853A3FFD-47B1-49B0-B82F-CBC83973DB61A deposição de Iemanjá do pedestal na praia do meio despertou nas lembranças de Leonardo, o irmão de memória prodigiosa, reminiscências da passagem do Professor Darcy Ribeiro por estas terras resgatadas do astuto holandês.

1990, campanha de Lavoisier Maia ao governo.

O também candidato (ao senado) pelo Rio de Janeiro, o ex-ministro da educação de Jango,  Darcy Ribeiro, veio dar uma força aos socialistas morenos potiguares.

Comícios, seus acessórios e consequências, nas capitais. Natal e Mossoró.

Contou com o apoio do correligionário, lídimo representante das beiras do Curimataú e dos pés-de-serra da Barriguda, em suas experiências pantagruélicas na peixada da Comadre e na carne de sol do Lira. E do Marinho.

Pena que o assessor João Batista Saraiva não esteja mais por aqui para confirmar os outros locais aprazíveis visitados pelo ilustríssimo antropólogo.

1A9D2152-8E87-4619-92FF-5D5EDA4C90E6No

No city tour, ao avistar a estátua de Irmanjá, pediu ao cicerone (por indiscrição do discípulo Mércio Pereira Gomes, tratado por Bimbo) que falasse com a prefeita Wilma Maia para cuidar da desgastada  escultura.

E fez uma inédita  confissão de fé.

Falando sério,  como se numa aula magistral estivesse, revelou que aquela era a  santa da sua devoção.

Mostrou os ex-votos que ela havia recebido e comparou com os dos outros santos.

Enquanto todos recebiam pernas, braços e mãos de madeira ou barro. Quadros com fotografias, fitas coloridas. E buscavam uma graça ou um milagre, os dedicados à rainha do mar eram bem  diferentes.

Aos pés da imagem, cachaça e outras bebidas.

Muitas flores, pentes  e espelhos.

Até calcinhas, cuecas e sutiãs.

É diferente. É só alegria.

A santa da devoção de Darcy era a santa da gandaia.

– A única santa que transa.

O professor faz um falta danada no país usurpado  por mortadelas, coxinhas e isentões.

2C707B9E-E08B-47A8-A443-958E54E7DBAF

Deixe um comentário