0BAD66A5-9803-4A63-A564-4A341DA6FC55

Que não é coveiro, ele próprio já afirmou na curta frase da sua melhor peça de defesa.

A acusação de estar induzindo autoridades a renunciar aos mandatos e às próprias vidas, pode levar o colunista e escritor Ruy Castro a responder processo patrocinado pelo excelentíssimo Ministro da Justiça, a mais disputada (e anônima) celebridade neste veraneio do litoral sul.

Crime tão hediondo que o  seu colega Ricardo Noblat entra de gaiato solidário na ação,  por ter reproduzido, ipsis litteris e com o devido crédito, a macabra sugestão.

Inócua, pode se tornar a imputação.

Haverá a mínima chance dos desejos expressos pelo autor virem a se concretizar?

É o que precisa ser apurado.

É bem provável que o humor do biógrafo carioca esteja simplesmente, apontando personagens à procura de autores para contarem os escondidos de suas vidas públicas.

Pelos antecedentes dos dois chefes de estado, é muito pouco provável um fim abrupto na tragicomédia que vêm protagonizando em dueto.

Para eles, se conselho não fosse bom, não precisariam nomear tantos assessores especiais. E pagá-los regiamente para raciocinarem por eles.

A primeira vítima, nos estertores do mandato, com tantos amigos esperando indultos e pensando como fazer um para benefício próprio e uso próximo, não deve ter tomado conhecimento do mórbido estímulo,  nem dado a mínima para o que escreveu o periodista  cucaracha.

Mais um “inimigo do povo” a espalhar fakenews.

Se em quatro anos, os vizinhos foram ignorados, isolados por muro alto, não vai ser desta vez que a temperatura vá subir no paraíso da floresta tropical.

A não ser que, apeado do poder, seja estratégico para o gringo, manter um presidente cover fazendo o que continuaria, se não fosse a fraude eleitoral.

Abaixo do equador, naquele remoto país, mais longe que a Venezuela, as chances de provocar um fim  de governo com tragédia, é muito mais improvável.

Ninguém poderá esperar que o presidente que também faz questão de mostrar não ter o menor apreço pelo jornalismo, tenha o hábito da leitura. Mesmo dos curtos textos das colunas de seis parágrafos.

Caso o desfecho viesse a acontecer como um presságio, o agouro  não teria o mesmo impacto da comoção nacional, na memória coletiva, passados 65 anos.

A começar pela carta-testamento.

Com produção literária ainda inédita e discursos de improviso ou lidos no teleprompter com titubeante fluência, não se imagina que as explicações a serem deixadas possam emocionar tanto quanto as despedidas do orador, memorialista e pai dos pobres, ocupante da cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras.

Difícil de medir o impacto que poderia ter uma live onde o renunciante,  por trás de uma mesa de jantar, vestido com camisa de time de futebol, declarasse:

Serenamente, dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.

Não daria certo, Ruy.

E7773EF3-A551-4709-800B-B5DE273384FA

Ruy Castro

  

Comentários do Site

  1. Geraldo Batista de Araújo
    Responder

    Styverson só entende de trânsito. Ele está no lugar errado. Mas ele ainda tem muitos anos de mamata.

Deixe um comentário