter atrasado uma eternidade.

Só isso para explicar, no desembarque, a reação  daquele parente meio distante, meio idoso, conhecido pela irreverência (às vezes, pelo mau humor) que seria apresentado na ocasião mas recusou o aperto de mão.

”Não quero conhecer mais ninguém.

Já convivo com muita gente ruim nesse mundo.“

Viramos amigos.

Ele levou-me aos melhores lugares da cidade. Desde o primeiro Degrau.

Comentários do Site

  1. Gonzaga Costa
    Responder

    Parabéns Dr. Domício!
    Estou viciado na leitura diária dos seus ricos artigos! Muito bom. Continue…..
    Um forte abraço!

Deixe uma resposta para Gonzaga Costa Cancelar resposta